Sementes de linhaça: benefícios do consumo regular

· 7 de outubro de 2016
Por serem ricas em fibras, as sementes de linhaça podem ajudar a evitar a prisão de ventre e limpar o intestino. Devemos evitar consumi-las em caso de diverticulite, já que pode causar incômodos.

É comum falarmos aqui sobre os benefícios da aveia, um superalimento muito conhecido atualmente, mas você sabia que as sementes de linhaça também são uma das opções mais saudáveis e nutritivas?

Essas sementes estão na moda e podem ser encontradas nos supermercados e em lojas de produtos naturais. São tão ricas em fibras dietéticas que surgem como a fonte natural de ômega 3 mais fácil de consumir no dia a dia.

Dessa maneira, a seguir explicaremos tudo o que essas sementes podem fazer e como devem ser consumidas. Sem dúvida se surpreenderá.

A importância de incluir sementes na dieta

sementes-cereais

Quais tipo de sementes costuma consumir ao longo do dia? Muita gente ainda não está acostumada a consumi-las.  E por que é tão importante adicioná-las na dieta? Bom, aqui vão alguns fatores:

  • Oferecem energia;
  • Contêm carboidratos complexos, de forma que liberam esses carboidratos pouco a pouco no organismo; evitando o ganho de peso, bem como oferecendo uma sensação de saciedade;
  • Eliminam toxinas e resíduos;
  • Oferecem proteínas de origem vegetal;
  • São uma fonte muito benéfica e natural de fibras;
  • Regulam a prisão de ventre;
  • São antioxidantes;
  • Melhoram a saúde da pele;
  • Além disso, melhoram o funcionamento cerebral;

Que tipo de semente é mais adequado para consumir de forma regular?

  • Sementes de linhaça;
  • Sementes de amaranto;
  • Sementes de chia;
  • Sementes de girassol;
  • Sementes de gergelim;
  • Sementes de abóbora;
  • Sementes de cânhamo;
  • Sementes de romã;
  • Sementes de cominho;
  • Sementes de uva;

Conheça 8 benefícios curativos das sementes de uva

Benefícios das sementes de linhaça

linhaça-500x261

1. Têm propriedades curativas

  • São ricas em ácidos graxos poli-insaturados ômega 3 (75%) e ômega 6 (25%);
  • Dispõem de enzimas digestivas;
  • Além disso, contém vitamina E e vitaminas do complexo B;
  • Seus minerais mais importantes são o iodo, o ferro, o zinco, o magnésio, o cálcio, o fósforo, o potássio, o silício e o cobre;

2. Melhoram a digestão e ajudam a controlar o peso

  • Graças as duas enzimas digestivas é possível digerir melhor os alimentos, assim como melhorar o trânsito intestinal;
  • As sementes de linhaça exercem também uma ação depurativa. Isso ajuda a ter intestinos mais limpos e permitir assim que a absorção de nutrientes seja mais efetiva;
  • Graças a sua quantidade de fibra solúvel, oferece saciedade e evita-se tanto a retenção de líquido quanto a prisão de ventre;
  • Tudo isso, somado a sua ação desintoxicante, faz das sementes de linhaça um complemento adequado para as dietas de emagrecimento;

3. Sementes muito interessantes para a saúde da mulher

  • As sementes de linhaça têm grande quantidade de fibras dietéticas e, além disso, são a fonte vegetal mais rica que se conhece de ácidos graxos ômega 3.
  • Além disso, essas sementes contêm estrogênios frágeis, excelentes para prolongar o período menstrual por mais tempo, já que aumentam o número de transportadores de estrogênios.
  • As sementes de linhaça são ricas em um tipo de fitoquímico chamado ligano, que atua como potente anticancerígeno para prevenir tumores de mama, cólon ou de pulmão.

Leia também: Benefícios do gengibre para a mulher

4. Adequadas para a saúde dos intestinos e para evitar a prisão de ventre

  • A composição das sementes de linhaça tem, como já sabemos, um alto nível de fibras dietéticas muito efetivas para prevenir a prisão de ventre.
  • Assim como para limpar o intestino de matérias nocivas armazenadas que alteram a flora bacteriana.
  • A saber, no caso de pessoas que sofrem de diverticulite não será adequado consumir sementes de linhaça.
  • A razão? As pequenas sementes podem ficar alojadas nas pequenas bolsas inflamadas do intestino e causar muitos incômodos.

5. Cuida da pele e do cabelo

  • Pessoas que sofrem de problemas dermatológicos como a psoríase ou os eczemas se beneficiarão muito ao usar o óleo de linhaça.
  • Basta aplicá-lo todas as noites e deixar que atue enquanto dorme.
  • Costuma passar por dias em que a caspa atrapalha tudo? Não se preocupe.
  • Nesse caso, o óleo de sementes de linhaça também pode ajudar a eliminar a caspa do cabelo.
  • Basta colocar duas gotas na cabeça e massagear.

Como consumir as sementes de linhaça?

  • Trituradas: basta colocar as sementes de linhaça em um moedor de café para que fiquem bem finas e trituradas.
  • Dessa forma, o ideal é tomar 1 colher de sopa (25 g) misturada a pães, sanduíches, saladas, sucos naturais, iogurtes, sopas.
  • É recomendável triturá-las porque, dessa forma, quebramos sua casca exterior e nos beneficiamos melhor de suas enzimas naturais.

Além disso, pode-se consumir sementes de linhaça fervidas em um copo de água. Nesse sentido, basta colocar uma colher de sopa de sementes de linhaça para ferver em uma xícara de água.

Assim que a água ficar um pouco pastosa, estará pronta. Ademais, se tomá-la pela manhã, ajudará a evitar a prisão de ventre.

  • Cordeiro, R., Fernandes, P. L., & Barbosa, L. A. (2009). Semente de linhaça e o efeito de seus compostos sobre as células mamárias. Rev. bras. farmacogn19(3), 727-732.
  • da Silva, C. P., da Silva Ponciano, C., de Araújo, M. G. G., Pontes, E. D. S., de Lima Moura, R., de Oliveira, N. D., … & Viera, V. B. (2018). os Benefícios do Consumo da Linhaça e sua Relação na Prevenção do Câncer: uma Revisão. International Journal of Nutrology11(S 01), Trab597.
  • REHEN, C., ALMEIDA, A., de-FARIA, F. M., SOCCA, E., TAKAYAMA, C., DUNDER, R., … & BRITO, A. EFEITO DO ÓLEO DE LINHAÇA SOBRE A MUCOSA INTESTINAL DE ANIMAIS SUBMETIDOS À MODELO DE COLITE EXPERIMETAL
  • Lopes, F. S., Martins, D. S., Oliveira, J. S., Nóbrega, A. L., & Junior, V. M. P. (2015). Efeitos de farelo alimentar fibroso produzido a partir da linhaça em indivíduos com constipação intestinal. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável10(1), 213-217.