Dieta do paradoxo dos vegetais: o que é, como funciona e quais são seus riscos

Se você quer conhecer uma maneira diferente de perder peso, vamos explicar em que consiste a dieta do paradoxo dos vegetais, uma abordagem nova, embora não muito apoiada pela ciência.
Dieta do paradoxo dos vegetais: o que é, como funciona e quais são seus riscos

Última atualização: 19 julho, 2022

A dieta do paradoxo dos vegetais é um tipo de dieta que se concentra na restrição de lectinas para melhorar a saúde e perder peso de forma eficiente. Essa abordagem indica que as lectinas são substâncias tóxicas que prejudicam o corpo e causam um intestino permeável, o que alteraria o metabolismo dos nutrientes e a fisiologia do ambiente interno.

Antes de começar, deve-se notar que os fundamentos de uma boa dieta de acordo com a literatura científica recente são a variedade e o equilíbrio. É preciso ter muito cuidado ao propor restrições, pois podem ocorrer déficits nutricionais que acabam condicionando o funcionamento do organismo. Nesse caso, seria melhor consultar um profissional para obter um plano que cubra os requisitos.

O problema da lectina

As lectinas são, segundo alguns especialistas, uma série de elementos encontrados em alimentos vegetais e que protegem as plantas de serem comidas por predadores. Por isso, apontam que seriam prejudiciais ao organismo.

No entanto, há pouca evidência para apoiar esta teoria. Trata-se de um postulado muito controverso, pois estudos recentes garantem a necessidade de inclusão regular de hortaliças na dieta.

Chaves para combinar proteínas vegetais
A dieta do paradoxo dos vegetais indica que as lectinas seriam prejudiciais ao organismo. Não há evidências científicas conclusivas a esse respeito.

A observação também não é muito favorável a essa prática de restrição de lectinas. Existem muitas tribos que incluem feijão e outras leguminosas em sua dieta diária desde os primeiros estágios da vida. Isto não significa que eles estejam em condições de saúde mais precárias.

Além disso, é importante ter em mente que cozinhar vegetais tende a reduzir drasticamente o teor de lectina. Dessa forma, o problema seria praticamente resolvido.

Como é estruturada a dieta do paradoxo dos vegetais?

A dieta do paradoxo vegetal prioriza a ingestão de carnes vermelhas, aves e peixes, alimentos com amidos resistentes, laticínios e alguns vegetais. Neste último grupo, encontram-se alimentos como aspargos, beterraba, brócolis, couve-flor e vegetais de folhas verdes. O que deve ser totalmente restringido são as leguminosas.

Outro grupo de alimentos que deve ser excluído dessa abordagem são os grãos germinados. Também, frutas e cereais ou alimentos que contenham amido e até certos derivados do leite de vaca. Ainda assim, estes últimos produtos podem ser necessários para satisfazer as necessidades proteicas ao longo do dia, pelo que nem sempre é aconselhável eliminá-los.

Alterações com ácido úrico podem ser melhoradas com o uso de grão de bico
A dieta do paradoxo dos vegetais é altamente restritiva e pode levar a deficiências nutricionais.

Como você pode ver, é uma dieta bastante restritiva que pode levar a deficiências em certos micronutrientes essenciais. Uma delas, por exemplo, seria a vitamina C. Essa substância é fundamental para garantir o bom funcionamento do sistema imunológico, como confirma um estudo publicado na revista Nutrients. Melhora a eficiência da defesa inata e adaptativa do corpo.

Perder peso com a dieta do paradoxo dos vegetais

A dieta do paradoxo dos vegetais pode ser usada para perder peso, desde que acompanhada de bons hábitos de vida. Afinal, para melhorar o estado da composição corporal, basta garantir que as necessidades proteicas sejam atendidas, gerando um déficit energético e promovendo o exercício físico. Estes são os 3 pontos-chave que lhe permitirão alcançar o sucesso na maioria dos casos.

Além disso, este plano de refeições não inclui alimentos processados ou alimentos com alto teor de açúcar, como cereais. Estes geralmente estão presentes na dieta de muitas pessoas e podem limitar os resultados.

Ressalta-se que o consumo regular de carboidratos simples causa, em médio prazo, resistência à insulina em pessoas sedentárias. Isto é confirmado por uma pesquisa publicada na revista Current Diabetes Reports.

De qualquer forma, e embora a restrição de alimentos processados seja positiva, existem opções melhores do que essa abordagem para perder peso. Também não há evidências suficientes para evitar leguminosas na dieta. Muito pelo contrário.

As leguminosas são fonte de fibra e este elemento ajuda a melhorar o trânsito intestinal enquanto protege a microbiota. Não parece adequado limitar a sua contribuição quando mesmo as necessidades diárias não são cumpridas na maioria dos casos.

A dieta do paradoxo dos vegetais, uma abordagem para perder peso com poucas evidências

Como você viu, a dieta do paradoxo dos vegetais é articulada com o objetivo de perder peso e melhorar a saúde. Para isso, pretende limitar a ingestão de lectinas, como as principais substâncias tóxicas consumidas diariamente. Mesmo assim, a literatura científica atual não suporta esta proposta e prefere garantir o consumo de hortaliças com alto teor de fibras, ao invés de restringi-las. Então não parece uma ótima alternativa.

Para concluir, devemos lembrar que quando o objetivo é melhorar o estado da composição corporal e prevenir o desenvolvimento de patologias crônicas e complexas ao longo dos anos, comer bem não é suficiente. Outros hábitos apropriados devem ser promovidos. Entre eles, destaca-se a necessidade de praticar exercício físico de forma regular, promovendo sobretudo o trabalho de força muscular.

Pode interessar a você...
Dieta mediterrânea verde: vantagens e desvantagens
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Dieta mediterrânea verde: vantagens e desvantagens

A dieta mediterrânea verde é rica em vegetais, sem esquecer da necessidade de proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais. Conheça-a aqui!



  • Aune, D., Giovannucci, E., Boffetta, P., Fadnes, L. T., Keum, N., Norat, T., Greenwood, D. C., Riboli, E., Vatten, L. J., & Tonstad, S. (2017). Fruit and vegetable intake and the risk of cardiovascular disease, total cancer and all-cause mortality-a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. International journal of epidemiology46(3), 1029–1056. https://doi.org/10.1093/ije/dyw319
  • Carr, A. C., & Maggini, S. (2017). Vitamin C and Immune Function. Nutrients9(11), 1211. https://doi.org/10.3390/nu9111211
  • Yoshida, Y., & Simoes, E. J. (2018). Sugar-Sweetened Beverage, Obesity, and Type 2 Diabetes in Children and Adolescents: Policies, Taxation, and Programs. Current diabetes reports18(6), 31. https://doi.org/10.1007/s11892-018-1004-6