Veja como alimentar o seu espaço vital

25 de outubro de 2019
Através de nossas reações e linguagem corporal, enviamos sinais para aqueles que nos rodeiam sobre o quanto eles podem entrar em nosso espaço vital sem serem invasivos.

Para um desenvolvimento interior completo de todas as facetas que fazem parte da vida de uma pessoa, precisamos nos conectar com outras pessoas e conosco. Esse relacionamento íntimo consigo mesmo se desenvolve em um espaço vital. Hoje ensinaremos a você como alimentá-lo.

Os abraços alimentam o espaço vital

Abraços para alimentar o espaço

Uma das maneiras de mostrarmos às pessoas ao nosso redor que elas têm nossa confiança são os abraços. O fato de permitir que outra pessoa entre em nosso espaço é um sinal de afeto, cumplicidade e amizade. Assim, o abraço é um símbolo de união e respeito.

As pessoas, através do contato físico, abrem e expandem seu espaço vital. Durante essa interação, podem transmitir muita informação. E, assim, podem aprender e conhecer parte da personalidade da outra pessoa com um único abraço.

Existem abraços intensos e vitais que podem ocorrer entre duas pessoas que não se veem há muito tempo. E, por exemplo, existe um abraço tímido ou apenas sem contato, no qual você não confia por inteiro. Há também abraços fraternos ou com forte vibração de amor e carinho entre dois amantes.

Conheça os 6 surpreendentes benefícios dos abraços

Linguagem corporal adequada

Para alimentar nosso espaço vital, precisamos transmitir através de nossa linguagem corporal que somos receptivos. Assim, um simples aperto de mão pode criar novos laços de amizade, mais além do protocolo ou do início de um relacionamento sentimental. Todas as mensagens que transmitimos com o nosso corpo são tão eficazes quanto a própria conversa.

Através da linguagem corporal, mostramos o tipo de confiança que permitimos em nosso espaço vital. Por exemplo, quando se trata de se tocar enquanto conversamos ou segundo a distância que mantemos enquanto conversamos com a outra pessoa.

A distância é maior quando não permitimos essa proximidade ao nosso espaço vital ou nos sentimos invadidos. Por isso, para manter uma barreira, geralmente cruzamos os braços ao falar ou apontamos para outra direção com os pés.

A casa é a extensão da nossa personalidade

Feng shui para harmonizar o espaço

A casa onde moramos é carregada com a nossa energia. É a extensão do nosso espaço vital, onde nos mostramos como realmente somos. Nossa casa está cheia de opções pessoais como, por exemplo: cores, decoração, iluminação, ordem, lembranças fotográficas, etc. Isso a transforma na essência de quem somos.

Assim, é conveniente que cada membro da família tenha um espaço pessoal para crescer como pessoa e aprender a ser independente e autossuficiente. Assim, garantimos que todos tenham seu próprio espaço definido.

Já há milhares de anos, o feng shui nos ensina como harmonizar o espaço da nossa casa escolhendo objetos e a importância da orientação nos pontos cardeais. Assim, a energia que é criada e entra em nosso espaço vital se torna parte de nós mesmos. Com o resultado de um maior bem-estar para quem o habita.

Descubra: Como o Feng Shui pode contribuir com a vida humana

O relacionamento em nosso espaço vital

Com nosso parceiro, compartilhamos nosso espaço vital. O fato de dormir na mesma cama, de dar as mãos ou compartilhar o mesmo garfo para experimentar o nosso prato, por exemplo, são detalhes que mostram como abrimos nosso espaço vital.

O relacionamento é ou deveria ser nossa própria extensão e vice-versa. A ponto de, em muitos casos, adotarmos comportamentos miméticos ou muito semelhantes, tanto gestuais quanto na maneira de falar.

Assim, esse sentimento de amor e união, em geral, facilita a passagem do espaço individual para um único espaço compartilhado. No entanto, é essencial que todos possamos manter nossa própria liberdade e espaço pessoal.

Qual é o seu espaço vital?

Em geral, o espaço vital entre estranhos é estabelecido, em média, entre 40 e 60 cm na distância do rosto. Porém, em um maior grau de confiança, menor é a barreira à qual permitimos que eles se aproximem de nós.

Por fim, é interessante fazer o experimento de auto-observação por um dia e analisar quais pessoas atravessam a barreira do nosso espaço vital. Como eles nos fazem sentir? Sentimos falta de que alguém esteja mais perto?