Tenho sono mas não consigo dormir

18 de julho de 2019
Para abordar os distúrbios do sono, é importante considerar os fatores que estão contribuindo com eles. É necessário fazer uma mudança de comportamento e hábitos inadequados.

Por que estou com sono mas não consigo dormir? Se você já viveu essa experiência, já experimentou alguns dos distúrbios do sono. Vamos conhecê-los melhor neste artigo.

A insônia é um dos distúrbios do sono mais frequentes na população em geral. Consiste em uma redução na capacidade de dormir. Além disso, pode se manifestar de várias maneiras que levam a diferentes tipos de insônia.

Tipos de insônia de acordo com a sua origem

Tenho sono mas não consigo dormir

De acordo com a origem do distúrbio do sono, a insônia é classificada da seguinte forma:

1. Primária

Neste tipo de insônia você não consegue encontrar uma causa clara responsável pelo distúrbio do sono. 10% da população sofre desse distúrbio. Além disso, este tipo de insônia também pode ser subdividido em diferentes subtipos, dependendo da manifestação e origem do problema:

  • Insônia idiopática: origina-se na infância e parece relacionada a um aprendizado incorreto do hábito de dormir.
  • Insônia psicofisiológica: caracteriza-se por um alto nível de ativação psicofisiológica associada ao início do sono. A pessoa que a sofre geralmente manifesta uma grande preocupação com o problema do sono, fazendo grandes esforços para tentar dormir todas as noites.

2. Insônia Comórbida

É a insônia com uma causa clara. Além de tratá-la, devemos considerar o que a origina, os distúrbios que a acompanham e, além disso, suas consequências.

Também pode te interessar ler: Os 3 melhores remédios naturais para aliviar a insônia

Transtornos do sono de acordo com a duração

1. Insônia transitória ou aguda

Homem cansado e com sono

A insônia aguda é a que dura menos de 1 mês. É a mais frequente e difundida na população. Geralmente está associada a fatores estressantes, que são o que a desencadeiam.

Alguns desses fatores são, por exemplo, mudanças bruscas de horário e problemas familiares, profissionais ou pessoais. O sono volta ao normal quando a fonte de estresse desaparece.

2. Insônia de curto prazo ou subaguda

Esta insônia dura entre 1 e 3 meses. Ocasionalmente, está relacionada a eventos estressantes da vida.

Geralmente, as situações que a originam são mais duradouras no tempo. Entre elas estão, por exemplo, a perda de um ente querido, um término de relacionamento ou uma doença grave.

Além disso, o afetado tem que lidar com outros tipos de problemas, como ansiedade, estresse e desânimo.

3. Insônia de longo prazo ou crônica

A pessoa que a sofre tem dificuldade para iniciar ou manter o sono. Assim, essa situação afeta seu funcionamento durante o dia.

Estes problemas para iniciar o sono ou dormir sem interrupções durante a noite, acontecem mais de 3 vezes por semana e duram pelo menos 3 meses.

As pessoas afetadas não apenas dormem de maneira insuficiente ou pouco satisfatória, mas também apresentam dificuldades durante o dia a nível emocional, mental e físico.

Transtornos do sono de acordo com os sintomas

Homem dormindo no trabalho

1. Insônia inicial

Entre os distúrbios do sono, está aquele apresentado por pessoas com dificuldades em adormecer na hora de deitar. Este tipo de insônia inicial é mais frequente em jovens.

Além disso, geralmente aparece ligada a problemas médicos, ao consumo de substâncias ou a problemas psicológicos ou psiquiátricos como, por exemplo, transtornos de ansiedade.

2. Intermediária ou manutenção do sono

Esta classe de insônia é caracterizada pela dificuldade em permanecer dormindo. Isso faz com que o sono seja interrompido e a pessoa afetada acorde muitas vezes ou por períodos prolongados.

Leia também: 7 orientações para combater a insônia produzida pela ansiedade

3. Insônia terminal

A insônia terminal ocorre de manhã e faz com que a pessoa madrugue sem querer. Normalmente, o último despertar ocorre pelo menos 2 horas antes do habitual. Quando isso acontece, a pessoa afetada não consegue adormecer novamente.

A insônia terminal é aquela que normalmente acompanha o transtorno depressivo.

Conclusão sobre os distúrbios do sono

Por fim, para abordar os distúrbios do sono, como a insônia, é importante considerar os fatores que estão contribuindo para eles.

Por isso, é necessário fazer uma mudança de comportamento e hábitos inadequados.

Além disso, também devemos mudar os pensamentos errados que aumentam a preocupação e reduzem a alta ativação emocional.

  • Barriga Hernández, F. J., Barón Rubio, M., Dobato Ayuso, J. L., & Pareja Grande, J. A. (2013). Trastornos del sueño. Medicine – Programa de Formación Médica Continuada Acreditado. https://doi.org/10.1016/s0304-5412(03)71015-4

  • Miró, E., Cano-Lozano, C., & Buela-Casal, G. (2005). SUEÑO Y CALIDAD DE VIDA. Revista Colombiana de Psicología.

  • Ortiz, M., Mora, S., Galindo, C., & Herráez, F. (2007). Alteraciones del sueño en los trastornos psiquiátricos. Revista Colombiana de Psiquiatría.