Que tipos de aditivos alimentares existem?

É muito difícil evitar completamente a ingestão de aditivos alimentares, embora moderar seu consumo possa ter efeitos benéficos para a saúde. Falaremos sobre os mais utilizados na indústria alimentícia a seguir.
Que tipos de aditivos alimentares existem?

Última atualização: 11 Março, 2021

Os diferentes tipos de aditivos alimentares são uma série de substâncias utilizadas na indústria para realçar as características organolépticas dos alimentos ou para melhorar a sua conservação. Embora costumem ser seguros para a saúde, existem alguns deles que geram discrepâncias entre os especialistas.

Antes de começar, é preciso deixar claro que existem aditivos alimentares de diversos tipos, por isso eles são classificados em grupos. Alguns são inofensivos para o corpo ou até benéficos; é o caso dos agentes gelificantes. Outros, no entanto, geram polêmica por seus efeitos na microbiota intestinal, como os adoçantes.

Tipos de aditivos alimentares

Vamos revisar as principais categorias de aditivos alimentares e seus efeitos na saúde humana.

1. Conservantes

Os conservantes são substâncias que reduzem o risco microbiológico dos alimentos, aumentando a sua vida útil. Muitos deles são inofensivos para o ser humano, pois não são metabolizados ou absorvidos no nível intestinal.

No entanto, um dos mais comuns, os nitritos, pode aumentar a incidência de alguns tipos de câncer. Isso foi evidenciado por pesquisas publicadas na revista Nutrients.

Esses conservantes são usados ​​na indústria da carne. Eles são o principal motivo pelo qual o consumo de carnes vermelhas processadas é desencorajado. Esse tipo de alimento tem sido relacionado a um pior estado de saúde devido, entre outros aditivos, à presença de nitritos.

Tipos de aditivos alimentares nas carnes
A carne vermelha processada contém nitritos, que estão relacionados a danos à saúde a médio prazo.

2. Aromatizantes

Os aromatizantes são substâncias responsáveis, como o próprio nome indica, por modificar ou intensificar o cheiro dos alimentos. Como regra geral, eles são inofensivos para a saúde, excluindo qualquer distúrbio do tipo intestinal que possa ser experimentado pelo seu consumo excessivo.

O mais comum nesse tipo de situação seria a diarreia. Porém, a longo prazo eles não são prejudiciais ou, pelo menos, isso ainda não foi evidenciado na literatura científica.

3. Corantes

Esses tipos de aditivos alimentares são usados ​​para adicionar cor. Existem certos corantes que foram proibidos devido à sua relação com o aparecimento de alguns tipos de câncer.

Porém, hoje muitos pigmentos são usados ​​para dar sabor e não só não geram efeitos negativos, mas também ajudam a prevenir o desenvolvimento de doenças. Um caso claro seriam as antocianinas, responsáveis ​​pela cor dos mirtilos e capazes de exercer um efeito antioxidante, segundo um estudo publicado na Critical Reviews in Food Science and Nutrition.

Ao ler os rótulos dos alimentos, consulte a declaração de aditivo alimentares. Se forem usados ​​corantes naturais (especialmente fitonutrientes de plantas), o produto não deve ser classificado como nocivo, a menos que alguma outra substância em sua composição indique o contrário.

4. Adoçantes

Esse grupo é o que mais gera polêmica entre os especialistas em nutrição. Os adoçantes são substâncias com capacidade edulcorante que substituem o açúcar, embora não se saiba com certeza se são muito melhores do que ele. Nesse grupo, destacam-se sacarina, estévia, sucralose e aspartame.

Embora haja quem afirme que muitos desses produtos químicos não são metabolizados no nível intestinal, a maioria dos estudos a esse respeito mostra efeitos negativos na microbiota intestinal. É verdade que os resultados não podem ser extrapolados diretamente, mas também é verdade que não existem ensaios de longo prazo para confirmar a sua segurança.

5. Intensificadores de sabor

Os intensificadores de sabor incluem uma série de aditivos alimentares que são responsáveis ​​por melhorar as características organolépticas dos produtos dietéticos. Dentre todos eles, destaca-se o glutamato monossódico, responsável pelo recém-identificado sabor umami e presente, sobretudo, na culinária oriental.

