Maracujá: origem, tipos e características

O maracujá é uma fruta tropical com muitos nomes. Saiba como ela pode ser consumida e conheça suas principais características e benefícios para a saúde.
Maracujá: origem, tipos e características

Última atualização: 12 Agosto, 2021

O fruto do maracujá vem de uma planta trepadeira com o nome científico Passiflora edulis flavicarpa. O gênero possui cerca de 400 espécies. Pertence à mesma família da curuba (P. mollisina), do maracujá doce (P. ligularis) e da badea (P. quandrangularis).

Outros nomes populares pelos quais é conhecida são chinola, parcha, parchita, passionaria, curubo, tumbo e taxo, entre outros. É uma fruta tropical nativa da Amazônia desejada por seu sabor agridoce. Seu uso gastronômico é amplo, pois permite preparar geleias, sucos, sobremesas, licores, refrigerantes e infusões.

O suco de maracujá representa entre 30% e 40% de toda a fruta e seu valor nutricional se destaca pela vitamina C, A e fibra solúvel. Quer saber mais sobre as suas propriedades?

Origem do maracujá

O maracujá é nativo do Brasil e era usado pelos astecas para fazer bebidas refrescantes. Os missionários espanhóis levaram-no para a Europa no século XVI, e quando observaram em sua flor as marcas da paixão de Cristo, o chamaram de Passiflora.

São muitas as variedades existentes e cada uma é típica de um país. Por exemplo, o maracujá doce está espalhado por toda a América do Sul, no Quênia e no Havaí. A cholupa está presente na América do Sul, e a curuba é típica da Colômbia. Na Tailândia, Malásia e Indonésia a badea é a mais cultivada.

O maracujá representa uma enorme riqueza a nível econômico e nutricional. A beleza da sua flor é a razão pela qual é usada como planta ornamental na Europa. No entanto, na América a fruta é consumida.

Características do maracujá

As plantas de maracujá são trepadeiras e perenes. Seus frutos variam em tamanho e cor de acordo com a espécie, do amarelo ao roxo acastanhado ou violeta.

São bagas redondas ou ovais, dentro das quais estão as sementes. Seu sabor lembra o da goiaba e é descrito como agridoce. Dentro da sua casca dura e lisa está a polpa, envolta por um saco membranoso, gelatinoso, transparente, suculento e agridoce.

O maracujá tem um importante mercado como fruta fresca. Segundo alguns pesquisadores, pode ser utilizado na produção de sucos, néctares, concentrados, xaropes e geléias. A casca tem alto teor de fibras e as sementes contêm proteínas e gorduras. Por isso, também pode ser utilizado como matéria-prima na alimentação animal.

Este grupo de especialistas considera que os 86% de água que contém e a baixa concentração de sódio a tornam um excelente diurético. Fornece 12% de carboidratos simples, como glicose, frutose e sacarose.

O teor de vitamina C é de 20 miligramas por 100 gramas de parte comestível; ou seja, um terço do valor diário recomendado. Entre os múltiplos benefícios da vitamina C, Castillo-Velarde destaca sua capacidade antioxidante para prevenir certas doenças crônicas.

O maracujá de polpa amarela contém precursores de betacaroteno da vitamina A. O Guia Técnico para o Cultivo do Maracujá indica uma contribuição de 680 miligramas de vitamina A ativa. Esta vitamina é essencial para a saúde ocular e a reprodução.

Suco de maracujá
O uso gastronômico do maracujá é variado e inclui o preparo de doces e sucos.

Não deixe de ler: 6 receitas ricas em vitamina C

Outros tipos de Passiflora

O nome maracujá inclui várias espécies comestíveis do gênero Passiflora. Elas diferem apenas no tipo de fruta, tamanho, cor e sabor.

Maracujá roxo ou granadilha

É a Passiflora mais comum na Europa e seu nome científico é Passiflora edulis sims. Tem uma textura gelatinosa, refrescante, suculenta, e um sabor agridoce.

É considerado por muitos o melhor maracujá e é nativo da América do Sul, do sul do Brasil ao norte da Argentina. O fruto se assemelha a um ovo arredondado com diâmetro de 4 a 8 centímetros.

Quando maduro, a casca dura e espessa enruga. A cor externa varia entre violeta e roxo escuro, enquanto a polpa varia entre esverdeada ou laranja.

Granadilha doce

É conhecido como Passiflora ligularis. Tem forma oval e mede cerca de 11 centímetros, com uma das extremidades terminada em ponta. A casca é amarelada ou alaranjada e sua polpa cinza ou pálida.

É distribuído do México Central para a América do Sul e Central. A Universidade Nacional da Colômbia relata que os principais sólidos dessa variedade são açúcares naturais dissolvidos no suco. Glicose, sacarose e frutose representam 75% de todos os componentes.

Maracujá amarelo

A Passiflora edulis flavicarpa é conhecida como maracujá amarelo. É semelhante ao roxo ou granadilha, apenas a cor da casca é amarela e eles são muito maiores. Pode atingir até 90 gramas de peso.

A revista Bioresource Technology destaca sua importante contribuição de fibras solúveis, como a pectina. Esta fibra é muito presente nas paredes celulares e é utilizada como agente gelificante e estabilizador.

Maracujá amarelo
A variedade amarela do maracujá é rica em pectina.

Badea ou granadilla real

Seu nome científico é Passiflora quadrangularis e é uma das maiores variedades, pois pode medir até 26 centímetros de comprimento. A forma é alongada e a casca é espessa, com várias saliências.

