Cigarro eletrônico: tudo que você precisa saber

Você acha que os cigarros eletrônicos são elementos inocentes que podem ajudá-lo a parar de fumar de forma saudável? Você pode estar errado. Vamos falar sobre isso a seguir.
Cigarro eletrônico: tudo que você precisa saber

Última atualização: 27 Março, 2021

O cigarro eletrônico é um sistema eletrônico de inalação projetado para substituir e emular o consumo do tabaco. Esses dispositivos contêm substâncias menos tóxicas que o tabaco convencional, pois não contêm tabaco e não há combustão.

No entanto, os compostos usados ​​para vaporizar a nicotina e os sabores a baixas temperaturas são transformados em algumas substâncias tóxicas que é conveniente conhecer.

O que é o cigarro eletrônico?

Mulher fumando cigarro eletrônico

Os vapers são dispositivos com aparência de cigarro, constituídos por três elementos:

  • Bateria.
  • Atomizador.
  • Cartucho.

O cartucho contém uma solução líquida que pode conter diferentes substâncias, chamadas de líquido de vaporização. Os cartuchos podem ser recarregáveis ​​ou substituíveis, embora também existam cigarros eletrônicos descartáveis.

Quais substâncias estão presentes?

Os principais componentes do líquido vaporizado são estes:

  • Propilenoglicol: geralmente cerca de 70%.
  • Glicerina vegetal: cerca de 20%.
  • Nicotina: pode ser encontrada em diferentes doses, entre 0 mg e 54 mg/ml.
  • Sabores e aromas.

Tanto a glicerina quanto o propilenoglicol não são considerados tóxicos quando administrados por via oral. No entanto, esses líquidos podem conter produtos químicos que aumentam a sua toxicidade. Entre eles, se incluem os seguintes:

  • Álcool.
  • Essência de tabaco.
  • Mentol.
  • Ácido cítrico.
  • Valerato de butila.
  • Butirato de geranilo.
  • Hexanoato de isopentilo
  • Benzoato de benzila.

Foram realizadas análises dos diferentes líquidos usados ​​nos vaporizadores eletrônicos. Os resultados variam de acordo com a marca. No entanto, verificou-se que quanto mais ingredientes eles contêm, maior é a sua toxicidade.

Traços de carcinógenos típicos do tabaco clássico também foram encontrados, como nitrosaminas, metais, compostos fenólicos e compostos orgânicos voláteis. Também verificou-se que os níveis de níquel encontrados são superiores aos encontrados no tabaco clássico.

A maior toxicidade vem de compostos aromatizantes como a baunilha e o cinamaldeído. Portanto, quanto mais sabor os líquidos de vaporização têm, mais tóxicos são.

Como o cigarro eletrônico afeta a saúde?

Cigarros eletrônicos

Uma das desvantagens do cigarro eletrônico é que seus efeitos a longo prazo são desconhecidos. No entanto, os efeitos de longo prazo do tabaco convencional são conhecidos. Entre eles, estão incluídos:

  • Câncer.
  • Doença cardíaca isquêmica.
  • Doença obstrutiva crônica ou DPOC.
  • Bronquite crônica.
  • Enfisema.

Os cigarros eletrônicos provocam alterações na função pulmonar, embora alguns de seus efeitos, como a broncoconstrição, sejam menores que os provocados pelo cigarro clássico.

Propilenoglicol e glicerol

O propilenoglicol presente nos líquidos de vaporização se decompõe em altas temperaturas. Dessa forma, são produzidas substâncias potencialmente cancerígenas, como o óxido de propileno.

Por outro lado, o glicerol produz acroleína, embora em menor grau do que os cigarros convencionais. Tanto o propilenoglicerol quanto o glicerol também dão origem a substâncias cancerígenas, como o formaldeído e o acetaldeído, de acordo com o relatório do Comitê Científico da Agência Espanhola de Consumidores.

Nicotina

Além de ser altamente viciante, a nicotina pode afetar:

  • Desenvolvimento cerebral em adolescentes.
  • Memória.
  • Concentração.
  • Aprendizado.
  • Autocontrole.
  • Estado de humor.

A nicotina também causa um aumento da frequência cardíaca e dos níveis de cotinina no sangue.

O cigarro eletrônico é viciante?

O cigarro eletrônico sem nicotina não é fisicamente viciante. No entanto, o vício tem um componente físico de curta duração e um componente psicológico de longa duração.

O risco de ficar preso aos cigarros eletrônicos depende do uso feito. Ele pode ser usado para substituir o tabaco, para reduzir o seu consumo ou simplesmente de forma lúdica por pessoas que não são fumantes.

Em relação à substituição do hábito de fumar, podem manter o vício psicológico. Isso porque não favorecem a mudança de comportamento em relação ao cigarro convencional devido à sua semelhança.

Portanto, o cigarro eletrônico, embora ajude a reduzir a abstinência física, não promove o fim do tabagismo, segundo a Associação Espanhola contra o Câncer. Por esse motivo, muitos consumidores tornam seu uso crônico ou o combinam com o cigarro tradicional, dificultando o acesso à ajuda farmacológica convencional.

O uso desses cigarros não é uma boa influência para evitar futuros fumantes, uma vez que poderia aumentar o consumo de tabaco entre os jovens e normalizar, de forma geral, o tabagismo.

Livrar-se deste hábito é essencial

Atualmente, os estudos sugerem que os vapers podem ser menos prejudiciais do que os cigarros convencionais. No entanto, a nicotina, em qualquer uma das suas formas, é altamente viciante e as substâncias do vapor são cancerígenas.

Portanto, é melhor ir ao médico e considerar a opção de parar de fumar. Também é importante procurar ajuda psicológica para poder conciliar o tratamento médico com o de um especialista em saúde mental. Será difícil, mas não impossível.

Pode interessar a você...
Recomendações para parar de fumar
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Recomendações para parar de fumar

Fumar é um hábito letal para a saúde e pode levar à morte de seus usuários. Confira recomendações saudáveis para parar de fumar.