O que acontece no seu corpo quando você consome cafeína em excesso?

Beber muitas xícaras de café por dia pode ser prejudicial. Qual quantidade configura um excesso? Descubra a seguir.
O que acontece no seu corpo quando você consome cafeína em excesso?

Última atualização: 13 Outubro, 2021

Se você é fã de café, provavelmente pode se perguntar quais são as consequências do excesso de cafeína no seu organismo. Existe a possibilidade de desenvolver um vício ou dependência desta substância?

A cafeína é a droga legal mais amplamente difundida e usada no mundo. É uma droga psicoativa e tem sido muito discutida no âmbito científico e jurídico. Há quem lhe atribua benefícios para a saúde e outros que a consideram um complemento da dieta que não traz nenhum benefício.

No mercado, não é só o café que tem cafeína. Encontramos esta substância em bebidas estimulantes e em inúmeros produtos diferentes. Existem até formulações de medicamentos que a associam a analgésicos para tratar enxaquecas ou dores de cabeça.

Então, vamos dar uma olhada no que acontece com o seu corpo quando você consome cafeína em excesso. Vamos ver qual é a dose máxima recomendada em um dia e descobrir se seria sensato falar sobre um vício nesta substância.

Em que quantidade a cafeína é considerada excessiva?

É possível definir a dose diária segura máxima de cafeína. A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos fez isso. Para esta organização governamental, 400 miligramas diários da substância são seguros em adultos e não costumam causar efeitos adversos.

Esse valor não é facilmente interpretado por pessoas que tomam café todos os dias. Ninguém conta a quantidade que bebe em miligramas de cafeína. Poderíamos dizer que isso equivale a cerca de 5 xícaras por dia, para estabelecer um limite de segurança.

No entanto, a mesma instituição do governo dos Estados Unidos esclarece que existe um limite inferior de segurança máxima, equivalente a 250 miligramas de cafeína por dia. Isso representaria entre 2 e 3 xícaras por dia. Nesta faixa, a maioria dos adultos saudáveis nunca relatará reações adversas.

Seguindo o mesmo FDA, a overdose de cafeína seria atingida quando excedesse 1200 miligramas por dia, embora mais de 600 miligramas já fossem um excesso não recomendado. Ainda que pareça um valor impossível de atingir no consumo moderado, deve-se levar em consideração que o uso de suplementos nutricionais com a substância pode ser arriscado nesse aspecto.

Muitos atletas estão usando a cafeína como suplemento ergogênico. Na verdade, até a International Society for Sports Nutrition teve que se posicionar a respeito devido ao amplo uso entre os atletas. Pode haver um risco claro de overdose nesses casos.

Quais são os sinais de excesso de cafeína no corpo?

Além dos efeitos benéficos da cafeína no organismo, é preciso reconhecer que as doses máximas de que já falamos definem o limite para evitar sinais desagradáveis. É verdade que as xícaras de café são ergogênicas, aumentam a concentração e melhoram os tempos de reação. No entanto, os sintomas negativos a serem considerados são os seguintes:

  • Nervosismo.
  • Insônia
  • Problemas gastrointestinais como azia e náuseas.
  • Dificuldades de fala.
  • Taquicardia ou aumento da frequência cardíaca.
  • Erupção cutânea ou aumento da vermelhidão no rosto.

O aparecimento de ansiedade não é um fato menor. Algumas pessoas percebem que não conseguem relaxar ao tomar café, muito pelo contrário.

Mulher nervosa e ansiosa
A ansiedade por café é um efeito adverso que alguns adultos percebem após a ingestão de uma ou duas xícaras.

Cafeína e saúde cardiovascular

Em relação aos efeitos cardiovasculares, já é conhecida a associação entre o excesso de cafeína no organismo e a taquicardia. O maior risco é o desenvolvimento de arritmias resultantes de uma aceleração perigosa da frequência cardíaca. Segundo um estudo de 2017, essa situação pode ser decorrente do aumento do nervosismo, levando a um estado de excitação com aumento da adrenalina circulante.

Ainda no âmbito da saúde cardiovascular, deve-se considerar que a cafeína tem um efeito sobre a pressão arterial que costuma ser momentâneo. Em outras palavras, uma xícara de café pode aumentar nossos valores de pressão arterial por um momento. Para a maioria das pessoas, isso não é um problema, mas pode representar um risco para pacientes hipertensos.

Por isso, é recomendável que esses pacientes regulem o consumo da substância e fiquem atentos aos sinais de excesso de cafeína no organismo, principalmente se sua patologia ainda não for controlada ou se apresentarem oscilações persistentes nos valores observados.

Os sinais de excesso de cafeína no corpo estão relacionados a um vício?

A cafeína não é uma droga classificada como viciante por quase todos os órgãos de saúde mental ou por protocolos médicos internacionais. Mesmo assim, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) estabelece a existência da intoxicação por cafeína.

A substância atinge seu nível máximo dentro do corpo uma hora após ser consumida, mas os efeitos são capazes de persistir por até 6 horas. Para chegar à intoxicação, seria necessário ultrapassar 250 miligramas por dia com um período próximo entre xícara e xícara ou entre suplemento e suplemento.