Um grupo de engenheiros de alimentos explica que esta variedade de maracujá também é conhecida como tumbo gigante ou quijón. Sua polpa é levemente ácida no sabor e no cheiro, por isso representa o tipo ideal para bebidas suaves e refrescantes. Suas folhas são utilizadas como sedativo e tranquilizante.

Curuba ou tumbo serrano

O livro Passifloras comenta que, por suas características organolépticas e nutracêuticas, a curuba é a que tem maior potencial comercial para exportação. Seu nome científico é Passiflora mollisima.

É conhecida como maracujá banana, como tacos no Equador e parcha na Venezuela. Curuba é seu nome usual na Bolívia. O fruto tem cerca de 10 centímetros de comprimento, é oval e alongado.

Maracujá

Esta é uma variedade específica de maracujá conhecida pela ciência como Passiflora edulis. É uma trepadeira que pode atingir até 10 metros de altura, com raízes rasas e flores brancas. Também é conhecido como mburucuyá e cresce selvagem no Paraná, no Brasil.

O fruto é esférico ou oval e pode chegar a até 10 centímetros de comprimento. Quando maduro, apresenta cor amarela ou roxa e pesa entre 80 e 90 gramas.

É utilizado como fruta para consumo direto ou preparado na forma de suco, que representa 40% do total da fruta. Possui coloração amarela devido à presença de carotenoides.

Chulupa, cholupa ou gulupa

A cholupa é a espécie Passiflora malimorfis, cuja casca é verde amarelada ou marrom mogno. A polpa também é amarela e contém muitas sementes. É originária da Colômbia e ainda não está bem caracterizada.

O Jornal Colombiano de Ciências Hortícolas publicou que a fruta é consumida e utilizada na indústria de alimentos devido ao seu teor de carboidratos simples e vitamina C. Também é usada para o rejuvenescimento da pele.

Inclua o maracujá na sua dieta

Qualquer variedade de maracujá desperta os sentidos com seu aroma e sabor peculiares. Além disso, ele fornece uma boa proporção de vitamina C, fibras e açúcares simples, que proporcionam uma combinação agridoce ideal para o preparo de néctares, sucos, molhos ou geléias.

Para aproveitar melhor seu teor de vitamina C, devemos consumi-lo fresco ou beber seus sucos preparados na hora. Experimente!

Pode interessar a você...
10 frutas exóticas capazes de turbinar sua saúde
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
10 frutas exóticas capazes de turbinar sua saúde

Neste artigo, vamos apresentar 10 frutas exóticas que são excelentes para a saúde. Confira a relação e os seus benefícios.



  • López Castro, Mariantonia; Beltrán Cifuentes, Martha Cecilia; Cardona Lancheros, Jorge Eduardo; Yepes Giraldo, Héctor Fabián LA FRUTA DE LA PASIÓN, POTENCIAL CONTRIBUCIÓN DE LA NATURALEZA A LA SEGURIDAD ALIMENTARIA Investigaciones Andina, vol. 8, núm. 12, 2006
  • Castillo-Velarde, Edwin Rolando. (2019). Vitamina C en la salud y en la enfermedad. Revista de la Facultad de Medicina Humana19(4), 95-100. https://dx.doi.org/10.25176/RFMH.v19i4.2351
  • Mario Alfonso García. GUIA TECNICA DEL CULTIVO DE LA MARACUYA. PROGRAMA MAG-CENTA-FRUTALES. CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA AGROPECUARIA Y FORESTAL “Enrique Álvarez Córdova”. Impresos múltiples, 2010. 33 p.p.  Disponible en: http://centa.gob.sv/docs/guias/frutales/GUIA%20MARACUYA%202011.pdf
  • Luz Marina Melgarejo. GRANADILLA (Passiflora ligularis Juss): CARACTERIZACIÓN ECOFISIOLÓGICA DEL CULTIVO. 2015. Disponible en: https://uneditorial.net/uflip/granadilla-caracterizacion-ecofisiologica/pubData/source/Granadilla.pdf
  • Eloısa Rovaris Pinheiro, Iolanda M.D.A. Silva, Luciano V. Gonzaga, Edna R. Amante, Reinaldo F. Teo´filo, Ma´rcia M.C. Ferreira, Renata D.M.C. Amboni, Optimization of extraction of high-ester pectin from passion fruit peel (Passiflora edulis flavicarpa) with citric acid by using response surface methodology, Bioresource Technology 99 (2008) 5561–5566.
  • Liliana Acurio; Andrea Zamora; Diego Salazar; Lander Pérez; Alex Valencia. Propiedades físicas, químicas, térmicas y nutricionales de la badea (Passiflora quadrangularis). 2015, Agroind Sci.  (2015). 95-101 p.p.
  • Adalberto Rodríguez Carlosama, Fábio Gelape Faleiro , Marisol Parra Morera  y Ana Maria Costa. PASIFLORAS especies cultivadas en el mundo. Proimpres. Brasilia, 2020. Disponible en: https://www.researchgate.net/publication/343376871_Curuba_Passiflora_tripartita_var_mollissima_y_Passiflora_tarminiana
  • FORERO, RANDY, ORTIZ, EMIRO, DE LEÓN, WADITH, GÓMEZ, JUAN CAMILO, & HOYOS-CARVAJAL, LILLIANA. (2015). Análisis de la resistencia a Fusarium oxysporumen plantas de Passiflora maliformis L.. Revista Colombiana de Ciencias Hortícolas9(2), 197-208. https://doi.org/10.17584/rcch.2015v9i2.4174