A síndrome do intestino irritável e o papel da dieta

A Síndrome do Intestino Irritável é uma das doenças gastrointestinais mais frequentes no presente. Para o seu controle a dieta exerce uma ação muito importante, como afirmam numerosos estudos.
A síndrome do intestino irritável e o papel da dieta

Última atualização: 13 Maio, 2019

Sem dúvida alguma, as pessoas que sofrem de síndrome do intestino irritável podem se sentir inseguras para continuar com uma vida normal, diante dos sintomas que podem ter. Controlar a dieta é uma grande ajuda para evitar surtos, mal-estar, e dor.

É por isso que neste artigo nós lhes dizemos como melhorar esta situação. Nós convidamos você a continuar lendo e aprender mais!

O que é a síndrome do intestino irritável?

A síndrome do intestino irritável (SII), mais conhecida como cólon irritável, é um distúrbio funcional crônico do trato gastrointestinal. Seus principais sintomas são dor ou desconforto abdominal, inchaço abdominal e alteração do hábito intestinal (constipação ou diarreia).

Essa síndrome é o distúrbio gastrointestinal mais frequentemente diagnosticado e a segunda causa de absenteísmo no trabalho após o resfriado comum. Entre 10 e 20% da população experimentam sintomas de intestino irritável durante toda a vida. Mas apenas 15% dos afetados consultam um médico sobre isso.

Dieta para o cólon e intestino irritável

Sucos para combater sintomas do intestino irritável

Através da dieta pode-se controlar a síndrome do intestino irritável de forma eficaz. A dieta da pessoa com síndrome do intestino irritável deve ser personalizada para cada caso. Como diretrizes gerais podemos destacar:

  • Em primeiro lugar, moderar o consumo de fibras insolúveis (a partir de alimentos integrais) na dieta, de modo a não contribuir mais para desequilíbrios no trânsito intestinal.
  • Além disso, aumentar o consumo de fibras solúveis (na forma de gomas, pectinas e mucilagens) na dieta. Isso pode ser feito com a ajuda de alimentos, por meio de vegetais que ajudem a nossa saúde digestiva.
  • Também, evitar alimentos ricos em gordura, frutas cítricas (especialmente laranja) e espinafre, para reduzir e neutralizar o efeito laxante produzido pelos sais biliares (bile) no cólon.
  • Por outro lado, diminuir o consumo de frutose (um tipo de açúcar simples que é encontrado principalmente em frutas). Escolha frutas que são mais pobres em açúcar e mais ricas em pectina, como a maçã com casca. Não é apropriado tomar sucos de frutas ou néctares.
  • Eliminar totalmente o consumo de adoçantes, como sorbitol, alimentos ou temperos picantes, gás (em bebidas), café e chá.
  • Finalmente, beber dois litros de água por dia. É muito importante garantir a hidratação quando há diarreias. Recomenda-se beber água ou infusões suaves, como a tília e a lúcia-lima (que não têm efeito laxante). Além disso, um suprimento suficiente de líquidos também ajudará a combater a constipação.

Síndrome do intestino irritável e dieta FODMAP

A dieta FODMAP foi desenvolvida por pesquisadores da Universidade Monash, na Austrália. A FODMAP é a soma das iniciais das palavras inglesas que em português são os oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos fermentáveis ​​e polióis. Estes são todos carboidratos de cadeia curta.

Assim então, a dieta FODMAP é a alimentação baixa ou sem frutose, lactose, frutanos, galactanos e polióis, que estão presentes nos seguintes alimentos:

  • Frutas: como maçã e pera.
  • Vegetais: como cebola, aspargo e alho.
  • Legumes: como ervilhas, soja e lentilhas.
  • Cereais: trigo e derivados, centeio e cevada.
  • Frutos secos.
  • Produtos lácteos: como leite, queijo, sorvete e iogurte. Avaliar a tolerância.
  • Adoçantes artificiais: produtos contendo sorbitol (E420), manitol (E421), isomalte (E953), maltitol (E965) e xilitol (E967), etc…

Qual é a relação entre SII e a dieta FODMAP?

Qual é a relação entre a síndrome do intestino irritável e a dieta FODMAP

A sigla FODMAP refere-se a alimentos que devem ser evitados ou reduzidos na dieta de uma pessoa com intestino irritável.

Os oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos fermentáveis ​​e polióis em algumas pessoas não são 100% absorvidos no intestino delgado.

Assim, essas moléculas não absorvidas continuam seu caminho até alcançar o intestino grosso, onde atuam como alimento para as bactérias que lá habitam normalmente. Lá, as bactérias fermentam os FODMAPs e causam os sintomas descritos na definição de Síndrome do Intestino Irritável.

Portanto, uma dieta pobre em FODMAP poderia ajudar a reduzir os sintomas da síndrome do intestino irritável, e também outras doenças inflamatórias intestinais, como a colite ulcerativa, ou a doença de Crohn.

O que dizem os estudos? Existe um consenso?

Em conclusão, após a primeira pesquisa australiana em 2005, tem havido vários estudos que foram realizados para avaliar o possível efeito da dieta FODMAP na Síndrome do Cólon Irritável.

Por outro lado, muitas investigações confirmam os efeitos positivos dessa dieta em pacientes com SII e evidenciam o uso da dieta FODMAP como tratamento. Mas existem outras pesquisas e profissionais de saúde que duvidam do desenho e da eficácia da dieta como um tratamento com SII.

Isso porque alguns estudos observaram que há poucas evidências para sustentar a hipótese e que, além disso, os estudos disponíveis até o momento apresentam limitações significativas. Apesar disso, é essencial a concepção e monitoramento da dieta FODMAP por parte de um dietista-nutricionista.

It might interest you...
Dieta para a síndrome do intestino irritável
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dieta para a síndrome do intestino irritável

Cerca de 10-20% de nós sofremos com a síndrome do intestino irritável. Este problema é bastante incômodo, porém, com uma dieta ideal podemos contor...



  • El-Salhy M., Ystad SO., Mazzawi T., Gundersen D., Dietary fiber in irritable bowel syndrome. Int J Mol Med, 2017. 40 (3): 607-613.
  • Altobelli E., Del Negro V., Angeletti PM., Latella G., Low FODMAP diet improves irritable bowel syndrome symptoms: a meta analysis. Nutrients, 2017.
  • Hill P., Muir JG., Gibson PR., Controversies and recent developments of the low FODMAP diet. Gastroenterol Hepatol, 2017.