Muitos dos produtos industrializados contêm esse tipo de aditivo, pois eles melhoram a aceitação dos alimentos e aumentam sua palatabilidade. Não são, a priori, prejudiciais à saúde. Basta ter cuidado com doses excessivas de sal.

6. Estabilizantes, agentes gelificantes, emulsificantes

Este tipo de aditivo é responsável por melhorar a textura dos alimentos. Eles não exercem efeitos negativos sobre o organismo humano, e sim o contrário.

Alguns dos produtos que fazem parte desse grupo têm propriedades estimulantes da microbiota intestinal, melhorando as suas funções. É o caso, por exemplo, das algas ágar-ágar.

O consumo regular destes agentes gelificantes atinge uma fermentação ao nível intestinal que promove o crescimento das bactérias que colonizam o intestino. Esse processo pode melhorar o metabolismo dos nutrientes, reduzindo assim o risco de obesidade e doenças metabólicas. Isso é evidenciado por uma uma pesquisa publicada na revista Gut Microbes.

Ágar-ágar
O ágar-ágar das algas marinhas é um aditivo benéfico para a saúde.

7. Amidos modificados

Os amidos se destacam por serem utilizados em produtos de panificação para oferecer melhores qualidades elásticas aos alimentos e massas. Eles são compostos por uma mistura de polissacarídeos, por isso estão incluídos nos carboidratos. Por si só, eles não são prejudiciais ao corpo.

Para pessoas sedentárias, adicionar carboidratos excessivos à dieta não é benéfico. O mesmo não ocorre com os atletas, entre os quais é necessário atender às necessidades de carboidratos para repor os estoques de glicogênio utilizados durante o exercício.

No entanto, submeter amidos modificados a altas temperaturas gera uma série de resíduos tóxicos, como a acrilamida, que se mostrou prejudicial à saúde.

8. Acidulantes

Os acidulantes também são usados ​​para realçar o sabor dos alimentos. O sulfato de sódio e o sulfato de potássio se destacam. Não causam efeitos indesejáveis ​​no organismo, desde que as doses estipuladas não sejam ultrapassadas.

Caso contrário, eles podem causar um sintoma laxante significativo. Isso acontece, por exemplo, quando doces ou balas são consumidos em excesso.

9. Enzimas

As enzimas são típicas de alimentos para pessoas intolerantes ou produtos da indústria de suplementos dietéticos. O caso mais comum é o de pacientes com intolerância à lactose, que possuem a enzima lactase nos produtos destinados a melhorar o metabolismo deste açúcar.

Também é comum encontrar isolados ou concentrados de proteínas com enzimas digestivas para melhorar a digestibilidade dos nutrientes e evitar a formação de gases. As enzimas não são prejudiciais à saúde e seu uso é considerado seguro.

10. Antioxidantes

Os antioxidantes são aditivos alimentares que bloqueiam ou retardam a oxidação dos alimentos, aumentando assim o seu prazo de validade. Esta função é exercida, por exemplo, pelos ácidos ascórbicos (vitamina C).

São usados para evitar a rancificação (oxidação) de frutas como abacate e a maçã. Sua inclusão na dieta gera um impacto positivo no funcionamento do sistema imunológico. Na verdade, ao aumentar a ingestão de vitamina C, fica comprovada uma redução da duração dos resfriados.

Funções gerais dos diferentes tipos de aditivos alimentares

Vamos discutir as principais funções dos aditivos, para que você saiba por que eles são usados ​​com tanta frequência.

Preservar valor nutricional

Muitas das substâncias utilizadas na indústria de alimentos têm como objetivo preservar o valor nutricional dos produtos. O fato de evitarem a oxidação gera uma maior conservação das vitaminas, por diminuir seu contato com o oxigênio.

Eles preservam a salubridade dos alimentos

Os conservantes aumentam o tempo de prateleira dos alimentos, melhorando sua conservação e reduzindo o risco de contaminação por microrganismos. Dessa forma, a saúde das pessoas fica protegida, pois o risco de envenenamento também é reduzido.

