Laticínios não ajudam a prevenir a perda óssea, segundo estudos

A ingestão de laticínios não está diretamente relacionada à redução do risco de fratura óssea. No entanto, a vitamina D tem uma capacidade protetora nesse sentido.
Laticínios não ajudam a prevenir a perda óssea, segundo estudos

Última atualização: 10 Dezembro, 2020

Os laticínios são associados à prevenção da perda óssea há décadas. No entanto, estudos recentes têm contestado esta afirmação.

Embora esses alimentos sejam ricos em cálcio, outros fatores como o exercício físico e os níveis de vitamina D são mais críticos quando se trata de combater a osteroporose. Essa doença é caracterizada por ser comum em mulheres que já passaram pela menopausa.

A osteoporose é irreversível e é fundamental garantir a sua prevenção. Uma vez que o osso começa a desmineralizar, ele não recupera o cálcio perdido novamente. Por essa razão, é importante carregar os depósitos deste mineral precocemente.

Os laticínios não são a melhor fonte de cálcio

Diferentemente das crenças mais generalizadas, existem alimentos que fornecem mais cálcio do que os laticínios. Alguns exemplos incluem os vegetais verdes. No entanto, é necessário ter cuidado com esse tipo de produto, pois quando eles contêm altas quantidades de fitatos ou fibras, a biodisponibilidade do mineral pode ser reduzida.

Seja como for, de acordo com um artigo publicado na revista Nutrition Research Reviews, a associação entre um alto consumo de laticínios e a redução da perda óssea ainda não foi fortemente evidenciada. Há alguns indícios de que a ingestão regular de leite pode reduzir o risco de ruptura óssea, mas essa associação não é cientificamente sólida e irrefutável.

A osteoporose é a falta de densidade de cálcio no osso, e é um problema comum na menopausa.

Para saber mais: Efeitos colaterais dos suplementos de ferro

A vitamina D ajuda a prevenir a perda óssea

A manutenção dos níveis ideais de vitamina D é mais importante para a prevenção da osteoporose do que uma alta ingestão de laticínios. Esse nutriente e hormônio estimula a absorção e fixação de cálcio nos ossos, o que diminui o risco de fratura, segundo um estudo publicado na revista Osteoporosis International.

A exposição frequente à luz solar é primordial para garantir os níveis corretos desta vitamina. Dessa forma, estimula-se a produção endógena do nutriente, reduzindo assim o risco de desenvolver doenças a médio e longo prazo.

A vitamina D também pode ser fornecida através da dieta. No entanto, ela é encontrada em uma pequena quantidade nos alimentos. Aqueles com níveis aceitáveis são peixes oleosos, ovos e laticínios enriquecidos. Alguns cogumelos também podem contê-la.

Exercícios para prevenir a osteoporose

Além da dieta, o exercício físico é uma maneira eficaz de aumentar a massa muscular e a densidade óssea. A prática regular diminui o risco de fraturas a médio e longo prazo, tornando-se um fator protetor contra a osteoporose.

Por isso, a combinação de dieta e exercício é uma boa maneira de prevenir o desenvolvimento dessa doença em mulheres na menopausa. No entanto, essa série de hábitos tem que se desenvolver por uma boa parte da vida, não apenas uma vez que a patologia tenha começado.

A prática de exercícios e a exposição à luz solar são hábitos eficazes para prevenir a osteoporose.

Leia também: Hipervitaminose: excesso de vitaminas

Os laticínios não são a melhor solução contra a perda óssea

Os laticínios fornecem nutrientes benéficos para o corpo. Muitos deles contêm probióticos, responsáveis por melhorar a saúde intestinal. No entanto, no que diz respeito à perda óssea, este tipo de produto não oferece uma grande vantagem sobre outras alternativas.

A ingestão de vitamina D pode ajudar. Esse nutriente aumenta a absorção e fixação de cálcio nos ossos, reduzindo o risco de osteoporose.

Boa parte da população tem um déficit desta vitamina devido aos baixos níveis de exposição solar. Por isso, recomenda-se otimizar a dieta, para que os alimentos que contenham vitamina D estejam mais presentes. Em alguns casos, a suplementação é necessária.

Por outro lado, o exercício físico de força é recomendado como um método protetor contra a perda óssea. A prática regular reduz o risco de ossos quebrados em mulheres que já passaram pela menopausa. Uma combinação de dieta e exercício seria o plano ideal.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os riscos de adotar uma dieta rica em proteínas

Antes de adotá-la, conheça os riscos da dieta da proteína, um modelo baseado principalmente no consumo de alimentos como carnes e laticínios.



  • Weaver CM., Alexander DD., Boushey CJ., Dawson Hughes B., et al., Osteoporos Int, 2016. 27 (1): 367-76.
  • Van Den Heuvel EGHM., Steijns JMJM., Dairy products and bone health: how strong is the scientific evidence? Nutr Res Rev, 2018. 31 (2): 164-178.