Transplante de pâncreas: por que é realizado e quais são os riscos?

O pâncreas é um órgão localizado na cavidade abdominal cuja função pode ser afetada por diversas patologias. A realização de um transplante é uma opção cada vez mais estudada.
Transplante de pâncreas: por que é realizado e quais são os riscos?

Última atualização: 25 Julho, 2021

O transplante de órgãos é uma técnica terapêutica realizada para a substituição de um órgão danificado por um saudável. Em 2016, foram registrados 53.345 transplantes de órgãos no continente americano, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). O transplante de pâncreas é um dos mais eficazes.

O pâncreas é um órgão abdominal que está envolvido na produção de enzimas para a digestão e hormônios para controlar os níveis de açúcar no sangue. O transplante de pâncreas melhora muito o prognóstico e a qualidade de vida dos pacientes com diabetes mellitus grave, reduzindo as complicações da doença.

O que é um transplante de pâncreas?

O transplante de pâncreas é um procedimento cirúrgico em que se substitui um pâncreas lesado ou ineficiente por um pâncreas saudável e funcional. Essa intervenção pode ser realizada de forma isolada, embora tenha sido demonstrado que em 88% dos casos é realizada simultaneamente ao transplante renal.

O pâncreas é removido de um doador falecido com morte encefálica que se mantém com aparelhos de suporte vital. Uma vez que se extrai o órgão, ele pode ser transportado frio por um período máximo de 20 horas.

A duração de uma cirurgia de transplante de pâncreas costuma ser de aproximadamente 3 horas. Geralmente, coloca-se o órgão doado na parte inferior direita do abdômen. O pâncreas doente não é removido durante a intervenção.

No procedimento, o especialista une os vasos sanguíneos do pâncreas doado com os do paciente receptor. Além disso, o cirurgião geralmente transfere o órgão com uma porção doadora do duodeno, de forma que este último se funde diretamente com o intestino ou bexiga do paciente.

Caso o transplante de pâncreas esteja associado a um transplante de rim, o procedimento pode se estender por até 6 horas. O aumento da duração explica a alta eficácia estimada.

Saúde do pâncreas
O pâncreas é um órgão com funções digestivas e endócrinas. É o principal fator envolvido na diabetes.

Não deixe de ler: 11 complicações da diabetes

Por que o transplante de pâncreas é realizado?

O pâncreas é o órgão responsável pela produção de insulina, um hormônio anabólico capaz de baixar os níveis de açúcar no sangue. A característica dos pacientes com diabetes é um desequilíbrio na produção ou a ausência de insulina.

O transplante de pâncreas permite recuperar a capacidade fisiológica de produção de insulina, reduzindo as alterações e complicações associadas à diabetes. No entanto, não se considera esse procedimento o padrão de tratamento.

A sua indicação mais comum é em pacientes com diabetes mellitus tipo 1, devido à necessidade de administração externa e contínua do hormônio. No entanto, estudos destacaram que alguns pacientes com diabetes mellitus tipo 2 também poderiam se beneficiar dessa intervenção.

A associação da diabetes com disfunções renais foi o que motivou o desenvolvimento da técnica cirúrgica. Esse fato explica por que a maioria desses procedimentos ocorre simultaneamente ou antes de um transplante de rim.

Riscos do procedimento

O transplante de pâncreas é um procedimento cirúrgico invasivo; portanto, não está isento de complicações, como ocorre com outros transplantes. Os riscos gerais da intervenção incluem reações adversas a medicamentos e distúrbios respiratórios como consequência dos anestésicos.

Por outro lado, existem complicações inerentes ao transplante de pâncreas, entre as quais podemos destacar a formação de trombos, fístulas, inflamação do pâncreas, infecções e rejeição do órgão.

1. Trombose

A trombose representa um dos riscos mais comuns do transplante de pâncreas, que se manifesta nos primeiros dias do pós-operatório. Os trombos geralmente se formam no sistema venoso em decorrência de lesões vasculares ou alterações hemodinâmicas.

Essa complicação é responsável pela perda precoce do órgão doado em 5% a 6% dos casos. Por esse motivo, o médico especialista costuma prescrever heparina e antiagregantes plaquetários após a intervenção, de forma profilática.

2. Fístulas

Essas são comunicações patológicas que geralmente ocorrem na linha de junção com o órgão doador. No início, são produto de falhas técnicas ou diminuição do fluxo sanguíneo no tecido, enquanto seu aparecimento tardio se associa a infecções virais ou rejeição do transplante.

Atualmente, sua incidência diminuiu graças à ação médica. As fístulas geralmente requerem reparo cirúrgico e tratamento médico específico.

3. Pancreatite

A inflamação do pâncreas aparece como uma complicação pós-operatória imediata. Esta é uma consequência do tipo de preservação antes da intervenção e da manipulação do órgão.

Na maioria dos casos, a pancreatite costuma ser autolimitada e não afeta a função do pâncreas.

4. Infecções

A supressão do sistema imunológico e a própria patologia diabética aumentam o risco de contrair infecções. Portanto, a prescrição de antibióticos e o monitoramento contínuo são essenciais.

5. Rejeição aguda

A rejeição do pâncreas doado é uma realidade óbvia que se manifesta em mais de 20% dos pacientes transplantados. Nessa situação, o tratamento precoce é essencial para melhorar o prognóstico do paciente.

Como deve ser a preparação para um transplante de pâncreas?

O transplante de pâncreas envolve um processo complexo de preparação, tanto física quanto psicológica. Será condicionado por diferentes variáveis ​​antes, durante e depois do procedimento.

Antes da intervenção

Assim que o especialista indicar a necessidade do transplante de pâncreas, ele dará informações sobre os locais treinados para fazer o procedimento.