Favorece o equilíbrio do pH dos alimentos e a fermentação

Boa parte dos aditivos alimentares utilizados pela indústria consegue garantir o equilíbrio ácido-base dos produtos, conseguindo assim uma melhor conservação dos mesmos. Além disso, os agentes gelificantes ou estabilizantes podem levar a fermentações mais eficientes, agregando valor aos alimentos graças à proliferação de bactérias benéficas.

Mais cor e sabor para a comida

Esta é uma das razões pelas quais os aditivos alimentares são usados ​​na indústria. Melhorar as características organolépticas dos alimentos aumenta significativamente as vendas, o que gera um impacto positivo nas empresas. No entanto, deve-se garantir que isso não constitui um risco para a saúde humana, algo que nem sempre é verdade.

Eles melhoram a textura e a consistência dos alimentos

Você provavelmente já se perguntou por que a textura dos alimentos ultraprocessados é sempre perfeita e diferente da textura das preparações caseiras. É, sem dúvida, devido à presença de aditivos alimentares em sua composição.

Estas substâncias conseguem compactar os ingredientes e dar às misturas uma maior esponjosidade, o que altera a experiência de degustação.

Embutidos
Os produtos ultraprocessados ​​têm uma aparência particular devido aos aditivos alimentares que realçam as suas cores e texturas.

Efeitos colaterais dos diferentes tipos de aditivos alimentares

Embora os aditivos alimentares tenham uma aplicação e um propósito específicos, nem sempre são seguros para a saúde. Isso ocorre principalmente quando consumidos em excesso, pois geram uma série de efeitos colaterais. Por isso, não é aconselhável ingeri-los em grandes quantidades.

Tenha cuidado com conservantes como nitritos e adoçantes artificiais. Estes últimos são capazes de gerar modificações nas populações de bactérias que habitam o intestino, o que impacta o metabolismo dos nutrientes e a digestão.

Aditivos alimentares: substâncias sempre presentes

Cabe destacar que os aditivos alimentares estão presentes em quase todas as dietas atualmente. É muito difícil evitar o seu consumo, e talvez nem seria aconselhável optar por fazer isso, se fosse possível. É importante moderar a ingestão, embora nem sempre da mesma forma.

Lembre-se de que a base de uma alimentação saudável é a variedade e o predomínio de produtos frescos sobre os ultraprocessados. Além disso, a dieta deve ser balanceada do ponto de vista calórico para evitar o ganho de peso.

Pode interessar a você...
Como os aditivos alimentares agem em nosso organismo?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como os aditivos alimentares agem em nosso organismo?

Aditivos alimentares são compostos adicionados aos alimentos para preservar ou melhorar certas propriedades, mas não têm valor nutricional.



  • Song P., Wu L., Guan W., Dietary nitrates, nitrites, and nitrosamines intake and the risk of gastric cancer: a meta analysis. Nutrients, 2015. 7 (12): 9872-95.
  • Valenzuela, Rodrigo, and Ana María Ronco. “Acrilamida en los alimentos.” Revista chilena de nutrición 34.1 (2007): 8-16.
  • Yousuf B., Gul K., Wani AA., Singh P., Health benefits of anthocyanins and their encapsulation for potential use in food systems: a review. Crit Rev Food Sci Nutr, 2016. 56 (13): 2223-30.
  • Pearlman M., Obert JI., Casey L., The asociation between artificial sweeteners and obesity. Curr Gastroenterol Rep, 2017.
  • Holscher HD., Dietary fiber and prebiotics and the gastrointestinal microbiota. Gut Microbes, 2017. 8 (2): 172-184.
  • Bucher A., White N., Vitamin C in the prevention and treatment of the common cold. Am J Lifestyle Med, 2016. 10 (3): 181-183.
  • Díaz, María Consuelo, and Alice Glaves. “Relación entre consumo de alimentos procesados, ultraprocesados y riesgo de cáncer: una revisión sistemática.” Revista chilena de nutrición 47.5 (2020): 808-821.
  • Carbonero-Carreño, Rocío. “Glutamato monosódico “la trampa de los alimentos sabrosos”.” Trastornos de la conducta alimentaria 17 (2013): 1863-1876.
  • Durán, Samuel, Karla Cordón, and María del Pilar Rodríguez. “Edulcorantes no nutritivos, riesgos, apetito y ganancia de peso.” Revista chilena de nutrición 40.3 (2013): 309-314.