O gene da obesidade de acordo com a ciência

21 de setembro de 2019
Existem mudanças genéticas em nosso DNA que explicam, em parte, a obesidade. Os cientistas continuam estudando o assunto para encontrar mais respostas. Neste artigo, explicamos quais são os avanços e como eles afetam o tratamento e a prevenção da obesidade.

Historicamente, poderíamos dizer que a história do gene da obesidade remonta a 1962. O cientista em questão é o geneticista James Neel, que postulou uma hipótese sobre o assunto, que ainda se discute até hoje.

James Neel se perguntou por que uma doença associada principalmente à obesidade, como o diabetes, se perpetuou ao longo do tempo. O lógico seria que os seres humanos com essa condição não aumentassem ao longo da história da humanidade.

Para explicar por que o diabetes continuou e, por que há mais e mais afetados, ele propôs a existência de um gene. Esse gene serviria à espécie humana para superar os estágios da fome, que eram frequentes na pré-história. Através do ‘gene salvador’, os humanos acumulariam gordura extra para sobreviver em tempos de fome.

Segundo James Neel, esse gene da obesidade fazia sentido para aquele período da humanidade. Mas, na medida em que a história evoluiu, e houve cada vez menos estágios de fome generalizada no mundo, o acúmulo de gordura se tornou obesidade e também aumentou a frequência de desenvolvimento diabetes.

Assim, o que foi uma vantagem para nossos ancestrais e a possibilidade de sobrevivência, hoje é uma desvantagem em um mundo cada vez mais urbanizado, mais sedentário e com maior disponibilidade de alimentos ricos em gorduras e açúcares.

O problema da obesidade

A obesidade é um grande problema global. Fala-se de uma pandemia, ou seja, uma epidemia que se espalhou por todo o mundo, superando fronteiras geográficas.

É catalogada como uma doença crônica. A base para sua definição é o excesso de tecido adiposo no corpo. Na medida em que os médicos usam para determinar a obesidade é o índice de massa corporal (IMC). O IMC é calculado usando uma fórmula que divide o peso corporal em quilogramas pela altura em metros ao quadrado.

Estatisticamente, 22% da população adulta do mundo é obesa. Alguns cálculos são mais altos e estimam que um terço do mundo é obeso, ou pelo menos tem um problema de excesso de peso.

Não é apenas uma situação estética, longe disso. Por isso a importância de localizar algo como o gene da obesidade. A obesidade está associada a outras doenças, como diabetes e pressão alta, além de afetar a qualidade de vida causando:

  • Isolamento social.
  • Depressão.
  • Problemas sexuais.
  • Dificuldades no trabalho.
Índice de massa corporal

E saiba mais em: Como combater a obesidade?

A descoberta atual sobre o gene da obesidade

Em 2007, uma nova descoberta foi alcançada sobre o gene da obesidade. Os cientistas identificaram o gene FTO como associado à obesidade. Assim, experimentos mostraram que, se esse gene é defeituoso, o corpo tende a armazenar mais energia do que usá-la e a queima-la.

No entanto, o problema genético não explica todas as obesidades de todas as pessoas. Aproximadamente 44% dos europeus apresentam este  problema; nem metade.

Outros estudos recentes explicaram em mais detalhes como o gene da obesidade altera os níveis de um hormônio corporal chamado grelina, mais conhecido como hormônio da fome. Assim, se o gene FTO for alterado, a grelina exagera, tornando os alimentos ricos em gordura mais palatáveis.

Continue lendo: 4 dicas para evitar estar com fome a toda hora

É possível reverter a genética?

Os estudos científicos também concordam em algo: o gene da obesidade não é o único fator envolvido. Assim, o estilo de vida é mais prevalente na determinação da obesidade, entre outras coisas. Além disso, o estilo de vida é modificável.

O exercício é um dos principais pilares para combater a obesidade

Estes são alguns pontos que podemos levar em consideração no combate à genética, mas, claro, no que diz respeito ao que temos controle:

  • Exercício: a recomendação para realizar mais de 150 minutos de atividade física por semana permanece válida. Além de prevenir a obesidade, o exercício ajuda a prevenir outras doenças crônicas não transmissíveis.
  • Alimentação saudável: é essencial ter uma dieta equilibrada, variada e com conteúdo calórico adequado para a atividade física. Além disso, alimentos ricos em gordura e alimentos açucarados devem ser evitados.
  • Controle de peso: sem ficar obcecado, se pesar ocasionalmente te ajuda a conhecer o comportamento do seu corpo para fazer as modificações necessárias.
  • Constância: as mudanças no estilo de vida devem durar ao longo do tempo. Assim, a persistência com exercícios e uma dieta saudável produzem resultados a curto, médio e longo prazo.

Para concluir

Por fim, a genética continuará a investigar, mas ainda estamos longe de medicamentos que conseguem regular o gene FTO e o hormônio grelina. O gene da obesidade existe.

No entanto, não é o único determinante do sobrepeso de uma pessoa. Mas, estilo de vida, hábitos de exercício e uma dieta saudável são os verdadeiros pilares da prevenção e tratamento da obesidade.

  • Santos, José Luis, et al. “Epidemiología genética de la obesidad: estudios familiares.” Revista médica de Chile 133.3 (2005): 349-361.
  • Tejero, María Elizabeth. “Genética de la obesidad.” Boletín médico del Hospital Infantil de México 65.6 (2008): 441-450.
  • Corella, Dolores, Óscar Coltell, and José M. Ordovás. “Genética y epigenética de la obesidad.” Anales de la Real Academia Nacional de Farmacia. Vol. 82. 2016.
  • Rodrigo-Cano, Susana, José Miguel Soriano del Castillo, and Juan Francisco Merino-Torres. “Causas y tratamiento de la obesidad.” Nutr clín diet hosp 37.4 (2017): 87-92.