Precisamos consumir açúcar? Descubra a resposta

O açúcar refinado gera um impacto negativo no corpo a partir do aumento do estresse pancreático, que é causado pela necessidade de uma grande produção de insulina.
Precisamos consumir açúcar? Descubra a resposta

Última atualização: 03 Abril, 2021

Com o aumento da popularidade da dieta cetogênica, muitas pessoas se perguntam se realmente precisamos consumir açúcar para manter o corpo funcionando. A verdade é que os especialistas emitiram opiniões diversas a respeito do tema nos últimos anos. A seguir, vamos explicar o que a ciência tem a dizer.

Antes de começar, é importante observar que a população de hoje tende a consumir açúcar em grandes quantidades. Isso se deve principalmente ao aumento do consumo de produtos industrializados ultraprocessados. Geralmente, eles apresentam um alto teor de açúcares simples e gorduras trans para melhorar as características organolépticas do produto final.

O que é o açúcar?

Precisamos consumir açúcar?
O açúcar é um carboidrato simples cujo principal componente é a glicose.

Quando falamos de açúcar, nos referimos a um tipo de carboidrato simples composto principalmente por unidades de glicose ligadas entre si.

Embora essas unidades possam formar estruturas mais complexas, geralmente apresentam uma alta taxa de absorção a nível intestinal. Por isso, aumentam a quantidade de insulina produzida, o que se mostra prejudicial a médio prazo. Os açúcares podem incluir os nutrientes que discutiremos a seguir.

Monossacarídeos

São açúcares classificados como simples. Normalmente, eles são constituídos por uma série de moléculas de glicose unidas por ligações simples. Sua ingestão regular está associada a um pior estado de saúde, pois afetaria a saúde metabólica e o risco de desenvolver excesso de peso. Isso foi evidenciado por um estudo publicado na Frontiers in Bioscience.

Dissacarídeos

Os dissacarídeos são constituídos pela união de monossacarídeos por meio de uma ligação o-glicosídica. Estes têm uma taxa de absorção ligeiramente mais lenta do que os anteriores, embora ainda sejam considerados açúcares simples. Por esse motivo, sua ingestão deve ser limitada ao máximo.

Polissacarídeos

Os polissacarídeos são carboidratos compostos principalmente por glicose, embora formem uma rede de ligações que aumenta significativamente seu peso molecular. Por esse motivo, eles são considerados açúcares complexos.

Sua taxa de absorção é reduzida e, portanto, os efeitos que causam no organismo variam. Esses compostos são capazes de gerar picos menores de glicose no sangue.

Como o açúcar é metabolizado no corpo?

Os carboidratos chegam ao intestino delgado, onde são decompostos em unidades simples por enzimas para serem posteriormente absorvidos. Em seguida, passam para o sangue e, com isso, aumentam a glicose sanguínea e estimulam a secreção de insulina, hormônio anabólico que permite o transporte do nutriente para as células ou para o fígado.

Cubos de açúcar mascavo
Quando a pessoa está em repouso, o açúcar é armazenado no corpo e pode engordar se o consumo for muito elevado.

Caso a atividade física seja realizada, o açúcar chega aos tecidos musculares, onde será convertido em energia pronta para ser utilizada. No caso de o sujeito estar em estado de repouso, ele será armazenado na forma de glicogênio hepático ou muscular.

Vale esclarecer que esses depósitos são limitados. No momento em que ficam saturados, o açúcar começa a se transformar em gordura para o seu posterior acúmulo no tecido adiposo.

É necessário levar em consideração que o referido aumento das reservas lipídicas tem se mostrado prejudicial à saúde, principalmente quando ultrapassa determinados níveis. A partir daqui, processos inflamatórios são promovidos, ligados em muitos casos ao desenvolvimento de patologias complexas.

Para que a glicose é usada no corpo?

Como discutimos, a glicose é usada principalmente para a gênese da energia. É o combustível preferido das rotas anaeróbias do metabolismo e também pode ser introduzido nas aeróbias.

No entanto, estas últimas também aceitam ácidos graxos, ou até mesmo glicose sem ser procedente do açúcar. Esta última é formada por processos fisiológicos nos quais os ácidos graxos e as proteínas estão envolvidos.

Também deve ser notado que a glicose funciona como combustível para o cérebro. Ao contrário do que se acreditava até recentemente, existem outros compostos que podem desempenhar perfeitamente esta função. Um exemplo deles seriam os corpos cetônicos gerados durante a cetose.

Realmente precisamos consumir açúcar?

A verdade é que tudo parece indicar que o açúcar não é necessário na dieta de pessoas sedentárias. Mesmo no caso de atletas, sua ingestão gera polêmica. O corpo pode funcionar perfeitamente em situações de baixo consumo de carboidratos. Na verdade, esse tipo de dieta pode ser benéfica para o corpo.

Cereais matinais açucarados

Apesar de tudo isso, podemos propor uma dieta pobre em açúcar e com presença de carboidratos complexos. Para isso, o consumo de doces e alimentos ultraprocessados ​​deve ser significativamente reduzido, e o de alimentos in natura, aumentado. Essa situação seria vantajosa para o funcionamento do organismo.

Açúcar: um nutriente pouco recomendado

Como podemos ver, o açúcar tem pouco valor para a dieta e, de certa forma, não precisamos consumir este nutriente. Na verdade, a maioria dos especialistas defende a necessidade de reduzir seu consumo em indivíduos sedentários. Até mesmo em atletas, a opção de evitar a sua ingestão também é debatida. Dessa forma, a flexibilidade metabólica e o desempenho podem ser aumentados a médio prazo.

O que está claro é que reduzir a ingestão por meio da dieta tem um impacto positivo na saúde. Isso não quer dizer que seja necessário cortar completamente os carboidratos: você pode consumir aqueles que têm baixo índice glicêmico, ou seja, os complexos. São aqueles encontrados em tubérculos e leguminosas, principalmente.

Pode interessar a você...
Quais são os sintomas de uma hipoglicemia?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quais são os sintomas de uma hipoglicemia?

Os sintomas de uma hipoglicemia são gerados pelo baixo nível de açúcar no sangue. Existem quadros de hipoglicemia leves e outros mais graves.



  • Stanhope KL., Sugar consumption, metabolic disease and obesity: the state of the controversy. Crit Rev Clin Lab Sci, 2016. 53 (1): 52-67.
  • Freeman CR., Zehra A., Ramirez V., Wiers CE., et al., Impact of sugar on the body, brain, and behavior. Front Biosci, 2018. 23: 2255-2266.
  • Ortega FB., Lavie CJ., Blair SN., Obesity and cardiovascular disease. Circ Res, 2016. 118 (11): 1752-70.