Os 5 tipos de ondas cerebrais

Você conhece os diferentes tipos de ondas cerebrais? Saiba o que são e conheça suas características a seguir.
Os 5 tipos de ondas cerebrais

Última atualização: 03 Novembro, 2021

O cérebro humano é um dos grandes mistérios da humanidade. Embora não saibamos muito sobre ele, também é correto afirmar que entendemos muito bem algumas das suas funções. Sabemos, por exemplo, que ele é mais bem definido como um órgão eletroquímico. Prova disso são os tipos de ondas cerebrais sobre os quais falaremos a seguir.

Todos nós sabemos que o cérebro gera impulsos elétricos continuamente. A analogia de que ele usa tanta energia quanto uma lâmpada de 10 watts é familiar (e discutível, a propósito). Ele faz tudo isso por meio de diferentes tipos de ondas cerebrais. Se você quer entender o que elas são e com quais processos estão relacionadas, continue lendo este artigo.

O que são as ondas cerebrais?

Os tipos de ondas cerebrais e a sua utilidade
As ondas cerebrais são um registro da atividade elétrica do cérebro, e permitiram aos seres humanos estudar em profundidade o funcionamento desse órgão.

Você não vai entender quais são os tipos de ondas cerebrais se não entender primeiro o que é uma onda cerebral em si. A chave está nos neurônios. Todas as suas emoções, pensamentos e ações são possíveis graças a eles.

Os neurônios são células do sistema nervoso que respondem a estímulos por meio de um impulso nervoso. Eles formam uma ampla rede no cérebro e em outras partes do corpo. Um adulto médio tem 86 bilhões de neurônios. Todos esses geram ou recebem impulsos nervosos que governam o que você pensa, sente ou faz.

As ondas cerebrais nada mais são do que os impulsos elétricos sincronizados de uma cadeia de neurônios. Nem todas as ondas são iguais, pois diferem em velocidade ou frequência. Podemos medi-las com a ajuda de um eletroencefalograma, colocando sensores no couro cabeludo.

Todos os tipos de ondas cerebrais são medidos em hertz (Hz). Um hertz é uma unidade que mede a frequência de uma onda com base em ciclos por segundo. Por exemplo, cinco hertz são cinco ciclos em um segundo. Em termos muito simples, as ondas cerebrais são o reflexo da função do sistema nervoso central naquele momento.

5 tipos de ondas cerebrais

Agora que você tem uma ideia geral do que é uma onda cerebral, pode entender melhor quais são seus tipos. A atividade do seu cérebro varia de acordo com a atividade que você está realizando.

Por exemplo, o cérebro manifesta ondas diferentes quando você está quieto e em repouso e quando está ativo e falando. Vejamos os 5 tipos de ondas cerebrais.

1. Delta

São as ondas cerebrais mais lentas, de maior amplitude e de menor frequência. Eles variam entre 1 e 3 Hz, embora às vezes possam chegar a 4 Hz. São as ondas características de quando dormimos e foram classificadas pela primeira vez em 1930 graças a Gray Walter.

Elas se manifestam principalmente no estágio 3 do sono e passam a dominar quase todo o cérebro no estágio 4 (veja as fases do sono). Elas se originam no tálamo ou no córtex e, segundo os pesquisadores, existem diferenças na produção em termos de homens e mulheres (entre os 30-40 anos, as mulheres produzem mais).

2. Theta

As ondas cerebrais theta são aquelas que oscilam entre 4 e 8 Hz. Elas estão associadas aos estágios 1 e 2 do sono, então se desenvolvem quando você está sonhando ou até meditando. Esses não são os únicos contextos nos quais você pode desenvolver ondas theta, pois elas também podem aparecer diante de atividades automáticas.

Por exemplo, ao escovar os dentes, pentear o cabelo e até fazer exercício (quando se trata de um movimento repetitivo, automático e sem perigos ou surpresas). Ou seja, aqueles estados que estão bem no meio do caminho entre a vigília e os sonhos. Simplificando, aquelas coisas que você faz no piloto automático.

