Técnica japonesa para eliminar o estresse

· 4 de junho de 2017
Além de aproveitar as massagens localizadas, para aliviar o estresse também podemos recorrer a outras técnicas de relaxamento que ajudem a nos conectar com nosso eu interior.

Os compromissos, as pressões, as preocupações, o estresse, os problemas… tudo se combina de maneira negativa em nosso corpo e nos sentimos cansados, sem vontade de fazer nada ou irritáveis.

O estresse é tão comum que parece uma regra, e não uma exceção em nossas vidas.

A boa notícia é que existem técnicas para eliminá-lo em poucos minutos. Neste artigo, falaremos sobre elas.

Método japonês contra o estresse

o estresse

Quando o corpo considera que algo está interferindo ou que existe um perigo iminente, ele reage. Basicamente, é assim que funciona o estresse.

Em doses pequenas, ele é bom para a saúde. Mas, como se diz popularmente, “os excessos são prejudiciais”.

Estar estressado se traduz em sofrer dores tanto físicas quanto emocionais. As causas são variadas, embora ultimamente o trabalho e as obrigações sejam as mais comuns.

Para reduzir o estresse e suas consequências, podemos tirar proveito de uma técnica japonesa muito eficaz que podemos praticar em qualquer momento do dia.

Ela é baseada em uma arte oriental chamada “Jin Shin Jyutsu” (“a arte da felicidade”) e só tomará cinco minutos.

A filosofia nipônica indica que todos os pontos do corpo estão relacionados entre si. Por isso, esse exercício é realizado nas mãos.

Não se esqueça de ler: 5 remédios naturais para controlar a ansiedade

A ideia é a seguinte: cada dedo se conecta com um ou mais órgãos e emoções. Portanto, devemos trabalhar unicamente naquele que pode enviar a mensagem energética à área afetada.

É muito simples:

  • Aplique pressão por 3 minutos na ponta do dedo ou dos dedos que se relacionem ao problema ou sentimento que estiver experimentando.
  • Comece com a mão direita e repita com a esquerda.
  • Por exemplo, se o dedo médio é o que pode ajudá-lo, envolva-o com o punho fechado da outra mão e pressione-o o mais forte que puder (sem chegar a doer).

Como saber qual dedo está conectado a cada emoção e órgão? Detalharemos a seguir:

Dedo polegar

Os órgãos implicados são o estômago e o baço, e as emoções são ansiedade, depressão e preocupação.

Em relação aos sintomas, destacamos as dores de cabeça e abdominais, o nervosismo e os problemas da pele.

Dedo indicador

o estresse

Os rins e a bexiga são os órgãos afetados, enquanto o medo e a confusão são as emoções. Portanto, se você sente dores musculares ou problemas no sistema digestivo, deve pressionar esse dedo.

Dedo médio

Ao aplicar a técnica nesse dedo, podemos melhorar o fígado e a vesícula. Em relação aos sentimentos: raiva, ira e irritabilidade.

Os sintomas de desequilíbrio são dores de cabeça e menstruais, fadiga, problemas sanguíneos e oculares.

Dedo anelar

Conecta-se com os pulmões e o cólon. Quando nos sentimos tristes, pessimistas ou temos problemas respiratórios (como a asma) ou má digestão devemos trabalhar com esse dedo.

Dedo mindinho

Está relacionado ao coração e ao intestino delgado. Pressione esse dedo se você tem problemas ósseos ou se sentir fadiga e mau humor.

Mais técnicas japonesas para dizer adeus ao estresse

Metade da população mundial sofre de estresse, e isso causa uma baixa produtividade no trabalho e problemas nas relações interpessoais.

Além disso, estar estressado é ruim para a saúde e pode causar doenças graves como, por exemplo, um ataque cardíaco.

Recomendamos que, além de fazer a técnica dos dedos, você reduza o estresse aproveitando também os benefícios destas outras técnicas orientais.

Banho de floresta

o estresse

Shinrin Yoku é o nome original e consiste, basicamente, em caminhar em um ambiente natural utilizando os cinco sentidos.

Isso significa tocar em árvores e plantas, respirar o ar puro e o aroma das flores, escutar o canto dos pássaros e o vento movendo as folhas, observar a paisagens e comer frutas permitidas.

Para desfrutar essa experiência e para que seja benéfica, seria bom praticá-la várias vezes por semana com duração de, pelo menos, uma hora.

Se você vive em uma cidade grande, talvez isso seja mais difícil. Mas sempre há um parque urbano para ajudá-lo.

Você também pode aproveitar os finais de semana para ir um pouco mais longe e descansar mais profundamente. Estar em contato com a natureza faz bem à saúde.

Não leve nenhum aparelho eletrônico (nada de redes sociais ou de checar o e-mail) e pense em qualquer coisa que não seja trabalho, problemas ou más notícias.

Os passeios reduzirão os níveis do hormônio cortisol e de ansiedade, regularão a pressão sanguínea e fortalecerão seu sistema imunológico.

Quer saber mais? Leia também: 7 maneiras de melhorar seu humor de forma natural

Reiki

Trata-se de uma terapia que serve para estimular certos pontos do corpo e que permite canalizar a energia positiva.

Dessa maneira, é possível alcançar a harmonia tanto interna quanto externa e, como consequência, se reduzem o estresse, a ansiedade e o nervosismo.

Essa prática espiritual deriva do budismo e se baseia na força vital chamada ki.

  • Para aproveitar seus benefícios, você deve consultar um professor ou especialista em reiki.
  • Uma sessão pode durar 45 minutos e em todo este tempo você estará deitado em uma cama, ouvindo música suave e respirando essências ou incensos.
o estresse

  • O especialista posiciona as mãos perto dos chakras para que a energia flua. O relaxamento e a sensação de paz são tamanhos que muitos dizem se sentir “flutuando”.
  • Aconselhamos que você faça uma sessão por semana ou o número de vezes indicado pelo especialista para continuar o tratamento antiestresse.

Certamente, existem outras técnicas para eliminar o estresse. É o caso da ioga, da meditação e até do aikido, uma arte marcial que fomenta a serenidade mental e rejeita a violência.

  • Lamke, D., Catlin, A., & Mason-Chadd, M. (2014). “Not Just a Theory”: The Relationship Between Jin Shin Jyutsu® Self-Care Training for Nurses and Stress, Physical Health, Emotional Health, and Caring Efficacy. Journal of Holistic Nursing. https://doi.org/10.1177/0898010114531906