Relação entre a obesidade e as glândulas endócrinas

21 de dezembro de 2019
A obesidade é uma doença intimamente ligada ao funcionamento das glândulas endócrinas. Pacientes obesos geralmente apresentam resistência à insulina, embora normalmente não desenvolvam hiperglicemia.

A obesidade é uma doença que está associada a anormalidades significativas nas glândulas endócrinas. A hiperinsulinemia e a resistência à insulina são as duas alterações mais conhecidas, embora seus mecanismos de ação e significado clínico não sejam claros.

A obesidade é definida como um excesso de gordura corporal. Seu manejo clínico é complexo e geralmente apresenta resultados ruins. Enquanto isso, a obesidade abdominal ou obesidade central reflete a quantidade de gordura visceral e está diretamente relacionada à resistência à insulina e a eventos cardiovasculares.

Tanto a obesidade quanto o excesso de peso envolvem uma série de alterações endócrinas e metabólicas. Pensa-se que a maioria das alterações seja secundária à obesidade, pois pode ser induzida com a superalimentação e eliminada com a perda de peso.

O que são as glândulas endócrinas?

Exame das glândulas

As principais glândulas do sistema endócrino são o hipotálamo, a hipófise, a tireoide, as glândulas paratireoides, o pâncreas, as glândulas suprarrenais e as gônadas (testículos no homem e ovários na mulher).

Essas glândulas endócrinas secretam substâncias químicas chamadas hormônios nas situações necessárias. Essas substâncias regulam um grande número de atividades celulares, como as seguintes:

  • Crescimento
  • Metabolismo
  • Desenvolvimento
  • Função sexual

A obesidade e as glândulas endócrinas

Glândula tireoide

A alteração endocrinológica mais característica da obesidade é o aumento da secreção de insulina. Pessoas obesas aumentaram os níveis de insulina. Em particular, a secreção de insulina basal e integrada de 24 horas é três ou quatro vezes maior em indivíduos obesos do que em indivíduos magros.

Tanto a obesidade quanto a diabetes mellitus do tipo 2 estão associados à resistência à insulina. No entanto, a maioria dos obesos resistentes à insulina não desenvolve hiperglicemia.

Em suma, o hiperinsulinismo é comum na obesidade. Por outro lado, a resistência à insulina é característica quando há um grande ganho de peso.

Leia também: Descubra como você pode combater a obesidade em crianças

A obesidade e a glândula pituitária

Como sabemos, a glândula pituitária é uma das principais glândulas endócrinas do corpo. Na obesidade, a alteração mais clara do funcionamento dessa glândula está relacionada ao hormônio do crescimento ou GH.

A secreção desse hormônio depende principalmente da interação entre a somatocrinina (GHRH) e a somatostatina (GIH). Nos casos de obesidade, há uma diminuição na secreção de GH.

Em crianças e adultos, quanto maior a taxa de massa corporal, menor a resposta do hormônio do crescimento a diferentes estímulos secretores. Assim então, foi demonstrado que, para cada unidade de índice de massa corporal – ou IMC – em uma determinada idade, a secreção de GH diminui em até 6%.

A obesidade nas gônadas

Homem com obesidade

Em primeiro lugar, devemos diferenciar entre as gônadas femininas, que são os ovários, e as gônadas masculinas, ou seja, os testículos.

Quanto à relação entre obesidade e glândulas endócrinas, essa doença se manifesta nas mulheres como uma série de condições que precedem anormalidades metabólicas, como a pré-diabetes, diabetes e as doenças cardiovasculares. Essas anomalias incluem:

  • Menarca precoce.
  • Infertilidade
  • Síndrome dos ovários policísticos.

Por outro lado, no final da vida reprodutiva de uma mulher a cessação da função ovariana também está associada ao desenvolvimento da obesidade. Isso ocorre porque a menopausa precipita o ganho de peso abdominal, que está associado a inúmeras consequências metabólicas adversas.

Quanto aos homens, a obesidade está relacionada à redução da testosterona total. Os fatores patogênicos que intervêm na diminuição da capacidade de união da globulina fixadora de hormonas sexuais, na redução da amplitude dos pulsos de LH ou hormônio “luteinizante” e na hiperestrogenemia. O LH no homem é o hormônio que regula a secreção de testosterona. Este age nas células dos testículos e estimula a produção de testosterona.

Você pode se interessar em ler: 5 coisas que provocam desequilíbrios hormonais sem você saber

A obesidade e a glândula adrenal

Devido à relação entre obesidade, distribuição central de gordura e hipercortisolemia, muitos estudos tentaram determinar se o cortisol desempenha um papel relevante no desenvolvimento da obesidade na população em geral.

Por exemplo: em mulheres obesas com distribuição da gordura abdominal, os níveis de cortisol liberado na urina aumentam significativamente em comparação com as mulheres sem esse problema. Esses resultados, portanto, sugerem que essas mulheres apresentam hiperatividade no eixo hipotálamo-hipófise-adrenal.

  • Centre, W. media. (2015). Obesidad y Sobrepeso. WHO Web. https://doi.org/http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/es/
  • Bastidas Gloria. (2016). ¿ Que es el Sistema Endocrino?
  • Marcano, Y., Torcat, J., Ayala, L., Verdi, B., Lairet, C., Maldonado, M., & de Vegas, J. (2006). Funciones endócrinas del tejido adiposo. Revisión. Rev. Venez. Endocrinol. Metab.