Adoçantes keto: as melhores e as piores opções

Mostraremos as melhores e piores opções quando se trata de adoçantes keto para que você saiba quais evitar regularmente.
Adoçantes keto: as melhores e as piores opções

Última atualização: 21 julho, 2022

Os adoçantes cetogênicos são uma alternativa para melhorar o sabor de muitas preparações sem aumentar a ingestão calórica ou a presença de carboidratos na dieta.

Dessa forma, será possível manter o estado de cetose, a partir do qual o organismo utilizará preferencialmente os ácidos graxos para produção de energia. Vamos mostrar quais são as melhores e as piores opções entre todas elas.

Antes de começar, deve-se notar que seria bastante positivo para a saúde em geral reduzir a presença do sabor doce na dieta. Quando essa sensação é experimentada, é ativada a produção de uma série de neurotransmissores relacionados à obtenção de prazer a curto prazo.

A ativação do prazer pode ser um pouco viciante e convidar você a comer cada vez mais doces. Por outro lado, muitas vezes apenas o fato de perceber o doce na boca pode acionar mecanismos que alteram o metabolismo da glicose.

Os melhores adoçantes keto

Entre os melhores adoçantes cetogênicos, podemos destacar a estévia, uma substância natural que respeita relativamente a microbiota intestinal que não possui calorias ou açúcares em seu interior.

É verdade que estudos mostram que a densidade e diversidade das bactérias que habitam o tubo varia, mas em menor grau do que outras de suas contrapartes. Por outro lado, não parece ter um impacto claro no risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Adoçantes artificiais podem estar associados ao risco de câncer.
A estévia é um dos melhores adoçantes cetogênicos que você pode consumir.

No entanto, também não deve ser consumido em excesso. As pesquisas existentes nesse sentido são limitadas e não se sabe como esse elemento atuará a longo prazo na fisiologia do organismo. O melhor é a cautela. Por outro lado, deve-se levar em consideração que a estévia é frequentemente comercializada adulterada com outros adoçantes artificiais, o que reduz significativamente sua qualidade.

Continuando com adoçantes cetogênicos de boa qualidade, poderíamos falar sobre eritritol. É feito de farinha de milho e é um poliálcool que aparece naturalmente em alguns alimentos como as uvas. É muito baixo em calorias e carboidratos e não parece afetar os níveis de produção de insulina. Além disso, é rapidamente metabolizado e passa para a urina sem ser usado pelo organismo, por isso seu impacto é mínimo.

Os piores adoçantes keto

Além disso, temos que falar sobre as piores opções de adoçantes cetogênicos para incluir na dieta. Estes conseguem ter um impacto significativo no metabolismo da glicose ou mesmo causar disfunções a médio prazo.

Da mesma forma, podem causar uma grande perda de diversidade e densidade ao nível da microbiota, o que condicionará os processos digestivos ao longo do tempo.

O que é eritritol?
Evite consumir aspartame, pois é um dos piores adoçantes keto.

Um dos maiores representantes desse grupo é o acessulfame K. Segundo pesquisa publicada na revista National Toxicology Program Genetically Modified Model Report, ele não induz a formação de câncer em ratos, mas seus efeitos a médio prazo no corpo humano são bastante incertos. Por esta razão, recomenda-se cautela antes de incluir este item regularmente na dieta.

Algo semelhante acontece com o aspartame. O FDA o considera seguro quando usado com moderação, mas as evidências atuais levantam algumas questões sobre isso. Pode afetar os processos hepáticos e renais, causando sobrecarga em ambos os órgãos e deterioração de suas funções ao longo dos anos. De fato, muitas indústrias estão começando a limitar seu uso.

Refrigerantes na dieta cetogênica

Embora muitos refrigerantes afirmem não conter açúcar como tal em seu interior, certas precauções devem ser tomadas ao incluí-los no contexto da dieta cetogênica. Primeiro, se influenciam na composição da microbiota, podem alterar aspectos relacionados ao metabolismo de nutrientes. Isso pode levar a mudanças prejudiciais no estado da composição corporal a médio prazo.

Da mesma forma, a referência ao potencial de muitos adoçantes artificiais para aumentar a produção de insulina pelo pâncreas não deve ser esquecida. Isso causaria a gênese da resistência ao hormônio ao longo do tempo, algo considerado muito negativo. A partir daqui, não é de surpreender que se acabe caindo em uma situação de diabetes tipo 2.

É bom saber que, para evitar a alteração do metabolismo da glicose e da produção de insulina, é melhor garantir um estilo de vida ativo. É claro que a dieta cetogênica como tal também ajudará, mas o fator exercício físico nunca deve ser deixado de lado. Isso fará com que o corpo funcione de forma eficiente.

Cuidado com os adoçantes keto na dieta

Como você viu, existem diferentes tipos de adoçantes cetogênicos que podem ser incluídos na dieta para melhorar as características organolépticas de certas preparações. Ainda assim, nem todos são bons.

De qualquer forma, não é positivo abusar deles e a ingestão de alimentos frescos deve sempre ser priorizada em relação aos ultraprocessados de origem industrial. Seja como for, será sempre útil olhar os rótulos para detectar os adoçantes que classificamos como nocivos, para evitá-los.

Para finalizar, é preciso ter em mente que quando o objetivo é melhorar ou manter uma boa saúde, comer bem não é suficiente. Você tem que começar uma série de hábitos como um todo. Dentre todos eles, destaca-se a necessidade de praticar atividade física de forma regular. Acima de tudo, será fundamental priorizar o trabalho de força muscular, pois isso melhorará a sensibilidade à insulina.

Pode interessar a você...
Açúcar branco, moreno e mascavo: semelhanças e diferenças
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Açúcar branco, moreno e mascavo: semelhanças e diferenças

Açúcar branco, moreno, mascavo... Existem diversos tipos de açúcar no mercado. Qual é a diferença entre eles? Descubra neste artigo!



  • National Toxicology Program (2005). NTP toxicology studies of acesulfame potassium (CAS No. 55589-62-3) in genetically modified (FVB Tg.AC Hemizygous) mice and carcinogenicity studies of acesulfame potassium in genetically modified [B6.129-Trp53(tm1Brd) (N5) Haploinsufficient] mice (feed studies)mice. National Toxicology Program genetically modified model report, (2), 1–113.
  • Ruiz-Ojeda, F. J., Plaza-Díaz, J., Sáez-Lara, M. J., & Gil, A. (2019). Effects of Sweeteners on the Gut Microbiota: A Review of Experimental Studies and Clinical Trials. Advances in nutrition (Bethesda, Md.)10(suppl_1), S31–S48. https://doi.org/10.1093/advances/nmy037
  • Choudhary, A. K., & Pretorius, E. (2017). Revisiting the safety of aspartame. Nutrition reviews75(9), 718–730. https://doi.org/10.1093/nutrit/nux035