4 coisas que você pode fazer para fortalecer seu cérebro

Fortalecer o cérebro é possível se for feito de maneira adequada. Incluir um estilo de vida saudável é uma das melhores maneira de torná-lo possível.
4 coisas que você pode fazer para fortalecer seu cérebro

Última atualização: 22 Maio, 2021

O cérebro humano é um órgão que, desde a juventude até a velhice, muda e se adapta constantemente. Isso significa que, caso receba a estimulação correta, é possível aumentar a capacidade cognitiva, aprender coisas novas e melhorar a memória. No entanto, para fortalecer o cérebro, é necessário incorporar alguns hábitos e exercícios diários.

O cérebro, certamente, se parece muito com qualquer músculo do corpo. Caso não seja usado e fortalecido com regularidade, atrofia-se e perde sua capacidade funcional. Melhorar a qualidade de vida está suas mãos. Assim sendo, poderá fortalecer o cérebro com mais facilidade e poderá expandir sua mente.

O que se pode fazer para fortalecer o cérebro?

Caso deseje manter o cérebro forte, considere os seguintes conselhos. Tome nota, já que podem fazer a diferença!

1. Para fortalecer seu cérebro: reduza o estresse

meditar para fortalecer o cérebro
O estresse causa distúrbios no cérebro, aumentando seu envelhecimento.

A primeira de nossas dicas para fortalecer o cérebro é reduzir o estresse. Alguns estudos como o publicado em 2017 pela revista Science mostraram que sofrer estresse quando somos jovens nos tornará mais suscetíveis ao estresse no futuro, e ainda mais: isso será acompanhado por uma suscetibilidade em uma parte específica de nosso cérebro.

Uma das maneiras de evitar o estresse é praticando a meditação e a atenção plena. Na verdade, você não precisa de muito tempo, 10 ou 20 minutos por dia serão suficientes. Também pode envolver a prática de exercícios focados na respiração, meditação ou ioga.

2. Exercícios de treinamento cognitivo

A mente se mantém nítida quando a plasticidade do cérebro é trabalhada. O último é a capacidade de nosso cérebro de regenerar seus neurônios. É uma condição que você pode manter, e até melhorar, participando de exercícios de treinamento cognitivo.

Isso é confirmado por estudos como o publicado em 2009 pelo Journal of the American Geriatrics SocietyNesta pesquisa, o programa experimental baseado na plasticidade cerebral melhorou a memória e a atenção dos participantes.

Além disso, você pode retornar à escola ou aprender um novo idioma. Até os jogos de tabuleiro ajudam a estimular o raciocínio e a coordenação motora. Esses hobbies podem fornecer a capacidade de promover efetivamente o pensamento e a coordenação.

Outras coisas simples que você pode fazer são escrever com a mão oposta, manipular objetos difíceis, aprender novas direções, etc. 

3. Um bom descanso

Um bom descanso ajuda a fortalecer o cérebro
O cérebro precisa dormir e descansar para reorganizar sua estrutura e nos manter saudáveis.

O descanso é essencial para um cérebro forte e o fato de não dormir o suficiente pode afetar nossa função cognitiva. Note que se considera que a reparação e o crescimento do cérebro ocorrem enquanto as pessoas dormem.

Isso é confirmado por investigação realizada por um grupo de pesquisadores da Universidade de Berkeley, na Califórnia. Segundo este estudo, um bom descanso é a chave para coordenar a codificação, consolidação e integração das nossas memórias.

Da mesma forma, é essencial que o sono se torne uma prioridade para quem quer ter um cérebro forte. Mesmo para os idosos. Isso ocorre porque a melatonina, uma substância natural com propriedades reguladoras do sono, diminui com o passar dos anos.

4. Cuide de seu corpo para cuidar da mente

Em último lugar, sugerimos que, caso queira cuidar da mente, primeiro deve começar por cuidar do corpo. Isso significa que, caso queira fortalecer o cérebro, deverá começar trabalhando a saúde física.

Seja sair para caminhar, incorporar alimentos mais saudáveis à dieta ou renunciar qualquer mau hábito, como o consumo de álcool ou tabaco, beneficiará a saúde de sua mente. É certo que alguns destes poderão ser mais difíceis do que outros, contudo, seu cérebro agradecerá.

Pesquisas como a publicada em 2007 pela revista Medicine and Science in Sports and Exercise mostram que quem pratica comportamentos saudáveis, como praticar exercícios regularmente e manter uma alimentação adequada, é menos suscetível aos declínios cognitivos associados ao processo de envelhecimento.

Por fim, lembre-se de que fortalecer o cérebro implica incorporar bons hábitos à sua rotina e evitar levar uma vida sedentária. Ao usar constantemente seu cérebro de novas maneiras e desafiá-lo, você permitirá que ele permaneça saudável. Nós convidamos você a desafiar seu cérebro!

Pode interessar a você...
Descubra os benefícios de ler à noite para o cérebro
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Descubra os benefícios de ler à noite para o cérebro

Existem muitos benefícios de ler a noite que são de grande ajuda para o cérebro. Todos sabem que ler é algo bem importante, mas o que há em nosso c...



  • Romero, R, Cueva, H, Barboza, L. La gimnasia cerebral como estrategia para el desarrollo de la creatividad en los estudiantes. Omnia [Internet]. 2014;20(3):80-91. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=73737091006
  • Velásquez Burgos, BM, Remolina de Cleves, N, Calle Márquez, MG. EL CEREBRO QUE APRENDE. Tabula Rasa [Internet]. 2009;(11):329-347. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=39617332014
  • Ferris, L. T., Williams, J. S., & Shen, C. L. (2007). The effect of acute exercise on serum brain-derived neurotrophic factor levels and cognitive function. Medicine & Science in Sports & Exercise, 39(4), 728-734.
  • Peña, C. J., Kronman, H. G., Walker, D. M., Cates, H. M., Bagot, R. C., Purushothaman, I., … & Goodman, E. (2017). Early life stress confers lifelong stress susceptibility in mice via ventral tegmental area OTX2. Science, 356(6343), 1185-1188.
  • Smith, G. E., Housen, P., Yaffe, K., Ruff, R., Kennison, R. F., Mahncke, H. W., & Zelinski, E. M. (2009). A cognitive training program based on principles of brain plasticity: results from the Improvement in Memory with Plasticity‐based Adaptive Cognitive Training (IMPACT) Study. Journal of the American Geriatrics Society, 57(4), 594-603.
  • Walker, M. P. (2009). The role of sleep in cognition and emotion. Annals of the New York Academy of Sciences, 1156(1), 168-197.
  • Ferris, L. T., Williams, J. S., & Shen, C. L. (2007). The effect of acute exercise on serum brain-derived neurotrophic factor levels and cognitive function. Medicine & Science in Sports & Exercise, 39(4), 728-734.