Vida ativa: você precisa ir à academia?

27 de janeiro de 2020
Evitar os riscos associados ao sedentarismo envolve a criação de um estilo de vida no qual a atividade física esteja integrada em nosso cotidiano. Como conseguir isso? Veja algumas recomendações.

O estilo de vida moderno onde tudo é facilitado pelo computador e pelos deliverys, impede que tenhamos uma vida ativa.

Na Espanha, de acordo com dados publicados em 2018 pelo maior estudo sobre inatividade física realizado até o momento, 36,8% da população não pratica atividade física suficiente. E a pior parte é que, longe de melhorar, o número continua piorando: a população está cada vez mais distante de uma vida ativa e saudável.

Em 2018, The Lancet publicou os resultados de uma meta-análise realizada com 1,9 milhão de participantes, mostrando números de inatividade física que são muito preocupantes para os países ocidentais.

Ao mesmo tempo, de acordo com o último relatório anual do Mercado Europeu de Fitness e Saúde, parece que a academia se estabeleceu como a forma mais praticada de exercício físico na Europa e que a Espanha está entre os principais líderes do setor.

A Espanha é um dos países com maior inatividade física, ao mesmo tempo em que possui um dos maiores números de matriculados em academias.

Os brasileiros e a atividade física

Entretanto, no Brasil isso não é diferente. Dados da Organização Mundial da Saúde sobre sedentarismo no Brasil são alarmantes: 47% da população não pratica o mínimo de atividade física recomendado para manter-se saudável.

De acordo com isso, parece que a academia não tem a solução para fazer com que a maioria das pessoas tenha uma vida ativa, pois, independentemente de seus benefícios teóricos, ela não está gerando adesão suficiente.

Além disso, pesquisas atuais nos dizem que, em adultos, além de seguir as recomendações da atividade física diária promovida por organizações oficiais como a OMS (Organização Mundial da Saúde), o importante é evitar passar muitas horas sentados.

Ir à academia não ajuda a melhorar nosso estado de saúde, se durante o resto do dia passarmos a maior parte do tempo sentados. Na Europa, o estilo de vida sedentário causa o dobro de mortes que a obesidade e o risco cardiovascular associado é independente do peso.

Então, eu preciso ir à academia para ter uma vida ativa?

A academia não garante uma vida ativa e saudável

Em termos de saúde, parece que ir à academia é desnecessário e insuficiente, pois, além de não nos impedir de passar muitas horas sentados, também não é suficiente para cobrir as recomendações de atividade física devido à falta de adesão.

Descubra: 7 maneiras de aumentar a atividade física diária sem perceber

Provavelmente, essa falta de adesão e desistência se deva ao fato de que sua prática exige um tempo que a maioria das pessoas diz que não tem. Além disso, a maioria considera que esse tipo de atividade é tedioso ou que exige um esforço excessivo quando não se está em forma.

Várias pesquisas apontam que a maioria das pessoas que começa a se exercitar e abandona, faz isso porque não tem tempo suficiente, não considera uma atividade divertida ou não possui a forma física adequada.

O que a OMS recomenda?

Como já dissemos, na Espanha e em geral em todos os países ocidentais, há um problema de inatividade física e parece que a academia não é a solução. Para evitar os danos decorrentes da inatividade física, é necessário:

  1. Cumprir com as recomendações diárias de atividade física.
  2. Evitar ficar sentados a maior parte do tempo.

Trata-se de alcançar um estilo de vida ativo no qual a atividade física é integrada às rotinas que compõem o dia a dia.

A OMS recomenda um mínimo de 20 minutos por dia de atividade física moderada (150 minutos por semana). No entanto, a maioria das pesquisas indica que o risco cardiovascular atinge seu mínimo quando superamos 7.500 passos / dia, algo que equivale aproximadamente a 1 hora e 15 minutos.

Leia também: Descubra os 6 benefícios de caminhar todos os dias

Caminhar mantém a boa saúde

Assim, parece que quanto mais, melhor e que, no mínimo, é necessário atingir os 150 minutos semanais recomendados pela OMS.

