Águas detox: 2 benefícios e mitos

As águas 'detox' caracterizam-se pelo seu teor de fitonutrientes com capacidade antioxidante. A partir desses compostos, seria possível reduzir o risco de desenvolver patologias complexas. No entanto, também existem mitos que devemos conhecer.
Águas detox: 2 benefícios e mitos

Última atualização: 27 Abril, 2021

O consumo de água detox está na moda. Esses líquidos são vendidos com a promessa de limpar o corpo e exercer efeitos benéficos na saúde. No entanto, nem tudo que reluz é ouro: há muitos mitos sobre isso, e vamos esclarecê-los a seguir.

Apesar de nem tudo ser verdade, a ingestão regular e controlada desse tipo de água pode trazer alguns benefícios. Em qualquer caso, recomenda-se fazê-lo sempre sob prescrição profissional, e que esta nunca substitua a água natural como principal fonte de hidratação.

O que é a água detox?

A água detox é uma bebida composta por água, à qual se adiciona uma série de ingredientes, como sumos de fruta ou especiarias, para aumentar o seu valor nutritivo. Com base na contribuição de micro e fitonutrientes, argumenta-se que o consumo regular desse líquido é capaz de promover a perda de peso.

Graças a esta situação, podemos melhorar o nosso estado de saúde. Seria possível reduzir a inflamação e eliminar a gordura visceral, o que melhoraria o funcionamento dos órgãos. Por outro lado, o risco de desenvolver patologias complexas seria menor. No entanto, existem alguns mitos em todas essas afirmações.

O consumo de água detox traz benefícios
A água detox nada mais é do que a água com alguma adição que fornece antioxidantes e fitonutrientes.

Como podemos prepará-la em casa?

Fazer águas detox é muito simples. Basta encher uma jarra com água e adicionar algumas rodelas de limão ou outras frutas e especiarias, como hortelã, gengibre ou açafrão. Deixe o conteúdo marinar por umas duas horas. Depois disso, podemos consumir a preparação refrigerada ou em temperatura ambiente.

O problema surge quando alguns “gurus da dieta” aconselham suprimir certos alimentos e substituí-los pelo consumo dos referidos líquidos. Isso tem um impacto negativo no metabolismo, pois pode até aumentar a glicose no sangue e causar estresse pancreático.

Outros recomendam consumir águas detox antes das refeições para gerar saciedade. É verdade que o consumo de água antes da ingestão de alimentos demonstrou ser capaz de reduzir o apetite. No entanto, devemos ter em mente que esses líquidos possuem nutrientes, como os carboidratos.

Você pode se interessar:  Os melhores alimentos para diminuir o apetite

2 benefícios das águas detox

A ingestão regular de águas detox pode trazer benefícios à saúde. São os seguintes:

1. Reduz a incidência de patologias complexas

Esses líquidos possuem um alto teor de fitonutrientes com capacidade antioxidante. Entre os exemplos disso estão aqueles de açafrão ou gengibre.

O consumo regular dessas substâncias tem sido associado a um menor estado de inflamação sistêmica, o que reduz o risco de desenvolvimento de patologias complexas a médio prazo, como as cardiovasculares.

2. Retarda o envelhecimento

Os mesmos antioxidantes de que falamos são capazes de neutralizar a formação de radicais livres. Existem evidências de que esses compostos derivados do metabolismo são responsáveis ​​pelo envelhecimento precoce.

Além disso, participam também do aumento do risco de adoecer. Por este motivo, o equilíbrio do potencial redox (potencial de redução da oxidação) é essencial para evitar ao máximo os traços de envelhecimento.

2 mitos com relação ao consumo da água detox

Apesar desses benefícios, existem vários mitos associados ao consumo de águas detox. São os seguintes:

1. Ajudam a perder peso

Existe a falsa crença de que esse tipo de líquido é capaz de ativar o metabolismo, principalmente quando são consumidos com o estômago vazio. Depois disso, haveria um aumento da oxidação lipídica que resultaria em perda de peso. No entanto, a evidência científica não apoia esta afirmação. Não há um estudo que tenha conseguido corroborar este fenômeno.

2. Curam o câncer

Algumas pessoas vendem esse tipo de água detox como remédio contra o câncer, uma vez que o processo tumoral já tenha começado. Promove-se o consumo diário como com a capacidade de retardar o crescimento do tumor ou mesmo matar as células cancerosas.

A verdade é que, embora a contribuição de antioxidantes possa ter implicações positivas no curso da doença, as águas detox não têm propriedades mágicas no combate ao câncer. Existem outras estratégias dietéticas muito mais eficazes para melhorar os efeitos da quimioterapia.

Alguns sucos possuem efeitos antioxidantes
O consumo de água com ingredientes que formam o líquido detox traz alguns benefícios, mas estas preparações não são, de forma alguma, um tratamento oncológico.

O consumo de água detox traz benefícios, mas não faz milagre

Quando é bem planejado, o consumo regular de água detox pode gerar efeitos benéficos ao organismo. No entanto, os efeitos não são tão milagrosos quanto algumas pessoas afirmam.

O fundamental é inserir o consumo de água detox no contexto de uma alimentação saudável, balanceada e variada. Vale a pena ressaltar que ele nunca deve substituir o consumo de água, mas complementá-lo.

Por outro lado, lembre-se de que se você sofre de alguma patologia, deve sempre consultar um especialista. Esse tipo de bebida não resolverá o problema sozinho. Você precisará tomar outros tipos de medidas, que às vezes se traduzem no uso da farmacologia apropriada.

Pode interessar a você...
Água detox de maçã e canela
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Água detox de maçã e canela

A água detox é essencial para o ótimo funcionamento do organismo, incluindo o que está relacionado com o metabolismo. Saiba como prepará-la.



  • Jeong JN., Effect of pre meal water consumption on energy intake and satiety in non obese young adults. Clin Nutr Res, 2018. 7 (4): 291-296.
  • Pop MR., Popolo A., Trifa AP., Stanciu LA., Phytochemicals in cardiovascular and respiratory diseases: evidence in oxidative stress and inflammation. Oxid Med Cell Longev, 2018.
  • Forman HJ., Redox signaling: an evolution from free radicals to aging. Free Radic Biol Med, 2016. 97: 398-407.