Mitos sobre o açúcar

01 Agosto, 2020
O açúcar se tornou o centro das atenções quando falamos de uma alimentação saudável. Possui muitos críticos, mas também defensores. Quem tem razão? Aqui, contamos a você.

Sempre existiram mitos no campo da nutrição. E, é claro, mitos também sobre o açúcar. O açúcar refinado está muito presente em nossa dieta. Usamos esse produto para adoçar nossas sobremesas e, além disso, ele está presente em inúmeros alimentos processados, até mesmo em alguns que não imaginamos.

Ultimamente, cresceram os alertas para seus efeitos negativos, chegando a ser comparado a um veneno. No entanto, também existem aqueles que defendem o consumo moderado. Quem tem razão? Descobrimos alguns dos mitos sobre o açúcar.

Nosso corpo precisa de açúcar: um dos mitos mais difundidos

Um dos mitos sobre o açúcar é que está relacionado à obesidade
Embora o corpo precise de uma certa quantidade de glicose, não é verdade que precise de açúcar. É importante saber distinguir entre glicose e açúcar.

Com certeza, esse é um dos mitos sobre o açúcar por excelência. É verdade que nosso corpo precisa de glicose para funcionar, pois é o principal combustível para nossas células e é de onde elas obtêm a energia necessária. Também é o combustível do cérebro, o principal órgão que demanda glicose, da qual precisa de um suprimento constante para funcionar.

O problema é que estamos confundindo glicose com açúcar. O substrato energético que nossas células precisam para funcionar é glicose, e não açúcar. Embora muitos não a conheçam, a glicose está presente em muitos alimentos comumente consumidos: frutas, tubérculos, legumes, entre outros.

Além disso, nosso organismo está preparado para obter glicose quando ela não é fornecida através dos alimentos. O organismo pode utilizar os estoques de glicose (que armazenamos como glicogênio nos músculos e no fígado) ou pode transformar outros nutrientes em glicose. Portanto, o açúcar não é um alimento necessário ou essencial.

Descubra: O açúcar de beterraba traz benefícios?

Até 50 gramas por dia são aceitáveis

A primeira coisa a esclarecer é que o açúcar é um alimento sem valor nutricional, portanto, as recomendações de consumo não são aconselháveis. As últimas diretrizes da Organização Mundial da Saúde sobre o consumo de açúcares livres estabelecem que:

 “A quantidade diária de açúcares livres não deve exceder 10% do total de quilocalorias consumidas”.

Recentemente, essa quantidade foi reduzida para menos de 5%. Níveis mais altos estão relacionados ao sobrepeso e à obesidade na população em geral. Além disso, em crianças, estão relacionados ao aparecimento de problemas dentários, como as cáries.

Lembramos que os açúcares livres são aqueles que são adicionados na preparação dos alimentos, e não aqueles que são encontrados neles naturalmente.

Com essa afirmação, o importante é entender que a recomendação não é consumir até 50 gramas de açúcar por dia. A questão é a definição de um limite máximo que não deve ser excedido. Quanto menos açúcar adicionado, melhor para a nossa saúde.

Açúcar não causa obesidade

Embora muitos tenham tentado ignorar a relação entre o consumo de açúcar e a obesidade, a verdade é que as evidências científicas mostram que ele tem muito a ver com isso.

A relação entre o açúcar e a epidemia da obesidade não é apenas mais um mito sobre o açúcar, pois possui suficientes evidências científicas. O problema da obesidade não pode ser reduzido a uma questão de balanço energético.

Não se trata apenas de comer menos e gastar mais. Nem mesmo pensando se o açúcar é ou não um alimento altamente calórico. O foco não pode estar apenas nas calorias, mas na origem dessas calorias.

Nosso organismo reage de maneira diferente, dependendo do tipo de carboidrato que ingerimos. Beber um refrigerante açucarado não é o mesmo que comer um prato de grão-de-bico. Embora no final nos forneçam as mesmas calorias, as reações fisiológicas que são desencadeadas quando consumimos açúcares livres podem favorecer o aparecimento da obesidade.

Embora seja verdade que o açúcar não é o único fator envolvido na obesidade, um excesso de açúcar e alimentos processados ​​na dieta estão diretamente relacionados a essa condição. Além disso, também aumenta o risco de doenças associadas ao sobrepeso, como diabetes, hipertensão ou certos tipos de câncer.

O imposto sobre bebidas açucaradas não é eficaz

Nos últimos anos, alguns países, regiões e cidades vêm implementando diferentes tipos de medidas para reduzir o consumo de bebidas açucaradas. Um deles é um imposto específico cobrado sobre esse tipo de bebida. As razões para a cobrança desses impostos são diversas:

  • Reduzir o consumo de bebidas açucaradas, com estimativas que podem atingir 20%.
  • Reduzir os custos de saúde pública derivados de problemas de saúde associados ao alto consumo de açúcar adicionado.
  • Realizar campanhas de promoção da saúde entre a população, com o dinheiro arrecadado com esse imposto.
  • Deixar claro que o consumo regular de bebidas açucaradas e de alimentos com altos níveis de açúcar não é saudável.

As experiências de regiões como Califórnia ou Catalunha e países como França, Finlândia, Hungria, Chile ou México foram positivas. Os níveis de compra e consumo desse tipo de bebida diminuíram.

É por isso que as taxas de bebidas açucaradas são recomendadas pela Organização Mundial da Saúde como uma ferramenta eficaz para reduzir o consumo de açúcar e evitar o aparecimento de algumas doenças não transmissíveis.

Leia também: Saiba como os refrigerantes fazem mal para o nosso corpo

Mitos sobre o açúcar: alternativas naturais são mais saudáveis

O mel, assim como outros ingredientes doces, pode ser uma alternativa para substituir o açúcar refinado. No entanto, seu consumo deve ser moderado.

À medida que a má reputação do açúcar cresce, outros alimentos alternativos aparecem para adoçar nossos pratos:

  • Xarope de agave
  • Açúcar de coco
  • Açúcar mascavo
  • Mel
  • Frutose
  • Rapadura

Mas… eles são realmente mais saudáveis? A verdade é que alguns desses alimentos têm um índice glicêmico mais baixo ou fornecem pequenas quantidades de alguns nutrientes. Mas falar sobre esses alimentos como alternativas saudáveis ​​pode nos levar ao erro de que eles são inofensivos ou benéficos para a saúde.

E se acreditarmos que eles têm benefícios ou que não são tão prejudiciais quanto o açúcar, correremos o risco de aumentar seu consumo. Podem ser boas opções para parar de consumir açúcar refinado, mas o ideal é acostumar nossos paladares à doçura natural dos alimentos.

Embora pareça arriscado pensar que o açúcar é um veneno, também é verdade que não é um alimento essencial na dieta. Portanto, o melhor conselho é: quanto menos, melhor.

  • Backholer K, Martin J. Sugar-sweetened beverage tax: the inconvenient truths. Public Health Nutrition. Diciembre 2017. 20(18) 3225-3227.
  • Te Morenga L, et al. Dietary sugar and body weight: systematic review and meta-analisys of randomised controlled trials and cohort studies. The British Medecine Journal. Enero 2012. 15;34 e7492.
  • VVAA. Building momentum. Lessons on implementing a robust sugar sweetened beverage tax. World Cancer Research Found. 2018.
  • VVAA. Guideline: Sugars intake for adults and children. World Health Organization. 2015.
  • Taxes on sugary drinks: why do it? . World Health Organization. 2017.