Saiba como os refrigerantes fazem mal para o nosso corpo

5 de março de 2018
O consumo excessivo de refrigerante pode afetar os rins, os dentes, e pode até causar problemas cardíacos.

Já sabemos disso, mas não custa nada lembrar que os refrigerantes fazem mal para o nosso corpo. Estes produtos são fabricados à base de químicos e corantes que comprometem seus órgãos, o que se manifesta através de reações adversas no organismo.

A seguir mostramos os efeitos mais prejudiciais dos refrigerantes em alguns órgãos específicos.

Os refrigerantes e o fígado

A cirrose hepática está relacionada com o consumo excessivo de bebidas escuras.

Especialistas na área de saúde indicam que 600 mililitros de refrigerante por dia aceleram o processo dessa doença. Talvez conhecer o mal que essas bebidas fazem ao seu corpo poderá convencer você a evitá-las.

Se alguém consome um litro de refrigerante por dia, a probabilidade de que uma quantidade razoável de gordura se acumule no fígado aumenta cinco vezes.

Os refrigerantes e os rins

Refrigerantes

O alto teor de ácido fosfórico desses produtos ajuda a produzir cálculos renais. Segundo análises realizadas por especialistas, as pessoas que não consomem refrigerante têm menor probabilidade de ter litíase.

Especialistas sinalizam que o consumo diário de açúcar não deve exceder três colheres. Uma garrafa individual ou lata de refrigerante contém por volta de sete colheres de açúcar, sem falar na quantidade de aditivos e conservantes.

Esses produtos são fabricados à base de açúcares refinados, ou seja, açúcar processado, que carece de nutrientes. Uma vez que está dentro do organismo, requer vitaminas do complexo B para ser metabolizado. O processo irá absorver essa vitamina do corpo, provocando fatores desfavoráveis como o cansaço e a má digestão.

Os refrigerantes e o sobrepeso

Uma garrafa que contenha 500 mililitros de refrigerante é suficiente para oferecer 1/10 das calorias que você precisa consumir diariamente. Os médicos indicam que o consumo de cada lata de refrigerante aumenta 1,6 vezes o risco de ter obesidade.

Como os refrigerantes fazem mal para os dentes

Mulher sorrindo

O esmalte vai se danificando e o dente adquire uma tonalidade amarelada por causa do açúcar e dos corantes. Lembremos de que o aparecimento de cáries se deve à desmineralização do dente ocasionada pelo consumo de produtos ácidos, que provêm da fermentação de restos de alimentos.

Sabe-se que o pH dos refrigerantes é em média de 2.4, o que acelera a desmineralização dos dentes.

Os refrigerantes e os ossos

Com o consumo frequente, o corpo deixa de absorver o cálcio e os ossos perdem grande densidade. As crianças também sofrem as consequências e são as mais vulneráveis.

Para os médicos, o risco de padecer de osteoporose vai depender da quantidade de massa óssea que se consiga acumular durante os primeiros anos de vida.

Eles afirmam que uma menor absorção de cálcio produto do consumo de refrigerantes está associada a um aumento nos casos de fraturas entre adolescentes e crianças.

Estudos indicam que o consumo excessivo de açúcar refinado e cafeína promove, em grande parte, a perda de cálcio.

Problemas cardíacos

Saúde cardíaca

Pesquisas demonstram que as pessoas que ingerem um litro de refrigerante ou mais por dia têm 50% de probabilidade de sofrer uma síndrome metabólica, que com o passar do tempo ocasiona doenças cardíacas e até diabetes.

Conteúdo dos refrigerantes

Essas bebidas são elaboradas com altos níveis de aditivos, o que dá uma cor atrativa ao líquido. No entanto, eles provocam diferentes alterações, como alergias e hiperatividade nas crianças.

  • Corante caramelo. Essa tonalidade atrativa é utilizada para bebidas açucaradas de cor marrom. Chega-se ao seu tom através da mistura do açúcar com nitratos e sulfatos que são submetidos a altas pressões. Seu consumo provoca alterações sanguíneas e câncer em animais de laboratório.
  • Ácido carmínico, E120. Provoca redução do crescimento em animais de laboratório.
  • Corante amarelo 5, tartrazina ou E102. Causa asma, coriza e urticária se misturado com analgésicos como a aspirina.

Não se trata de proibir o consumo de bebidas açucaradas, mas de diminuir as quantidades diárias, levando em consideração o quanto elas podem afetar a saúde do corpo e os órgãos vitais.

Seus componentes químicos ajudam a acelerar diversas doenças, como a diabetes, entre outras.

Imagem principal cortesia de wikiHow.

1. Steen DP, Ashurst PR. Carbonated Soft Drinks: Formulation and Manufacture. Carbonated Soft Drinks: Formulation and Manufacture. 2007.
2. James J. Preventing childhood obesity by reducing consumption of carbonated drinks: cluster randomised controlled trial. BMJ. 2004;
3. McCusker RR, Goldberger BA, Cone EJ. Caffeine content of energy drinks, carbonated sodas, and other beverages. J Anal Toxicol. 2006;
4. Ashurst PR. Chemistry and Technology of Soft Drinks and Fruit Juices: Second Edition. Chemistry and Technology of Soft Drinks and Fruit Juices: Second Edition. 2007.
5. Hendriksen MA, Tijhuis MJ, Fransen HP, Verhagen H, Hoekstra J. Impact of substituting added sugar in carbonated soft drinks by intense sweeteners in young adults in the Netherlands: Example of a benefit-risk approach. Eur J Nutr. 2011;
6. Halldorsson TI, Strøm M, Petersen SB, Olsen SF. Intake of artificially sweetened soft drinks and risk of preterm delivery: A prospective cohort study in 59,334 Danish pregnant women. Am J Clin Nutr. 2010;
7. Amienyo D, Gujba H, Stichnothe H, Azapagic A. Life cycle environmental impacts of carbonated soft drinks. Int J Life Cycle Assess. 2013;
8. Hu FB, Malik VS. Sugar-sweetened beverages and risk of obesity and type 2 diabetes: Epidemiologic evidence. Physiol Behav. 2010;
9. Forshee RA, Storey ML. Total beverage consumption and beverage choices among children and adolescents. Int J Food Sci Nutr. 2003;
10. Maslova E, Strøm M, Olsen SF, Halldorsson TI. Consumption of Artificially-Sweetened Soft Drinks in Pregnancy and Risk of Child Asthma and Allergic Rhinitis. PLoS One. 2013;
11. Larsen MJ, Richards A. Fluoride is unable to reduce dental erosion from soft drinks. Caries Res. 2002;
12. Dubé J-P. Multiple Discreteness and Product Differentiation: Demand for Carbonated Soft Drinks. Mark Sci. 2004;
13. Sohn W, Burt BA, Sowers MR. Carbonated soft drinks and dental caries in the primary dentition. J Dent Res. 2006;
14. West NX, Hughes JA, Parker DM, Moohan M, Addy M. Development of low erosive carbonated fruit drinks 2. Evaluation of an experimental carbonated blackcurrant drink compared to a conventional carbonated drink. J Dent. 2003;
15. Gallus S, Turati F, Tavani A, Polesel J, Talamini R, Franceschi S, et al. Soft drinks, sweetened beverages and risk of pancreatic cancer. Cancer Causes Control. 2011;
16. Dube J-P. Multiple Discreteness and Product Differentiation: Demand for Carbonated Soft Drinks. Mark Sci. 2004;