Bebidas vegetais: propriedades e benefícios

10 Novembro, 2020
Para os intolerantes à lactose, há uma ampla gama de bebidas vegetais que podem substituir o consumo de leite. Por que elas são recomendadas? Quais são os seus benefícios? Descubra a seguir.

As bebidas vegetais são produtos que se tornaram moda nos últimos anos. Elas são produzidas como substitutos para o leite, pois são uma boa escolha para os intolerantes à lactose. No entanto, é necessário levar em conta certas questões relacionadas à sua rotulagem para escolher um produto de boa qualidade nutricional.

Quais são seus benefícios potenciais? Em que situações é recomendado consumi-las? Há muitas dúvidas em relação a esses alimentos. A seguir, vamos falar mais sobre as suas propriedades e usos.

Bebidas vegetais, substitutos para o leite

O leite de vaca é um alimento que contém uma alta densidade nutricional. No entanto, não é uma boa escolha para aqueles indivíduos que desenvolveram intolerância à lactose. Existem variedades desta bebida sem o açúcar que causa desconforto, mas suas qualidades organolépticas não são as mesmas. Isso pode condicionar o seu consumo.

Paralelamente, as bebidas vegetais são uma boa alternativa devido ao seu teor de nutrientes. Seu teor de proteínas e gorduras é menor, mas desde que não tenham açúcares adicionados, elas são substitutos adequados para dietas com baixo teor de calorias.

Às vezes são enriquecidas com nutrientes essenciais, como vitaminas do complexo B. Estas são importantes dentro do metabolismo energético, de acordo com um estudo publicado na revista Sub-celular Biochemistry. Introduzi-las na dieta, nas quantidades necessárias, reduz o risco de danos às células e ao DNA.

Leite vegetal
Os leites vegetais podem ser uma opção para substituir o leite de vaca em pessoas com intolerância à lactose.

Leia também: Comparação de leites vegetais

As bebidas vegetais são mais fáceis de digerir

Uma das características das bebidas vegetais é sua fácil digestão. Sendo um produto com um nível de proteína muito baixo, tem um rápido esvaziamento gástrico e não costuma causar desconforto.

Dessa forma, pode ser uma opção para adicionar a cafés ou batidas para quem sofre de dores estomacais ou intestinais. As bebidas vegetais combinam bem com frutas, por isso também são adequadas para fazer batidas.

No entanto, se você costuma ter problemas relacionados ao trânsito intestinal ou ao processo de digestão, pode ser aconselhável consultar um médico. Às vezes, esses distúrbios estão ligados à disbiose intestinal, que poderia ser corrigida com uma suplementação probiótica, de acordo com um estudo publicado no Journal of Biomedical Science.

Teor de proteínas

Estas não são proteínas de alto valor biológico. A proporção em que são encontradas é menor do que no leite de vaca, mas as bebidas vegetais também têm esse tipo de nutriente.

Elas são uma boa opção para as dietas veganas, pois ajudam a completar a ingestão de proteínas. No entanto, deve-se esclarecer que não são proteínas de alto valor biológico, têm deficiências em termos de aminoácidos essenciais, e sua digestibilidade precisaria ser melhorada.

Consequentemente, elas não devem ser a única fonte de proteína, mas devem ser combinadas com outros produtos vegetais que contenham este macronutriente. Para garantir o consumo ideal, é melhor seguir as instruções do nutricionista.

Não deixe de ler: Como fazer lasanha vegana: descubra 2 receitas

Cuidado com bebidas que possuem açúcar

Ao comprar bebidas vegetais, é necessário prestar atenção aos rótulos do produto. Existem algumas variedades que contêm açúcares adicionados. Este ingrediente melhora o sabor, mas reduz significativamente a qualidade nutricional.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Advances in Nutrition, consumir açúcares simples em excesso aumenta o risco de desenvolver doenças metabólicas. Portanto, a adição de açúcares às bebidas vegetais pode condicionar a saúde e aumentar a incidência de diabetes.

É essencial ler atentamente a embalagem desses produtos e escolher as variedades que estão livres de açúcares adicionados. Além disso, recomenda-se consumir aqueles que contêm uma maior proporção de vegetais em sua composição, como arroz ou aveia.

Leite de aveia
O leite de aveia e o de arroz são conhecidos pelo seu sabor agradável. Além disso, são livres de açúcares adicionados e podem substituir o leite de vaca em muitas receitas.

Bebidas vegetais podem ser incluídas na dieta usual

Não é recomendável substituir o leite de vaca por bebidas vegetais se não houver uma situação patológica prévia, como intolerância à lactose ou alergia às proteínas do leite de vaca. No entanto, pode ser um alimento para usar na dieta diária.

Quando o objetivo é fornecer uma base líquida aromatizada para uma vitamina ou smoothie, as bebidas vegetais são uma opção mais digestiva do que os laticínios. De qualquer forma, lembre-se de escolher variedades sem açúcares adicionados; caso contrário, você estará adquirindo um produto com um baixo valor nutricional.

Por fim, tenha em mente que algumas dessas bebidas vegetais são enriquecidas com vitaminas ou minerais, o que pode ser uma boa opção para evitar deficiências.

  • Mikkelsen K., Apostolopoulos V., B Vitaminas and ageing. Subcell Biochem, 2018. 90: 451-470.
  • Johnson RJ., Sánchez Lozada LG., Andrews P., Lanaspa MA., Perspective: a historical and scientific perspective of sugar and its relation with obesity and diabetes. Adv Nutr, 2017. 8 (3): 412-422.
  • Tsai YL., Lin TL., Chang CJ., Wu TR., Lai WF., et al., Probiotics, prebiotics and amelioration of diseases. J Biomed Sci, 2019.
  • Vanga SK, Raghavan V. How well do plant based alternatives fare nutritionally compared to cow’s milk?. J Food Sci Technol. 2018;55(1):10-20. doi:10.1007/s13197-017-2915-y
  • Rizzo G, Baroni L. Soy, Soy Foods and Their Role in Vegetarian Diets. Nutrients. 2018;10(1):43. Published 2018 Jan 5. doi:10.3390/nu10010043
  • Aboulfazli, F., Shori, A. B., & Baba, A. S. (2016). Effects of the replacement of cow milk with vegetable milk on probiotics and nutritional profile of fermented ice cream. LWT, 70, 261–270. https://doi.org/10.1016/j.lwt.2016.02.056