Comparação de leites vegetais

02 Agosto, 2020
Embora os leites vegetais sejam benéficos sob certas condições, não é inteiramente verdade que eles superem os benefícios do leite de vaca. Por esse motivo, é importante fazer uma comparação. Descubra!

Você já fez uma comparação de leites vegetais? Será que realmente representam uma mudança positiva em relação ao consumo do leite de vaca? Apesar dos preconceitos em torno do consumo de leite de vaca, as evidências científicas se contradizem continuamente. Isso significa que não há associação causal entre o consumo dessa bebida e o desenvolvimento de doenças.

Por esse motivo, o objetivo é mencionar as propriedades presentes no leite de vaca e fazer uma comparação de leites vegetais, a fim de conhecer esses benefícios apoiados pela ciência e romper os mitos que são difundidos atualmente.

O leite animal, principalmente o de vaca, faz parte da dieta ocidental há muitos anos. Seu consumo tem sido associado ao crescimento pôndero-estatural na infância, um indicador que nos informa sobre crescimento e desenvolvimento adequados.

Contribuição nutricional e impacto no crescimento: são semelhantes?

Atualmente, muitas famílias optaram por consumir leites não animais, como o de soja e o leite de amêndoas, por falsas crenças. No entanto, os leites à base de plantas contêm um menor conteúdo de proteínas e lipídios do que o leite de vaca. Portanto, não têm o mesmo impacto no crescimento das crianças.

Em um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition em 2017, para cada copo de leite vegetal consumido, as crianças eram 0,4 cm mais baixas que a população que consumia leite animal.

Da mesma forma, houve uma diferença de 1,5 cm na altura de crianças pré-escolares de três anos de idade com consumo de três xícaras de leite vegetal por dia em comparação com a população infantil que tomava leite de vaca.

Comparação de leites vegetais e leite de vaca
As evidências demonstram que os leites vegetais oferecem menor quantidade de proteínas e lipídios do que o leite de vaca. Por esse motivo, seu impacto no crescimento das crianças não é o mesmo.

O leite e seus nutrientes não são essenciais

Coincidindo com as informações publicadas na revista Nutrición Hospitalaria, para romper com as falsas crenças, é necessário comprovar a segurança e as propriedades que essa bebida fornece na vida cotidiana.

É verdade que existem outros alimentos que são uma fonte de cálcio, além do leite de vaca e seus derivados, porém, sendo de origem vegetal, a biodisponibilidade e a absorção desse mineral sofrem interferências de substâncias conhecidas como oxalatos.

Além disso, para cobrir os valores de ingestão recomendados, devem ser consumidas grandes quantidades desses alimentos. Por outro lado, o leite contém lactose, vitamina D e peptídeos (principalmente arginina e lisina) que facilitam a absorção intestinal de cálcio.

Isso pode te interessar: Como fazer leite condensado de soja

Outros mitos relacionados ao consumo de leite de origem animal

1. A lactose é prejudicial à saúde

Aproximadamente 35% da população tem intolerância a esse dissacarídeo. No entanto, verificou-se que a maioria dos adultos com essa condição tolera até 12 g de lactose por dia (presente em um copo de 250 ml de leite).

Por outro lado, também é necessário enfatizar que os produtos lácteos sem lactose no mercado beneficiam apenas pessoas com intolerância a esse produto.

2. Leite e seus derivados aumentam o desenvolvimento de doenças cardiovasculares

Essa afirmação está relacionada ao suprimento de ácidos graxos saturados. No entanto, esses ácidos graxos (láurico, mistírico e palmítico) só teriam efeito negativo se consumidos isoladamente e em excesso, situação que não ocorre no caso do leite.

Além disso, o leite contém ácidos esteárico e oleico que diminuem os níveis de colesterol no sangue, além de cálcio, um mineral cardioprotetor.

Como você pode ver, existem mitos que apontam injustamente para o leite como prejudicial à saúde. No entanto, é um alimento valioso do ponto de vista nutricional e pode fazer parte de uma dieta equilibrada em qualquer etapa da vida, desde que não exista nenhuma condição que o desaconselhe.

Comparação de leites vegetais: uso em doenças

O tratamento de doenças crônicas não transmissíveis e distúrbios hormonais é multidisciplinar. Para sua correta abordagem nutricional, existem certos nutrientes que devem ser restringidos ou suplementados. Por esse motivo, muitas doenças podem se beneficiar com a substituição do consumo de leite de vaca por leite de origem vegetal:

Leite de arroz e aveia

Por apresentarem alta carga de carboidratos e baixa ingestão de proteínas, são recomendados para pacientes com doença renal, a fim de evitar hiperfiltração nos rins.

Leite de amêndoas

É recomendado para pessoas com alergia à proteína do leite e, devido ao seu suprimento de cálcio (superior ao restante dos leites vegetais), é indicado para mulheres na menopausa.

Leite de soja

Devido à sua contribuição de isoflavonas, compostos vegetais com atividade hormonal semelhante aos estrogênios, é benéfico para as mulheres na menopausa.

Descubra: Os 5 melhores leites vegetais

Leite de coco

Por ter uma alta contribuição de ácidos graxos de cadeia média (AGCM) e baixa contribuição de carboidratos, contribui para diminuir a carga respiratória, razão pela qual é recomendado para pessoas com distúrbios respiratórios (asma, DPOC). Além disso, dada a ingestão calórica e aos AGCM, traz um grande benefício para os pacientes com desnutrição.

Ao comprar essas bebidas, é importante que você não deixe de consultar o rótulo nutricional, pois muitas têm uma alta quantidade de açúcares adicionados. Devido ao teor de açúcares e ao alto custo, essas bebidas podem ser facilmente preparadas em casa, usando receitas simples.

E o debate continua: é possível fazer uma comparação entre os leites vegetais e o leite de vaca?

Para finalizar, o leite de vaca é completamente diferente do leite de origem vegetal. Portanto, não pode ser substituído sem base científica ou orientação médica.

Existem mitos sobre as propriedades dos leites vegetais que os posicionaram como um produto superior ao leite de vaca. No entanto, ambos podem ser benéficos em determinadas situações.

Ao comparar os leites vegetais, podemos conhecer a eficácia de suas propriedades e sua aplicação para o tratamento de certas condições ou doenças. Da mesma forma, conhecendo a contribuição nutricional do leite de vaca e seus derivados, pode-se afirmar que eles podem ser incluídos em uma dieta balanceada em qualquer etapa da vida.

  • Morency ME, Birken CS, Lebovic G, Chen Y, L´Abbé M, Lee GJ, Maguire JL. Association between noncow milk beverage consumption and childhood height. Am J Clin Nutr. 2017; 106 (2): 597- 602.
  • Salas-Salvadó J, Babio N, Juárez-Iglesias M, et al. Importancia de los alimentos lácteos en la salud cardiovascular: ¿enteros o desnatados? Nutr Hosp 2018;35(6):1479-90.
  • Landi F., Calvani R., Tosato M., Martone AM., et al., Protein intake and muscle health in old age: from biological plausibility to clinical evidence. Nutrients, 2016.