Efeito Mandela: o que é e como acontece?

O efeito Mandela nos fala sobre a deformação de certas memórias, a ponto de recriar uma história que nunca aconteceu. Como isso é possível? Descubra.
Efeito Mandela: o que é e como acontece?

Última atualização: 26 janeiro, 2022

Há alguns anos presenciei a conversa de dois irmãos que se referiam ao mesmo episódio da infância, embora com detalhes completamente díspares. Cada um afirmou estar certo e ser uma testemunha fiel do que disse. Quem estava certo? Difícil saber, pois talvez alguns deles estivessem experimentando o chamado efeito Mandela. Vamos ver do que se trata esse fenômeno.

O que é o efeito Mandela?

Se tivéssemos que pensar em como definir o efeito Mandela, poderíamos simplificá-lo dizendo que é uma falsa memória. Uma pessoa começa a reconstruir uma situação ou episódio, convencida de que aconteceu de tal maneira, quando na verdade não aconteceu assim. Por sua vez, acrescenta-se o fato de tal reconstrução encontrar apoio em outras pessoas que aderem a essa versão.

A ideia do efeito Mandela surgiu de Fiona Broome, que demonstrou como a sociedade era capaz de acreditar em algo que não havia acontecido: a morte de Mandela em determinado momento e local (quando ele estava na prisão).

Na verdade, Mandela morreu recentemente (2013), depois de ser presidente da África do Sul. A convicção do povo era tal que muitos puderam afirmar que tinham visto o funeral pela televisão. Nessa explicação, também foi incluída a variável de contágio social.

Alguns exemplos do efeito Mandela são os seguintes:

  • Lembrar de ter feito uma viagem quando criança, poder descrever o lugar onde estávamos e que não era assim.
  • Alguns episódios ou finais de filmes podem ser recriados de diferentes maneiras.
Construção de memórias no efeito Mandela.
Muitas pessoas podem acreditar que um evento aconteceu no passado sem ser verdade. E neste caso não há patologia mental ou neurológica que o explique.

Para entender o efeito Mandela

Algumas das ideias sobre o efeito Mandela têm a ver com o fato de que o cérebro processa grandes quantidades de informação e dados simultaneamente, então é difícil para a memória armazenar tudo. Assim, quando encontra um vazio, preenche-o de alguma forma.

Esses dados agregados podem ser parciais e de pouca importância, como afirmar com firmeza que no dia em que determinado evento ocorreu, aquela pessoa estava usando calça listrada, por exemplo. No entanto, outros desvios podem ser de grande importância, como alegar que o funeral de uma pessoa foi assistido, quando essa pessoa morreu anos antes ou muito depois.

À primeira vista, pode parecer que se trata de uma deformação sem grande importância. De qualquer forma, em algumas áreas, inclinar-se para uma informação ou outra pode ser crucial.

Assim, muitas disciplinas, como a psicologia aplicada ao campo da criminologia, mantêm o efeito Mandela muito em mente para distinguir quando uma testemunha está dizendo a verdade e quando pensa que está dizendo porque é influenciada por sua falsa memória.

Algumas explicações sobre a memória

As investigações vêm mostrar que a memória não é algo que se conserva intacto em uma vitrine, mas que sofre processos, construções e reconstruções cada vez que recorremos a algo que ela abrigou. Muitas vezes, essas informações são distorcidas pelo comentário ou adição de terceiros.

Nossa memória torna-se uma fusão de idéias e leva a uma falsa memória. Em outras ocasiões, essa mudança se deve aos próprios processos internos.

Além disso, o momento em que a memória é formada também está associado à circunstância. Por exemplo, se for uma experiência breve ou repentina, a qualidade da memória pode não ser boa. A intensidade da situação também influencia, como evidenciado pelos episódios traumáticos.

Assim, devemos considerar que muitos eventos são armazenados com uma certa carga emocional. Assim também o que é selecionado para ser salvo e o que é deixado de fora podem ser muito diferentes.

Da mesma forma, ao relembrar (o que é reconstruir) experiências, expectativas e novas emoções ocorrem. Dessa forma, o que trazemos do passado para o presente não é necessariamente tão fiel quanto pensamos.

Memórias em fotos no efeito Mandela.
Mesmo imagens lembradas de uma fotografia podem influenciar a memória, causando o efeito Mandela.

Sim, a memória pode falhar

Agora sabemos que a memória não é perfeita e que diferentes estímulos influenciam na hora de recriar o que foi vivido. É por isso que, no dia a dia, podemos apostar no fortalecimento da memória usando diferentes objetos ou técnicas. Por exemplo, um bloco de notas ou algum dispositivo tecnológico é suficiente.

A tudo isso, deve-se acrescentar que diferentes perspectivas das pessoas intervêm na construção dessas falsas memórias. Assim, cada um delas vivencia uma situação do seu próprio ponto de vista e no seu próprio lugar. Portanto, também é possível ter duas histórias diferentes.

This might interest you...
O que é memória procedural e qual sua importância?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que é memória procedural e qual sua importância?

A memória procedural é responsável por armazenar aqueles hábitos diários que fazemos automaticamente. Entre e conheça os detalhes.



  • Santos, R. F. D., & Stein, L. M. (2008). La influencia de la emoción en los falsos recuerdos: una revisión crítica. Psicologia USP19(3), 415-434.
  • Rodrigues, Eduarda Pimentel, & Albuquerque, Pedro Barbas de. (2007). Produção de memórias falsas com listas de associados: análise do efeito do nível de processamento e da natureza da prova de memória. Psicologia USP18(4), 113-131. Recuperado em 18 de janeiro de 2022, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51772007000400008&lng=pt&tlng=.