A equipe responsável iniciará um período de avaliação abrangente do paciente, que geralmente dura de 1 a 2 meses. Além disso, são realizados diversos exames laboratoriais para comprovar o estado de saúde do receptor.

Entre estes exames, destacam-se os seguintes:

  • Exames de sangue.
  • Teste de HIV.
  • Raio-x do tórax.
  • Testes de função renal.
  • Eletrocardiograma e ecocardiograma.
  • Exame psicológico completo.

Ao determinar que a pessoa está apta para o procedimento, o centro médico irá colocá-la em uma lista de espera, de acordo com o estado de saúde e a necessidade do paciente.

O período de espera para um transplante de pâncreas é de cerca de 23 meses. No caso de um transplante renal simultâneo, o tempo pode variar de 12 a 14 meses.

Enquanto o paciente aguarda a designação, é importante manter uma boa saúde. Para isso, são sugeridas as seguintes recomendações:

  • Comparecer a todas as consultas médicas e seguir as orientações do especialista.
  • Manter um peso saudável, com uma dieta balanceada e exercícios leves a moderados.
  • Evitar o consumo de álcool e tabaco.
  • Realizar atividades relaxantes que contribuam para a saúde psicológica.
  • Ter uma mala pronta com tudo o que for necessário para ir ao centro médico.

Durante a intervenção

O transplante de pâncreas é realizado sob anestesia geral. Ela pode ser administrada através da inalação de gases ou por via endovenosa.

A abordagem consiste em uma incisão no abdômen, que servirá para a implantação do órgão doador e sua integração adequada com os demais órgãos do receptor.

A equipe médica manterá todos os sinais vitais do paciente sob estrito controle. O procedimento costuma durar 3 horas e pode se estender no caso de transplantes simultâneos.

Depois da intervenção

Logo após a intervenção, o paciente receptor será mantido na unidade de terapia intensiva (UTI) por alguns dias para monitorar eventuais complicações. Depois disso, a equipe médica transferirá o paciente para uma sala de recuperação por uma semana.

Após a alta do centro médico, a equipe de controle pode solicitar que o paciente permaneça próximo ao centro por 2 ou 3 meses. É fundamental manter o monitoramento e a vigilância médica estrita.

O especialista indicará vários medicamentos que o paciente deverá consumir para evitar complicações. Os medicamentos imunossupressores favorecem a aceitação do novo órgão pelo corpo e evitam a rejeição aguda. No entanto, também é importante tomar antibióticos para prevenir o desenvolvimento de infecções.

Medicamentos para o pâncreas
A medicação para o transplante de pâncreas é variada e inclui imunossupressores e antibióticos.

Alimentação após um transplante de pâncreas

Já em casa, é fundamental seguir uma alimentação saudável que favoreça a recuperação do pâncreas e que ajude a manter o seu funcionamento. Da mesma forma, a dieta combinada com exercícios permite manter o controle do peso.

A avaliação por um nutricionista é fundamental. Em geral, as principais recomendações para uma dieta saudável após um transplante de pâncreas são as seguintes:

  • Dieta rica em proteína animal, como aves, peixes e carnes magras.
  • Alta porcentagem de frutas e vegetais; pelo menos 5 porções por dia.
  • Alimentos ricos em fibras.
  • Produtos lácteos com baixo teor de gordura.
  • Reduzir o consumo de sal e gordura saturada.
  • Limitar o consumo de cafeína e álcool.
  • Beber muita água e líquidos.
  • Evitar frutas e sucos ácidos, como toranja e laranja.

Os medicamentos são os melhores aliados

Com um transplante de pâncreas bem-sucedido, o paciente não precisará mais tomar insulina pelo resto da vida. Além disso, as doenças associadas a níveis elevados de açúcar no sangue diminuirão a sua incidência.

No entanto, na maioria dos casos, o corpo estará em constante rejeição ao novo órgão. Portanto, a medicação imunossupressora sustentada é fundamental, e o paciente deverá mantê-la indefinidamente. Além disso, a avaliação médica contínua fornecerá as ferramentas para uma vida saudável e sem complicações.

Pode interessar a você...
Transplante de coração: como é o processo?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Transplante de coração: como é o processo?

Um transplante de coração é uma operação em que o coração saudável de um doador serve como um substituto para o coração doente de um receptor.



  • Montiel M, Pardo F, Rotellar F, Valentí V, Pastor C, Álvarez Cienfuegos J. Trasplante pancreático. Anales Sis San Navarra. 2006; 29( Suppl 2 ): 113-124.
  • Alba A, Morales J, Ferrario M, Zehnder C, Aguiló J, Zavala C et al. Trasplante simultáneo de páncreas y riñón en diabetes mellitus tipo 1: Experiencia de un centro en Chile. Rev. méd. Chile. 2011; 139( 1 ): 11-18.
  • Esmatjes Mompó E, Ricart Brulles M. Diabetes y trasplante de páncreas. Nutr. Hosp. 2008; 23( Suppl 2 ): 64-70.
  • Muñoz-Bellvís L. The odd situation of pancreas transplantation in Spain. Nefrologia. 2019 Sep-Oct;39(5):455-457.
  • Jiménez-Romero C, Marcacuzco Quinto A, Manrique Municio A, Justo Alonso I, Calvo Pulido J, Cambra Molero F et al. Simultaneous pancreas-kidney transplantation. Experience of the Doce de Octubre Hospital. Cir Esp. 2018 Jan;96(1):25-34.
  • Montiel MC, Pardo F, Rotellar F, Valentí V, Pastor C, Alvarez Cienfuegos J. Trasplante pancreático [Pancreatic transplant]. An Sist Sanit Navar. 2006;29 Suppl 2:113-24.