Uma vez que os sintomas de excesso de cafeína no corpo aparecem, eles podem ser identificados entre os seguintes:

  • Excitação, agitação e inquietação.
  • Insônia.
  • Taquicardia.
  • Quantidade aumentada de urina.
  • Transtorno digestivo

Síndrome de abstinência

O excesso de cafeína no corpo pode levar a sintomas de abstinência. Isso acontece quando o organismo se acostuma a certas doses contínuas da substância e sinais desagradáveis aparecem quando a ingestão é interrompida.

A síndrome de abstinência da cafeína pode aparecer até 24 horas após a interrupção da ingestão. Os sinais mais perceptíveis são os seguintes:

  • Fraqueza e astenia.
  • Ansiedade e irritabilidade.
  • Dificuldade de concentração
  • Dores de cabeça
  • Tremores
Tremedeira por causa do excesso de cafeína no corpo
O excesso de cafeína e a interrupção brusca da sua ingestão podem causar tremores.

Como reduzir os efeitos negativos da cafeína no corpo?

Para combater os efeitos dos sintomas de abstinência ou para reduzir os efeitos negativos de uma possível intoxicação por cafeína, algumas medidas podem ajudar. Elas não representam um tratamento médico, mas são modalidades de aplicação simples e domiciliar que afirmam conter reações adversas:

  • Implemente técnicas de relaxamento: para consumir menos café ou evitar o desejo por essa substância, existem modalidades de relaxamento que são úteis. Respiração profunda, ioga ou simplesmente dar um passeio ao ar livre são alternativas.
  • Evite a cafeína: embora pareça redundante, é lógico recomendar não recorrer à cafeína para acalmar a ansiedade ou a taquicardia. Isso implica não ingerir outros produtos, além do café, também ricos na substância.
  • Hidratar: beber bastante água é uma medida que mantém o nível de hidratação do corpo, ao mesmo tempo em que compensa as perdas geradas pelo aumento do volume de urina.

Beba café, mas seja sábio

De modo geral, não há nada de errado em beber café. Você deve fazer isso com sabedoria e estabelecer um limite pessoal que não ultrapasse 400 miligramas por dia e que responda a como você se sente ao beber as xícaras.

A situação é diferente quando falamos em usar suplementos de café para fazer exercícios, por exemplo. Será sempre preferível que um nutricionista o aconselhe sobre o assunto e que estes suplementos sejam consumidos no contexto de uma alimentação variada e equilibrada.

Pode interessar a você...
É seguro consumir cafeína na gravidez?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
É seguro consumir cafeína na gravidez?

Muitas gestantes podem se perguntar se é recomendável consumir cafeína na gravidez. Afinal, existe uma dose segura? Saiba a resposta neste artigo.



  • Altabakhi IW, Anderson J, Zito PM. Acetaminophen/Aspirin/Caffeine. 2021 Jun 26. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan–. PMID: 30020646.
  • Guest NS, VanDusseldorp TA, Nelson MT, Grgic J, Schoenfeld BJ, Jenkins NDM, Arent SM, Antonio J, Stout JR, Trexler ET, Smith-Ryan AE, Goldstein ER, Kalman DS, Campbell BI. International society of sports nutrition position stand: caffeine and exercise performance. J Int Soc Sports Nutr. 2021 Jan 2;18(1):1. doi: 10.1186/s12970-020-00383-4. PMID: 33388079; PMCID: PMC7777221.
  • Koppelstaetter F, Poeppel TD, Siedentopf CM, et al. Caffeine and cognition in functional magnetic resonance imaging. J Alzheimers Dis. 2010;20 Suppl 1:S71-84. doi:10.3233/JAD-2010-1417
  • Turnbull D, Rodricks JV, Mariano GF, Chowdhury F. Caffeine and cardiovascular health. Regul Toxicol Pharmacol. 2017;89:165-185. doi:10.1016/j.yrtph.2017.07.025
  • Pardo Lozano R, Alvarez García Y, Barral Tafalla D, Farré Albaladejo M. Cafeína: un nutriente, un fármaco, o una droga de abuso [Caffeine: a nutrient, a drug or a drug of abuse]. Adicciones. 2007;19(3):225-38. Spanish. PMID: 17724925.
  • Sweeney MM, Weaver DC, Vincent KB, Arria AM, Griffiths RR. Prevalence and Correlates of Caffeine Use Disorder Symptoms Among a United States Sample. J Caffeine Adenosine Res. 2020 Mar 1;10(1):4-11. doi: 10.1089/caff.2019.0020. Epub 2020 Mar 4. PMID: 32181442; PMCID: PMC7071067.
  • Riku S, Yamamoto T, Kubota Y, Ichii T, Jinno Y, Suzuki S, Murohara T. Refractory ventricular fibrillation caused by caffeine intoxication. J Cardiol Cases. 2018 Sep 8;18(6):210-212. doi: 10.1016/j.jccase.2018.08.003. PMID: 30595775; PMCID: PMC6306552.
  • Cappelletti S, Piacentino D, Sani G, Aromatario M. Caffeine: cognitive and physical performance enhancer or psychoactive drug? Curr Neuropharmacol. 2015 Jan;13(1):71-88. doi: 10.2174/1570159X13666141210215655. Erratum in: Curr Neuropharmacol. 2015;13(4):554. Daria, Piacentino [corrected to Piacentino, Daria]. PMID: 26074744; PMCID: PMC4462044.
  • Wierzejska R. Kofeina–powszechny składnik diety i jej wpływ na zdrowie [Caffeine–common ingredient in a diet and its influence on human health]. Rocz Panstw Zakl Hig. 2012;63(2):141-7. Polish. PMID: 22928360.