Tipos de fibras que mais ajudam a microbiota

Você sabe quais são os tipos de fibras que mais beneficiam a microbiota intestinal? Descubra a importância de consumir essa substância regularmente.
Tipos de fibras que mais ajudam a microbiota

Última atualização: 28 abril, 2022

Talvez você já tenha se perguntado se existem fibras que auxiliam a microbiota intestinal. Isto é possível? Muito se escreve sobre cada tópico separadamente, mas eles podem ter um ponto de contato que melhora nosso bem-estar.

Ao pensar em saúde nutricional, é preciso ter atenção especial à composição da microbiota intestinal. O conjunto de bactérias que habitam o intestino é considerado um órgão em si, devido a sua influência no metabolismo e absorção de nutrientes.

Para garantir sua funcionalidade, é necessário fornecer-lhes substâncias que sirvam de alimento. Existem alguns tipos de fibras que ajudam a microbiota a crescer seletivamente, potencializando suas funções e produzindo ácidos graxos de cadeia curta que intervêm como moduladores da inflamação.

Pectina para a microbiota intestinal

A pectina é um tipo de fibra solúvel encontrada nas maçãs. Esta substância é capaz de influenciar positivamente o crescimento bacteriano no intestino, de acordo com pesquisa publicada na revista FEMS Microbiology Ecology.

Os resultados deste estudo mostram que o consumo habitual de alimentos com este tipo de fibra consegue estimular a produção de substâncias anti-inflamatórias. Isso beneficia a saúde a curto prazo, mas também em vista do futuro.

Desta forma, é importante, para manter uma alimentação saudável, incluir vegetais regularmente. Maçãs e pêras são ricas em fibras solúveis, embora existam outros alimentos que também contenham essa substância em sua composição.

É sempre preferível consumir este tipo de produto cru e sem picar. Isso evita que a fibra se desfaça por processos térmicos e  outros mecânicos e se torne incapaz de exercer o efeito mencionado. A preparação é um fator importante no efeito final.

Beta-glucanas são fibras que ajudam a microbiota

Entre os tipos de fibras que mais auxiliam a microbiota, é necessário e importante mencionar as beta-glucanas. Essas substâncias são encontradas na aveia, que é um dos cereais mais completos que temos atualmente para completar nossa dieta diária.

O consumo regular deste produto condiciona de forma positiva o crescimento das bactérias que compõem a flora intestinal. De acordo com um estudo publicado no The Journal of Nutritional Biochemistry, as betaglucanas são positivas para a saúde humana graças aos seus efeitos antidiabéticos, anti-inflamatórios e moduladores da função imunológica.

Cabe destacar que a fibra é um dos nutrientes responsáveis pela modulação dos níveis de glicose no sangue. Esse fator é essencial quando se fala em prevenção de doenças metabólicas. Isso é afirmado em uma publicação na revista Diabetología , onde o consumo de fibra alimentar está inversamente relacionado ao risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Prebióticos para apoiar a microbiota

Outro tipo de fibra disponível que ajuda a microbiota intestinal são os prebióticos. Ao contrário dos probióticos, que são organismos vivos que colonizam o trato gastrointestinal, os prebióticos são fibras capazes de fermentar dentro do trato digestivo das pessoas, gerando ácidos graxos de cadeia curta.

Dentre essas substâncias, uma das mais importantes é a inulina. É um nutriente presente em alguns alimentos como o alho, embora nos últimos anos tenha começado a ser consumido através de suplementos alimentares.

A inulina promove a formação de substâncias anti-inflamatórias no intestino, principalmente em indivíduos obesos, segundo um estudo publicado na revista Metabolism. Essa condição torna a inulina um excelente tipo de fibra quando se trata de reduzir a incidência de doenças complexas em pessoas com excesso de peso.

Inulina como fibra para excesso de peso
A inulina é um prebiótico com efeito metabólico benéfico, especialmente em pessoas com sobrepeso e obesidade

Consuma mais fibras para melhorar a saúde da microbiota

A obtenção de uma microbiota saudável é um dos principais objetivos das diretrizes alimentares atuais. Mais e mais implicações das bactérias intestinais em marcadores relacionados à saúde estão sendo descobertas.

Por esse motivo, é fundamental que esses microrganismos estejam funcionais e nas proporções corretas para desempenhar suas funções. Uma boa saúde intestinal pode prevenir o aparecimento de doenças metabólicas crônicas e complexas.

Além disso, também está ligado a uma melhor saúde mental. As interações entre o sistema digestivo e o sistema nervoso foram descritas usando um modelo conhecido como eixo intestino-cérebro. Isso denota que a fibra alimentar tem alcance além do que imaginamos.

A inclusão de fibras na dieta, na quantidade necessária, é uma estratégia fundamental para garantir o crescimento bacteriano. No entanto, é necessário tomar alguns cuidados nesse sentido.

Se a pessoa tiver supercrescimento bacteriano patológico no intestino proximal, pode ser necessário limitar a ingestão de fibras e administrar probióticos antes de retornar a uma dieta variada. Isso pode ser avaliado com uma consulta com um profissional de nutrição.

This might interest you...
Substitutos veganos da carne: quais são as melhores opções?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Substitutos veganos da carne: quais são as melhores opções?

Os substitutos veganos da carne são ideais para preparar uma grande variedade de receitas sem sacrificar o sabor. Conheça as melhores opções.



  • Faith Chung WS., Meijerink M., Zeuner B., Holck J., et al., Prebiotic potential of pectin and pectic oligosaccharides to promote anti inflammatory commensal bacteria in the human colon. FEMS Microbiol Eco, 2017.
  • Jayachandran M., Chen J., Man Chung SS., Xu B., A critical review on the impacts of b-glucans on gut microbiota and human health. J Nutr Biochem, 2018. 61: 101-110.
  • Consortium I., Dietary fibre and incidence of type 2 diabetes in eight european countries: the EPIC interact study and a meta analysis of prospective studies. Diabetologia, 2015. 58 (7): 1394-408.
  • Beek CM., Canfora EE., Kip AM., Gorissen SHM., et al., The prebiotic inulin improves substrate metabolism and promotes short chain fatty acid production in overweight to obese men. Metabolism, 2018. 87: 25-35.
  • Navarro del Cabo, Sonia. “La microbiota intestinal: un nuevo factor para prevenir la obesidad y la diabetes.” (2016).
  • Eguílaz, M. Gómez, et al. “El eje microbiota-intestino-cerebro y sus grandes proyecciones.” Revista de neurología 68.3 (2019): 111-117.
  • Muñoz, Pablo, et al. “Actualización en sobrecrecimiento bacteriano intestinal y dificultades en su diagnóstico.” (2012).