Dicas simples para incluir na rotina

  • Subir as escadas em vez de pegar o elevador.
  • Ir e voltar do trabalho de bicicleta ou a pé.
  • Caminhar para levar ou buscar as crianças da escola.
  • Fazer as compras no supermercado. Em termos de atividade física, o ideal seria fazer pequenas compras diariamente. No entanto, as demandas diárias tornam isso impossível na maioria dos casos. Entretanto, se você precisar fazer uma compra muito grande, sempre poderá pedir para que a levem para a sua casa. Embora você não consiga levar a compra para casa, você terá aumentado seus minutos caminhando.
  • Evite usar qualquer meio de transporte motorizado para viagens inferiores a 20 minutos.
  • Opte pelo transporte público.
  • Realize as tarefas domésticas.
  • Saia para caminhar. Se você puder terminar o dia com uma pequena caminhada, além de contribuir para sua saúde física, estará melhorando seu bem-estar psicológico.
  • Pratique algum tipo de exercício físico divertido para você e para o qual sua condição física não seja limitante.

Vida ativa: estratégias específicas para o trabalho sedentário

Além do exposto, é importante implementar certas estratégias em nosso local de trabalho. Por quê? Porque é o lugar onde passamos a maior parte do dia e, portanto, não ser ativo nele significa ser sedentário.

Não ser ativo no local de trabalho, torna praticamente impossível o cumprimento das recomendações de atividades. Além disso, independentemente disso, o certo é que seremos sedentários.

É importante evitar o sedentarismo

Dicas para incluir atividade física no dia-a-dia

Portanto, é importante que todos em nosso trabalho façamos todo o possível para sermos ativos. Novamente, trata-se de incluir a atividade física em nossa rotina diária de trabalho:

  • Se puder, tente marcar reuniões em lugares afastados do seu escritório. Não as organize na sala que está ao lado.
  • Evite permanecer sentado durante as reuniões. Organize-as de tal maneira que os participantes possam mover-se em lugar de ficar cada um em lugar determinado. Se for possível, reúna apenas 3-4 pessoas e tente caminhar com elas.
  • Se precisar falar com alguém, tente ir ao local de trabalho dele. Evite usar o telefone.
  • Identifique as atividades que você deve realizar fora do seu trabalho e para as quais você não tem um cronograma definido (não se esqueça das tarefas que não estão estritamente relacionadas à sua atividade profissional). Logo depois, planeje-as para que sejam distribuídas ao longo do dia. O ideal seria que a cada hora você tivesse um motivo para se levantar da cadeira.
  • Se você se exercitar, sempre que puder, faça-o na hora do dia em que prevê que será mais sedentário.
  • Se você se sentir meio zonzo, aproveite a oportunidade para sair e caminhar por alguns minutos. Isso, além de ativá-lo, ajudará a retomar sua atividade intelectual com mais eficiência.

Lembre-se de que, para evitar os riscos associados à inatividade física, não basta cumprir as recomendações da atividade física diária, mas também temos que minimizar nosso “tempo sedentário”, e aqui a academia não pode nos fornecer nenhuma solução.

A solução está na construção de um estilo de vida ativo, no qual a atividade física esteja integrada em nossas rotinas diárias.

  • Ekelund, U., et al. (2015). Physicall activity and all-cause mortality across levels of general and abdominal adiposity. The European prospective investigation into cancer and nutrition study (EPIC). Soy J Clin Nutr, 101(3): 613-211. doi: 10.3945 / ajcn.114.100065
  • Guthold, R., Stevens, G.A., Riley, L.M. & Bull, F.C. (2018). Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1·9 million participants. Lancet Glob Health, 6(1): e1077-e1086. Consultado el 11/12/2019. Recuperado de: https://www.thelancet.com/journals/langlo/article/PIIS2214-109X(18)30357-7/fulltext
  • Macarro Moreno, J., Romero Cerezo, C. & Torres Guerrero, J. (2010). Motivos de abandono de la práctica de actividad físico-deportiva en los estudiantes de bachillerato de la provincia de Granada. Revista de Educación, 353(1): 495-519. Consultado el 11/12/2019. Recuperado de http://www.revistaeducacion.educacion.es/re353/re353_18.pdf 
  • Martínez Baena, A.C, Chillón, P., Martín Matillas, M., Pérez López, I., Castillo, R., Zapatera, B., Vicente Rodríguez, G., Casajús, J.A., Álvarez Granda, L., Romero Cerezo, C., Tercedor, P. & Delgado Fernández, M.  (2012). Motivos de abandono y no práctica de actividad físico-deportivo en adolescentes españoles: estudio Avena. Cuadernos de Psicología del Deporte, 12(1): 45-54. Consultado el 11/12/2019. Recuperado de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1578-84232012000100005