Alimentos diuréticos para limpar o organismo

· 9 de janeiro de 2014
O consumo de alimentos diuréticos é importante já que, em muitas ocasiões, confundimos a retenção de líquidos no organismo, que nos deixa inchados, com o excesso de quilos.

Na natureza existe uma grande variedade de alimentos diuréticos, que proporcionam naturalmente ao organismo meios de eliminar os líquidos. Como resultado, se tornam uma maneira excelente de conseguir um equilíbrio em nosso corpo.

Além disso, os alimentos diuréticos também são muito úteis para aqueles que desejam perder peso, já que na maioria dos casos acredita-se que os quilos extras são apenas acumulação de líquidos no organismo.

É importante lembrar que, se estiver seguindo uma alimentação rica em diuréticos, é necessário beber muitos líquidos, para evitar desidratação.

Alimentos diuréticos que podem ajudar a perder peso ou a evitar a retenção de líquidos.

A melancia

Esta deliciosa fruta contém uma grande quantidade de água, estimulando a eliminação de líquidos. Além disso, contém uma boa quantidade de nutrientes que são necessários para prover ao organismo uma hidratação adequada. O melão apresenta as mesmas propriedades da melancia.

O chá verde

O chá verde, pelo seu grande conteúdo de cafeína, ainda que em menor quantidade que o café, é bastante recomendado para eliminar os líquidos acumulados no organismo.

O vinagre de maçã

O vinagre de maçã ajuda a corrigir os níveis de potássio, mineral que na maioria dos casos é alterado por um regime diurético muito rígido.

O tomate

O tomate apresenta uma grande quantidade de compostos que são muito benéficos para o organismo, como por exemplo a vitamina C. Comer tomates regularmente ajuda o bom funcionamento dos rins. Isso porque estimula o corpo a eliminar os fluídos e toxinas com maior rapidez e eficiência.

Recomendamos também a leitura: Como as ameixas secas ajudam nosso corpo?

A salsa

A salsa é muito utilizada na decoração de diferentes pratos, mas quase ninguém conhece os excelentes efeitos diuréticos que esta erva proporciona para as pessoas que sofrem com a retenção de líquidos.

A maneira mais correta de consumi-la é mediante infusões, que são tomadas ou em jejum ou no meio da manhã.

A alcachofra

Suas propriedades diuréticas são conhecidas há séculos. Atualmente, a alcachofra é conhecida, certamente, por proporcionar o bom funcionamento dos rins e pela boa quantidade de nutrientes.

Os aspargos

Os aspargos apresentam uma grande quantidade de compostos que ajudam no funcionamento dos rins, provocando a perda do excesso de líquidos, que podem afetar a saúde.

Recomendamos também a leitura: 6 bebidas com morango que você deve incluir na sua dieta

O mirtilo

O mirtilo ajuda a prevenir doenças urinárias que são muito comuns nas mulheres, pois elimina as toxinas acumuladas e ajudar na reprodução de microrganismos, que são nocivos para a saúde. Além disso, é muito importante saber que o mirtilo é um dos melhores alimentos antioxidantes que existe.

A aveia

É muito conhecida por ser útil na redução e no controle do colesterol. Além disso, é uma excelente fonte de fibras e  ajuda na redução de edemas provocados pela acumulação de líquidos. Estes efeitos devem-se ao composto chamado de sílica.

Alimentos diuréticos para o organismo

Como você pode ver, existe uma grande variedade de alimentos que podem ajudar a eliminar líquidos do corpo.

Você pode escolher os alimentos que mais goste ou combinar vários deles, consumindo um a cada dia, desta maneira pode manter o seu corpo saudável, com o peso ideal, sem ter a necessidade de recorrer a dietas extremas que podem afetar gravemente a saúde.

  • DEVIENNE, K. F.; RADDI, G.; POZETTI, G. L. Das plantas medicinais aos fitofármacos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, p. 11-14, 2004.
  • TAVARES, Silvia Daiane Rodrigues et al. Importância das frutas vermelhas na prevenção de doenças. Revista Eletrônica Faculdade Montes Belos, v. 7, n. 4, 2014.
  • NOLDIN, Vânia Floriani et al. Composição química e atividades biológicas das folhas de Cynara scolymus L.(alcachofra) cultivada no Brasil. Química nova, v. 26, n. 3, p. 331-334, 2003.