Como e por que reduzir o consumo de refrigerante

17 Dezembro, 2019
Os refrigerantes parecem inofensivos, mas toda vez que você bebe um, sua saúde se deteriora lentamente. É hora de mudar os maus hábitos.

O consumo de refrigerante traz uma sensação refrescante, mas é uma autêntica bomba de açúcar que nosso corpo só pode tolerar desajustando seu equilíbrio natural. Por isso, esse prazer momentâneo de beber refrigerante causa muitos problemas de saúde a longo prazo.

Mesmo aqueles que trazem anúncios os apresentando como refrigerantes light e de baixa caloria, são igualmente prejudiciais. Embora tenham adoçantes alternativos ao açúcar tradicional, as evidências mostram que eles também são causas da obesidade e, além disso, aumentam o desejo de comer.

A Associação Americana do Coração recomenda uma ingestão de menos de 25 gramas de açúcar por dia para adultos, e menos ainda para crianças. Uma pequena lata de refrigerante de 30 ml contém 39 gramas de açúcar, além de outros açúcares adicionados.

Consumo de refrigerante e seus efeitos na saúde

Consumo de refrigerante: latas

O consumo de refrigerante contribui para o acúmulo de gordura no fígado

A frutose do açúcar e o xarope de milho do refrigerante só podem ser processados ​​pelo fígado. Mas estudos mostram que o excesso de frutose se transforma em gordura acumulada. Parte dessa gordura é transformada em triglicerídeos no sangue, enquanto o restante permanece no fígado.

Causa obesidade

Homem obeso por conta do consumo de refrigerante

Além da gordura no fígado, a frutose também é convertida em gordura abdominal. Isso, como foi demonstrado, é uma das principais causas de diabetes e doenças cardíacas.

Também pode te interessar ler: O gene da obesidade de acordo com a ciência

Eleva os níveis de insulina

A insulina transporta glicose do sangue para as células, mas os refrigerantes fazem com que as células se tornem insensíveis à glicose devido à resistência à insulina. Quando isso ocorre, o pâncreas começa a produzir excesso desse hormônio.

Esse fenômeno é conhecido como síndrome metabólica, causando hipertensão, excesso de gordura ou triglicerídeos e colesterol no sangue, entre muitos outros problemas.

O consumo de refrigerante também pode causar diabetes

Colher de açúcar e a palavra "Diabetes"

Um estudo com 170 indivíduos e liderado pelo Centro de Pesquisa Preventiva da Universidade de Stanford, Califórnia, revelou que o consumo de refrigerantes uma vez ao dia, todos os dias, aumenta o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Aumenta o risco de desenvolver câncer

Outro estudo realizado em vários países com 60 mil pessoas determinou que aqueles que bebem pelo menos dois refrigerantes por semana têm 87% mais chances de desenvolver câncer de pâncreas.

Causa problemas cardíacos

Médico com um coração nas mãos.
A alteração do padrão de gorduras e açúcares no sangue aumenta o risco de doença cardíaca.

O refrigerante faz com que os níveis de potássio do corpo caiam para níveis inferiores aos normais. Isso pode causar a chamada Síndrome do QT Longo, que consiste em anormalidades dos canais de potássio e sódio do coração e causa arritmias cardíacas.

Conheça os: 6 adoçantes naturais para substituir o açúcar refinado

Pode enfraquecer os ossos

Um dos ingredientes dos refrigerantes é o ácido fosfórico, usado para conservação. O fósforo é necessário para o corpo, especialmente para as funções cerebrais e de memória. No entanto, seu excesso é problemático.

Cálcio e fósforo coexistem em equilíbrio em nosso corpo. Quando o fósforo aumenta seus níveis, impede a assimilação de cálcio. O consumo contínuo de refrigerante pode acabar causando descalcificação e doenças como osteoporose.

Muitos problemas de estômago estão diretamente ligados ao consumo de refrigerante

Homem com dor no abdômen

Tanto açúcares como adoçantes artificiais, no caso de refrigerantes dietéticos, favorecem o crescimento bacteriano no intestino e, principalmente, as bactérias ruins.

O excesso de bactérias pode causar a síndrome do intestino irritável, o que pode causar problemas como irritação intestinal, deficiências imunológicas e até perda de memória.

Em particular, os adoçantes artificiais estão relacionados ao aumento da bactéria Clostridium difficile, que é uma das principais causas de infecções estomacais nos últimos anos, de acordo com estudos do Dr. Robert Briton, do Baylor College of Medicine.

O que beber em vez de refrigerante?

Sem dúvida, o mais saudável é a água. “Não importa se é pura, gaseificada ou com sabor. O importante é que não tenha açúcar ou adoçantes”, diz Allison Sylvestky, da Universidade de Georgetown, em Washington.

  • Água saborizada. É uma boa maneira de começar, devido à sua semelhança com a textura dos refrigerantes.
  • Chá gelado. É refrescante, tem cafeína como no refrigerante e você pode adoçar com uma colher de chá de mel.
  • Água com gás com frutas. Você pode tentar fazer um suco da fruta que você gosta e adicionar água com gás para recriar um refrigerante.
  • Água de frutas. Prepare uma jarra com fatias de frutas, tais como, por exemplo, limão, laranja, abacaxi, maçã, morangos ou qualquer outro e encha-o com água e gelo. Por fim, deixe descansar e terá sempre uma bebida deliciosa e refrescante à disposição.
  • Sucos naturais. Você também pode tentar beber diretamente sucos naturais. Não adicione açúcar, porque eles já têm o açúcar natural da fruta. Além disso, também não troque refrigerantes por sucos de frutas comerciais, pois eles também são carregados com açúcar extra.
  • Kombucha. Uma bebida mais exótica, mas altamente benéfica. É um chá fermentado que contém muitos probióticos. É um pouco amargo, mas com o tempo você pode se acostumar com o sabor.
  • Por fim, água de coco. É deliciosa, muito refrescante e cheia de vitaminas, minerais e antioxidantes.
  • The effect of sugar-free versus sugar-sweetened beverages on satiety, liking and wanting: an 18 month randomized double-blind trial in children.
    de Ruyter JC, Katan MB, Kuijper LD, Liem DG, Olthof MR. (2013). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24167595
  • Effect of fructose overfeeding and fish oil administration on hepatic de novo lipogenesis and insulin sensitivity in healthy men. Faeh D, Minehira K, Schwarz JM, Periasamy R, Park S, Tappy L. Department of Physiology, University of Lausanne, Lausanne, Switzerland. (2005). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15983189
  • Greater Fructose Consumption Is Associated with Cardiometabolic Risk Markers and Visceral Adiposity in Adolescents. Department of Pedriatrics Georgia Health Sciences University, Augusta, GA, Department of Nutrition, University of North Carolina, Chapel Hill, NC. (2012). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3260058/
  • Fructose, weight gain, and the insulin resistance syndrome. Department of Nutrition, University of California, USA.(2002). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12399260
  • Soft Drink and Juice Consumption and Risk of Pancreatic Cancer: The Singapore Chinese Health Study.Noel T. Mueller,1 Andrew Odegaard,2 Kristin Anderson,2 Jian-Min Yuan,2 Myron Gross,2 Woon-Puay Koh,3 and Mark A. Pereira. (2012). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3404432/
  • Next-Generation Probiotics Targeting Clostridium difficile through Precursor-Directed Antimicrobial Biosynthesis.Department of Pathology & Immunology, Baylor College of Medicine, Houston, Texas, USA. (2017). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5607411/