3 recomendações para reduzir a ingestão de sódio

02 Novembro, 2020
Você foi diagnosticado com hipertensão e recomendaram que reduzisse o teor de sódio da sua dieta? A seguir, confira 3 dicas para conseguir fazer isso.

Para muitas pessoas, reduzir a ingestão de sódio é uma tarefa inevitável, pois sua saúde cardiovascular depende disso. Este mineral é um dos mais abundantes no organismo e desempenha funções tão importantes quanto garantir a transmissão do impulso nervoso.

No entanto, sua ingestão em excesso está associada a um mau prognóstico nos indivíduos com hipertensão. Portanto, vamos fornecer uma série de recomendações para reduzir esse mineral na dieta. Se você as colocar em prática, verá como vai melhorar a sua saúde a médio e longo prazo.

No entanto, essas dicas devem ser seguidas por quem tem problemas com o consumo desse mineral. No caso de atletas ou pessoas expostas a um alto índice de suor, as indicações podem ser diferentes.

Como reduzir a ingestão de sódio?

A seguir, apresentaremos abordagens alimentares que o ajudarão a reduzir a presença de sódio na dieta. Lembre-se de que, se você tiver dúvidas sobre a necessidade de restringir a ingestão desse mineral, a melhor opção é sempre consultar um especialista, que poderá ajudá-lo a planejar uma dieta adequada.

1. Cuidado com os alimentos em conserva

Os alimentos em conserva ou enlatados são uma boa opção para consumir produtos fora da estação ou para aumentar sua vida útil. Eles são uma forma prática e conveniente de consumir certos vegetais ao longo do ano.

As leguminosas enlatadas, por exemplo, se enquadram no que é classificado como processado saudável. Seu consumo regular garante um suprimento adequado de fibras, o que está diretamente relacionado a uma melhor saúde intestinal. É o que afirma uma pesquisa publicada no International Journal of Clinical Practice, que defende esse tipo de alimento quando se trata de reduzir os problemas de trânsito intestinal, principalmente em idosos.

No entanto, os vegetais em conserva costumam conter altas doses de sódio, o que pode ser prejudicial para certas pessoas. Os especialistas relacionam a ingestão alimentar desse mineral com o aumento da pressão arterial, embora os artigos científicos mais recentes mostrem algumas divergências a esse respeito. De qualquer forma, até que se certifique o contrário, a orientação médica é a de reduzir o sal em hipertensos.

Alimentos em conserva
A quantidade de sódio nos alimentos em conserva é muito elevada e, portanto, prejudicial para os hipertensos.

Para saber mais: 8 razões para evitar a comida processada

2. Reduzir a ingestão de sódio por meio de molhos industrializados

Os molhos industrializados geralmente contêm grandes quantidades de sal. Quando se trata de reduzir a ingestão de sódio, é benéfico retirar esse tipo de alimento da dieta habitual.

Apesar de o pior desses produtos não ser exatamente o seu conteúdo mineral, mas sim sua ingestão calórica excessiva, em alguns casos a presença de lipídios do tipo trans em sua composição é outro fator negativo. Essas gorduras estão associadas a um risco aumentado de desenvolver doenças inflamatórias crônicas, de acordo com um artigo publicado na revista BMJ.

No caso de pensar em consumir um molho, é melhor prepará-lo em casa. Desta forma, conheceremos os ingredientes que o compõem e poderemos escolher a sua origem.

Se você comprar os industrializados, é fundamental estar atento aos rótulos e evitar aqueles que contenham grandes quantidades de sódio, gorduras do tipo trans e aditivos. É bom se informar a esse respeito e consultar as tabelas nutricionais que acompanham as embalagens.

Leia também: 5 substitutos do sal para uma dieta baixa em sódio

3. Fique longe do fast food

As indústrias de fast food costumam adicionar grandes quantidades de sal aos alimentos para melhorar o seu sabor. Por esse motivo, seu teor de sódio é alto.

Além disso, os pratos das redes de fast food contêm aditivos químicos que podem ser prejudiciais à saúde. Esses alimentos tendem a ser fritos ou empanados, o que reduz ainda mais a sua qualidade nutricional.

Ao planejar uma alimentação balanceada e saudável, é fundamental garantir a presença de alimentos frescos e naturais. Ao mesmo tempo, é aconselhável reduzir o consumo de alimentos industrializados, a fim de evitar a contribuição de substâncias que podem ser prejudiciais para o sistema cardiovascular.

Como parte da estratégia de controle da hipertensão, os nutricionistas costumam recomendar um corte drástico no consumo de fast food. Dessa forma, garantem que o paciente não tenha acesso direto a alimentos que dificultam o equilíbrio interno de líquidos, o que leva ao aumento dos valores da pressão arterial.

Fast food
O fast food não é saudável pois possui um alto teor de sal, além de aditivos químicos que melhoram seu sabor e aumentam o seu consumo.

Reduzir a ingestão de sódio pode ser necessário em alguns casos

Se você sofrer de hipertensão arterial, é provável que o especialista recomende a redução da ingestão de sódio na dieta para evitar complicações decorrentes da progressão dessa patologia. Para cumprir essa orientação, é importante que você leve em consideração os conselhos que fornecemos neste artigo.

Lembre-se de que a base de uma alimentação saudável é a variedade e, acima de tudo, o predomínio de vegetais e de produtos frescos e naturais. Procure combinar uma boa alimentação com a prática regular de exercícios físicos para promover um correto estado de saúde.

Finalmente, se você for um atleta e treinar ao ar livre, consulte um nutricionista antes de decidir reduzir a ingestão de sódio na dieta. Caso contrário, você pode colocar em risco seu equilíbrio eletrolítico e, com ele, seu desempenho atlético.

  • Emmanuel A., Mattace Raso F., Neri MC., Petersen KU., et al., Constipation in older people: a consensus statement. Int J Clin Pract, 2017.
  • Pathak CM., Ix JH., Anderson CAM., Woodell TB., et al., Variation in sodium intake and intra individual change in blood pressure in chronic kidney disease. J Ren Nutr, 2018. 28 (2): 125-128.
  • Souza RJ., Mente A., Maroleanu A., Cozma AI., et al., Intake of saturated and trans unsaturated fatty acids and risk of all cause mortality, cardiovascular disease and type 2 diabetes: systematic review and meta analysis of observational studies. BMJ, 2015.
  • Castro-Martínez, María Guadalupe, et al. “Ácidos grasos trans de la dieta y sus implicaciones metabólicas.” Gaceta Médica de México 146.4 (2010): 281-288.
  • Pastor-Zarandona, Omar Alonso, and Juan Manuel Viveros-Paredes. “Ingesta de comida rápida y su influencia en la producción de N-aciletanolaminas involucradas en el ciclo hambre-saciedad.” Revista mexicana de trastornos alimentarios 8.2 (2017): 171-184.
  • Soto, Juan Ramón. “Tratamiento no farmacológico de la hipertensión arterial.” Revista Médica Clínica Las Condes 29.1 (2018): 61-68.
  • Sánchez, Ramiro A., et al. “Guías latinoamericanas de hipertensión arterial.” Revista chilena de cardiología 29.1 (2010): 117-144.