3. Alfa

Começamos lentamente a colocar de lado as ondas associadas ao sono e dar as boas-vindas às envolvidas na vigília. As ondas cerebrais alfa são aquelas que agem como uma dobradiça. Elas variam entre 8 e 12 Hz e aparecem quando você está relaxado, mas ainda está acordado e em uma situação de alerta potencial.

Elas se originam no lobo occipital e, segundo alguns pesquisadores, estão relacionadas a ideias ou processos criativos. Você desenvolve ondas alfa quando fecha os olhos silenciosamente e pensa em algo relaxante. Você está acordado e atento a um estímulo externo, mas ao mesmo tempo desconectado o suficiente para se deixar levar pela mente.

4. Beta

Mulher pensativa no trabalho
Ao estar concentrado em alguma atividade de trabalho, é normal que as ondas beta apareçam com mais frequência.

Estes são tipos de ondas cerebrais que aparecem durante a vigília. Elas oscilam entre 13 e 38 Hz e estão relacionadas a estados de consciência plena. Quando você está se concentrando em algo, desenvolvendo algum tipo de atividade intelectual (ler, estudar, construir) ou tomando uma decisão, você manifesta essas ondas cerebrais.

Às vezes, elas são divididas em três subtipos: beta 1, 2 e 3. Por exemplo, uma pessoa com transtorno de ansiedade generalizada desenvolverá um número incomum de ondas cerebrais beta 2 e 3, de modo que não poderão ser mantidas por muitas horas sem causar consequências (como estresse ou fadiga).

5. Gama

Por último, encontramos as ondas cerebrais gama. Elas são as mais rápidas e de maior frequência. Variam entre 39 e 42 Hz e estão relacionadas a processos de ativação em diferentes partes do cérebro. São pensadas para modular a percepção e a consciência, embora também se desenvolvam diante de atividades muito complexas (resolver quebra-cabeças matemáticos, por exemplo).

Sabe-se que elas se desenvolvem por volta dos 4-5 anos de idade e estão associadas ao estado de alerta ou estimulação sensorial (como a epilepsia). Além disso, a função dessas ondas é desconhecida. Alguns pensam que são um subproduto, outros que envolvem mecanismos mais complexos que ainda não conhecemos.

Estes são os 5 tipos de ondas cerebrais que desenvolvemos de acordo com o contexto. Como você pode ver, nenhuma delas é de 0 Hz, pois isso está associado à morte encefálica (já que nenhum sinal elétrico é produzido). Embora haja alguma controvérsia sobre isso, acredita-se que podemos controlar as ondas cerebrais por meio da retroalimentação eletroencefalográfica.

Esse tipo de tratamento ainda está em experimentação e os resultados devem ser assimilados com cautela. Uma vez que alguns estados ou fases das ondas cerebrais estão relacionados a certos comportamentos (ansiedade, insônia, déficit de atenção, hipervigilância e assim por diante), este é um campo produtivo a ser explorado.

Pode interessar a você...
Vitaminas do complexo B para um cérebro jovem
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Vitaminas do complexo B para um cérebro jovem

As vitaminas são importantes para todo o organismo, mas as vitaminas do complexo B são essenciais para manter o cérebro jovem e saudável.



  • Ehlers, C., & Kupfer, D. Slow‐wave sleep: do young adult men and women age differently?. Journal of sleep research. 1997; 6(3): 211-215.
  • Hughes, J. R. Gamma, fast, and ultrafast waves of the brain: their relationships with epilepsy and behavior. Epilepsy & Behavior. 2008; 13(1): 25-31.
  • Lustenberger, C., Boyle, M. R., Foulser, A. A., Mellin, J. M., & Fröhlich, F. Functional role of frontal alpha oscillations in creativity. Cortex. 2015; 67: 74-82.