O impacto do ômega 3 para pressão alta: tratamento e efeitos colaterais

31 de outubro de 2019
O ômega 3 pode ser um tratamento eficaz e importante para combater a pressão alta. Hoje vamos descobrir como é usado e os benefícios que foram descobertos após a realização de vários estudos e ensaios clínicos.

A hipertensão, também conhecida como pressão alta, pode causar danos às artérias e aneurisma se não for tratada a tempo. Além disso, pode causar doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca e dilatações no ventrículo esquerdo. No entanto, um grande impacto do ômega 3 para pressão alta foi descoberto e poderia ser um novo tratamento para esta doença.

Segundo o artigo: Omega-3 y enfermedad cardiovascular: más allá de los factores de riesgo (Ômega-3 e doenças cardiovasculares: além dos fatores de risco):

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte na Europa.

No Brasil, as doenças cardíacas são as que mais produzem mortes, e um dos principais fatores de risco é a pressão alta.

Portanto, é muito significativo que a gordura saudável contida no ômega 3 seja levada em consideração. Isso pode diminuir o risco de doença cardiovascular.

Tratamento do ômega 3 para pressão alta

O artigo mencionado anteriormente fala sobre como diferentes ensaios clínicos demostraram que os suplementos de ácidos graxos ômega 3 podem reduzir problemas cardíacos, como por exemplo, a pressão alta. No entanto, como fazemos esse tratamento?

Mudanças na dieta

Alimentos com gorduras saudáveis

A hipertensão pode ser controlada desde que haja uma mudança na dieta. A abundância de alimentos vegetais na dieta como frutas, verduras e legumes, assim como a incorporação de cereais saudáveis, azeite de oliva e peixe, entre muitos outros alimentos, será essencial para obter melhorias.

No entanto, embora isso possa parecer simples, essa mudança na dieta deve ser mantida por um longo período de tempo. É inútil comer assim por 2 meses e abandonar a dieta mais tarde. Alguns primeiros passos que podem ser tomados para fazer essa alteração são os seguintes:

  • Consumo moderado (duas vezes por semana) de peixe azul (melhor se for pequeno).
  • Comer algumas de nozes todos os dias, sem exceção.
  • Incluir legumes e verduras nas principais refeições do dia.
  • No lanche, sempre consumir frutas. Aliás, fazer isso também quando tivermos vontade de beliscar alguma coisa.
  • Redução significativa no consumo de sal.

Suplementos de ômega 3

Outra maneira de verificar o impacto do ômega 3 para pressão alta é usar os suplementos. Mas, embora estes possam ser adquiridos com facilidade, sempre devemos consultar esta opção com nosso médico antes. Os suplementos nunca devem substituir uma boa dieta.

O médico nos dirá durante quanto tempo temos que consumir ômega 3, bem como os períodos de descanso que devemos levar em consideração. Além disso, teremos que controlar nossa dieta e o que consumimos. Às vezes, com a alimentação adequada, os suplementos são desnecessários.

No entanto, nosso médico analisará nosso estilo de vida e realizará revisões periódicas para verificar se é necessário incluir suplementos como uma ajuda adicional. O que acontece se nos esquecermos de um suplemento? De acordo com o MedlinePlus, a dose deve ser tomada assim que se lembrar, a menos que esteja perto de tomar a próxima dose.

Dobrar a dose do suplemento de ômega 3 não significa que vamos dobrar os seus benefícios, ao contrário, pode ser prejudicial para a nossa saúde. Portanto, em caso de dúvida, é sempre aconselhável entrar em contato com o médico que está nos atendendo para pedir orientação.

Descubra: 7 alimentos que contêm ômega 3

Alguns efeitos colaterais

Suplementos de ômega 3

O consumo excessivo de ômega 3 ou a ingestão de dois comprimidos por engano pode causar o aparecimento de alguns efeitos colaterais. Alguns deles podem ser:

  • dor de estômago,
  • azia,
  • prisão de ventre,
  • diarreia,
  • náusea, entre muitos outros.

Esses efeitos também podem aparecer se consumirmos suplementos de ômega 3 sem consultar nosso médico.

A razão pela qual tudo isso pode ocorrer pode ser devido a doses inadequadas para o nosso organismo, como já mencionamos. No entanto, existe também a possibilidade de termos uma alergia a peixes, por exemplo.

Na presença de quaisquer efeitos colaterais, devemos entrar em contato com nosso médico ou ir a um centro de saúde. Se esse problema for detectado, serão consideradas outras opções de medicamentos ou suplementos alternativos.

Os benefícios do ômega 3 para pressão alta

Controle da pressão arterial

Apesar dos efeitos colaterais que o ômega 3 pode ter, vários estudos clínicos demonstraram resultados muito reveladores sobre seus benefícios. Todos eles estão incluídos no artigo Omega-3 y enfermedad cardiovascular: más allá de los factores de riesgo:

  • Protege o endotélio, um tecido que “cobre a superfície interna dos vasos sanguíneos e forma a parede dos capilares”, como apontado pelas doutoras Leticia Vittone e Cecilia Mundiña-Weilenmann.
  • Possui efeito anti-inflamatório.
  • Reduz a viscosidade no plasma e triglicerídeos.
  • Possui ação antiarrítmica. Aliás, esse transtorno pode causar a morte.

Você pode estar interessado: Dieta semanal para reduzir os triglicerídeos

Embora existam todos esses benefícios do ômega 3 para pressão alta e saibamos como incorporá-lo à dieta, cada caso é particular. Portanto, é necessário ir ao médico para nos orientar e realizar um acompanhamento individual.

Um diagnóstico de pressão alta não deve ser tomado de maneira superficial. Segundo a Sociedade Espanhola de Hipertensão – Liga Espanhola de Combate à Hipertensão Arterial (Seh-Lelha), até 4 milhões de pessoas na Espanha não são diagnosticadas e 14 milhões têm a doença.

No Brasil, aproximadamente 35% da população tem a doença, segundo dados do Ministério da Saúde, mas a metade nem sabe disso. Isso acontece porque a hipertensão, também chamada de Doença Silenciosa, muitas vezes não apresenta sintomas. Portanto, é essencial fazer controles médicos mesmo que nos sintamos bem. E você, o que faz para evitar a pressão alta?

  • Caballero, R., Gómez, R., Núñez, L., Vaquero, M., Tamargo, J., & Delpón, E. (2006). Farmacología de los ácidos grasos omega-3. Revista Española de Cardiología Suplementos6(4), 3D–19D. https://doi.org/10.1016/S1131-3587(06)74822-1
  • García-Ríos, A., Meneses María, E., Pérez-Martínez, P., & Pérez-Jiménez, F. (2009). Omega-3 y enfermedad cardiovascular: más allá de los factores de riesgo. Nutrición Clínica y Dietética Hospitalaria29(1), 4–16.
  • Vittone, Leticia y Mundiña-Weilenmann, Cecilia. Endotelio vascular e hipertensión. Sección hipertensión arterial, pp. 1-21 http://www.fac.org.ar/1/publicaciones/libros/tratfac/hta_01/endotelio2.pdf
  • Ayala, J., López, C., Hong, A., Oberto, C., Paiva, A., & Lares Amaiz, M. (2009). Efecto de los ácidos grasos poliinsaturados (omega 3) sobre la agregación plaquetaria. Revista Latinoamericana de Hipertension.