7 técnicas assertivas para resolver conflitos

As técnicas assertivas de resolução de conflitos podem ser usadas em todos os âmbitos da vida. A seguir, mostramos 7 maneiras de resolver problemas de forma eficaz.
7 técnicas assertivas para resolver conflitos

Última atualização: 29 Setembro, 2021

A assertividade é uma forma adaptativa de nos expressarmos. Quando somos capazes de nos comunicar dessa maneira, temos uma vantagem. Neste artigo, revisaremos 7 técnicas assertivas para resolver conflitos. Esses recursos podem ser usados para resolver problemas e evitá-los.

A importância da assertividade para resolver conflitos

As técnicas assertivas de resolução de conflitos que veremos a seguir podem ser entendidas como um filtro emocional. As pessoas que conseguem controlar suas emoções atingem um bom nível de assertividade.

Quando ocorre um conflito, é importante manter a calma diante da situação. Devemos entender que não podemos evitar todos os inconvenientes. Eventualmente, surgirão situações difíceis nas quais teremos que demonstrar o nosso caráter.

A assertividade aumenta a probabilidade de chegar a soluções favoráveis . Não importa o conflito que tenhamos diante de nós, seremos capazes de enfrentá-lo se permanecermos calmos. Nesse sentido, entende-se que a importância dos estilos de enfrentamento assertivos está em diminuir a intensidade dos problemas.

Não podemos evitar que coisas ruins aconteçam, mas podemos escolher como agir diante desses eventos.

Técnicas de assertividade para resolver conflitos

Agora que conhecemos o conceito de assertividade, vamos examinar algumas técnicas assertivas para resolver conflitos. Se aplicarmos essas estratégias constantemente, nos tornaremos pessoas menos conflituosas.

1. Reconheça seu estilo de comunicação

Grande parte dos conflitos são desencadeados por estilos de comunicação deficientes. A principal coisa que uma pessoa assertiva deve alcançar é identificar a maneira como ela diz as coisas. Às vezes cometemos o erro de atacar os outros com nossos comentários.

É aconselhável fazer um exercício de introspecção e rever a forma como comunicamos as nossas necessidades. Se percebermos que somos hostis ao falar, devemos começar a mudar isso.

Casal discutindo por dinheiro
A maneira como você expressa suas opiniões é importante. O seu tom pode obscurecer a mensagem.

2. Leve em consideração as necessidades dos outros

Durante os conflitos, é comum que as pessoas se concentrem em suas necessidades, esquecendo-se dos demais envolvidos. Esse comportamento é negativo e promove a hostilidade. O que devemos fazer é entender as necessidades dos outros e tentar chegar a um acordo mútuo.

A assertividade envolve ser empático. Isso significa que você deve se colocar no lugar dos outros. Dessa forma, evitamos julgamentos de valor e aprimoramos nosso relacionamento interpessoal.

3. Module a sua fala

Além de cuidar do conteúdo do que falamos, também é preciso modular a fala. É lógico pensar que não evitaremos nenhum conflito se passarmos a vida gritando. Isso significa que, mesmo quando estamos certos, devemos nos expressar com um tom de voz correto.

4. Pratique a escuta ativa

A escuta ativa ocorre quando realmente prestamos atenção à mensagem que os demais querem nos transmitir. Portanto, é importante evitar responder precipitadamente. Este é um componente indispensável na comunicação assertiva.

Durante um conflito com outra pessoa, tendemos a ouvir apenas para responder. As pessoas, quando estão chateadas, chegam a pensar que são as donas da razão absoluta. É importante evitar a arrogância e permitir que outros se expressem.

5. Proponha alternativas em vez de dar ordens

As resoluções de conflitos nascem da inclusão, e não da imposição. Quando damos alternativas, criamos uma atmosfera de unidade.

Dessa forma, quando as pessoas não concordarem com nossas idéias, será mais fácil para nós aceitá-las. É importante entender quando os outros discordam de nós.

6. Fortaleça a inteligência emocional

As técnicas que revisamos são mais fáceis de aplicar quando fortalecemos a inteligência emocional. Ela nos permite regular as emoções em tempo real. Para atingir esse objetivo, devemos reconhecer os gatilhos. Em outras palavras, é preciso saber o que você sente e por quê.

Todas as emoções são naturais. Não existem emoções boas ou ruins; todos nós podemos ficar tristes ou chateados. O que faz a diferença é a maneira como lidamos com essas emoções. A melhor maneira de resolver um conflito é não permitir que elas influenciem o nosso comportamento .

7. Use a técnica do registro quebrado

Esta técnica é bastante específica e podemos usá-la em qualquer conflito interpessoal. Trata-se de repetir uma frase com calma e sem levantar a voz . Obviamente, o que dizemos deve transmitir uma preocupação, mas faremos isso de forma adaptativa.

Poderíamos usar este recurso em uma discussão de casal. Se sentirmos que não estamos sendo levados em consideração pela outra pessoa, diremos isso repetidamente e com firmeza, mas sem ser hostis. Por exemplo, “Sinto que nunca levamos minhas necessidades em consideração.” Repetimos, podendo variar um pouco as palavras, mas sem perder de vista a mensagem.

Essa técnica é eficaz quando há um assunto que queremos tratar e o parceiro o evita. Vamos ter em mente que não se trata de forçar uma conversa, mas de enfatizar algo que é importante para nós.

Colegas conversando com assertividade
A assertividade permite diálogos produtivos que alcançam acordos e entendimentos.

Existem conflitos impossíveis de resolver?

Algumas situações ficam fora de controle e não há nada que possamos fazer para mudá-las. No entanto, isso não quer dizer que não haja solução.

Tudo depende da maneira como você deseja resolver o conflito. Às vezes, fugir de algo que não podemos mudar é a melhor solução. Teremos que ser assertivos para entender qual é o melhor caminho.

Pode interessar a você...
Aprenda a se defender de uma crítica com assertividade
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Aprenda a se defender de uma crítica com assertividade

A assertividade é uma capacidade muito pouco desenvolvida e que nos permite defender nossos direitos e enfrentar os demais de uma maneira respeitos...



  • “ASERTIVIDAD: UN ANÁLISIS TEÓRICO-EMPÍRICO.” Enseñanza e Investigación en Psicología 14.2 (2009): 403–425. Print.
  • Pérez, Rodrigo. “Asertividad En El Trabajo.” Asimet 2020: 4. Asimet. Web.
  • Rodríguez Sanz, José, Fernando Álvarez-Ude Cotera, and Estrella Gimeno Vicent. “La Asertividad.” FMC Formacion Medica Continuada en Atencion Primaria 23.6 (2016): 352–357. FMC Formacion Medica Continuada en Atencion Primaria. Web.
  • Caballo, Vicente E. “Asertividad: Definiciones y Dimensiones.” Estudios de Psicología 4.13 (1983): 51–62. Estudios de Psicología. Web.