5 hábitos que podem piorar a gastrite

Alguns hábitos frequentes, como o cigarro, o álcool ou manter uma dieta pouco saudável, podem chegar a piorar a gastrite de forma considerável, por isso devemos eliminá-los de nossa rotina. Falaremos mais sobre o assunto a seguir.
5 hábitos que podem piorar a gastrite

Última atualização: 17 Maio, 2021

gastrite é uma inflamação do revestimento do estômago, que pode se tornar muito desconfortável e, em alguns casos, dolorosa. Geralmente, isso é causado por infecção, alguns medicamentos, estresse ou uma resposta autoimune do corpo.

O tratamento da gastrite se concentra em atacar a causa subjacente e eliminar a substância agressora ou irritante. Portanto, algumas mudanças simples no estilo de vida e o uso de medicamentos antiácidos geralmente bastam para reduzir os sintomas.

Porém, se não for prestada a devida atenção e o tratamento adequado não for seguido, essa patologia pode causar úlcera estomacal. Portanto, é muito importante conhecer os hábitos que podem piorá-lo. Nós contaremos a você quais são eles.

5 hábitos que podem piorar a gastrite

A maioria desses hábitos pode ser alcançada sem muito esforço e é aconselhável livrar-se dos maus hábitos progressivamente.

1. Beber pouca água

O primeiro dos hábitos que podem piorar a gastrite é beber pouca água. A água tem pH neutro e parece que beber 1 a 2 litros de água por dia pode controlar os níveis de ácido dos sucos gástricos, ajudando a controlar os sintomas da gastrite.

2. Estar submetido a muito estresse

O estresse diário, a ansiedade e a tensão acumulada, podem afetar negativamente a saúde de nosso estômago e causar inflamação da mucosa gástrica. Isso causa o desenvolvimento de uma condição chamada gastrite nervosa. Diferentemente de outras gastrites, essa não é causada por bactérias, mas sim por uma acumulação de emoções negativas.

Muito estresse e ansiedade podem levar à liberação de ácidos estomacaisPortanto, é aconselhável praticar técnicas de relaxamento como ioga ou meditação, pois podem ajudar muito a reduzir esse estado.

De certa forma, todas as pessoas estão familiarizadas com o estresse e o vivenciam de diferentes formas e graus todos os dias. Em pequenas doses, o estresse pode realmente ser benéfico. No entanto, se ocorrer em níveis elevados, pode afetar o funcionamento físico e mental.

Estresse
O estresse constante é capaz de aumentar a secreção do ácido gástrico. Na verdade, existe um tipo de úlcera que surge nessas condições.

3. Fumar

Fumar é um dos principais hábitos de vida que podem piorar a gastrite. Em relação a isso, um estudo publicado no Journal of Clinical Gastroenterology indica que o tabagismo é um importante fator de risco no desenvolvimento de diversos problemas relacionados ao estômago, pois pode diminuir a capacidade de cicatrização da mucosa gástrica e causar úlceras.

4. Consumir álcool

A ingestão excessiva de álcool é outra das causas mais comuns de gastrite. Na verdade, o álcool contém certas toxinas que podem irritar a mucosa do estômago e causar inflamação quando consumido em excesso.

Um estudo publicado no National Center for Biotechnology Information sugere que o abuso de álcool pode atrofiar a mucosa gástrica. Além disso, essa condição pode permanecer enquanto durar seu consumo excessivo.

5. Dieta nada saudável

Finalmente, você deve saber que existem alguns alimentos e outras substâncias que você precisa evitar para reduzir ou prevenir os sintomas da gastrite. Embora a dieta e a nutrição desempenhem um papel importante para a saúde geral, também ajudam na prevenção ou controle de alguns dos desconfortos associados à gastrite.

Dentre os alimentos que devem ser eliminados, destacam-se os picantes, gordurosos, refinados e fritos, além dos laticínios com alto teor de gordura, como o creme de leite, pois ativa a secreção de suco gástrico, agravando o quadro.

Também é importante evitar qualquer alimento que possa ser tóxico ou irritante para o estômago, por exemplo, alho em pó, pimentão, tomate ou bebidas ácidas como o café. Certos vegetais podem até causar irritação e piorar os sintomas.

Junk food
Alguns hábitos alimentares pouco saudáveis ​​podem piorar os sintomas da gastrite.

Outras dicas para controlar a gastrite

Como já mencionamos, uma alimentação saudável e balanceada, além de um bom estilo de vida saudável, pode evitar certas doenças, como a gastrite.

Por outro lado, além de mudar certos hábitos, é preciso aprender a reconhecer quais deles são os que desencadeiam o aparecimento da doença. Não se esqueça que, diante de qualquer sintoma que não diminua ou perdure por mais tempo que o normal, é aconselhável consultar o gastroenterologista para fazer os respectivos exames e iniciar o tratamento adequado conforme o caso.

Pode interessar a você...
10 dicas naturais para curar a gastrite aguda
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
10 dicas naturais para curar a gastrite aguda

A gastrite aguda é uma inflamação do estômago. Neste artigo você encontrará 10 conselhos naturais para se curar e ficará sabendo o que devera evita...



  • Angós, R. (2016). Gastritis. Medicine (Spain). https://doi.org/10.1016/j.med.2016.01.011
  • Soriano Izquierdo, A., Sans Cuffí, M., Elizalde Frez, J. I., & Bessa Caserras, X. (2000). Gastritis y gastropatías. Medicine – Programa de Formación Médica Continuada Acreditado. https://doi.org/10.1016/S0304-5412(00)70013-8
  • Sipponen, P., & Maaroos, H. I. (2015). Chronic gastritis. Scandinavian Journal of Gastroenterology. https://doi.org/10.3109/00365521.2015.1019918
  • Varbanova, M., Frauenschläger, K., & Malfertheiner, P. (2014). Chronic gastritis – An update. Best Practice and Research: Clinical Gastroenterology. https://doi.org/10.1016/j.bpg.2014.10.005
  • Ma, L., Chow, J. Y. C., & Cho, C. H. (1998). Effects of cigarette smoking on gastric ulcer formation and healing: Possible mechanisms of action. Journal of Clinical Gastroenterology. https://doi.org/10.1097/00004836-199800001-00013
  • Bienia, A., Sodolski, W., & Luchowska, E. (2002). The effect of chronic alcohol abuse on gastric and duodenal mucosa. Annales Universitatis Mariae Curie-Skłodowska. Sectio D: Medicina.