Pitaya, uma fruta rosa exótica

Também conhecida pelo nome de "fruta do dragão", a pitaya é uma planta muito valorizada para o uso ornamental. No entanto, seus frutos comestíveis se tornaram uma escolha gastronômica da moda.

Última atualização: 11 Fevereiro, 2021

A pitaya é o fruto do cacto Hylocerus cacteus. Originária do sul do México e da América Central, existem diferentes variedades desta fruta tropical. Entre elas está a de casca rosada que pode ter a polpa da mesma cor ou branca, com algumas pequenas sementes pretas no seu interior.

Apesar de ter uma aparência exótica, possui um sabor semelhante ao de muitas outras frutas. Algumas pessoas a descrevem como tendo um sabor entre o kiwi e a pera. Tanto para quem está ouvindo falar sobre ela pela primeira vez, quanto para quem a tem entre os seus frutos de consumo regular, a seguir conheceremos mais sobre a sua composição e características.

Propriedades da pitaya e seus benefícios para a saúde

A fruta do dragão despertou o interesse da ciência nos últimos anos devido à sua presença significativa de nutrientes. Alguns de seus efeitos mais importantes foram conhecidos tanto para o nível alimentar quanto para a indústria cosmética. Entre os seus principais benefícios, estão os seguintes.

Antioxidante

Este é um dos principais impactos positivos da pitaya. Como observado há algum tempo, contém diferentes compostos com essa atividade. Os antioxidantes são moléculas que protegem as células do corpo da ação dos radicais livres.

evidências científicas suficientes ligando-os a algumas doenças crônicas, como a artrite, o câncer, a diabetes e as doenças cardíacas. Embora os radicais livres não sejam seus únicos causadores, uma dieta rica em antioxidantes pode ser preventiva.

A pitaya é o fruto de um cacto. Característica da América Central, é encontrada em outros mercados mundiais.

Leia também: 3 vitaminas de cúrcuma ricas em antioxidantes, tão deliciosas que você não vai acreditar nos seus benefícios

Oligossacarídeos com efeito prebiótico

Uma parte do teor nutricional da pitaya é composto por carboidratos. Além da glicose e da frutose, possui quantidades significativas de oligossacarídeos. Estes são cadeias de açúcares mais ou menos longas.

Foi observado que esse tipo de fibra não pode ser degradado pelo suco gástrico e pelas enzimas. Desta forma, chega ao cólon sem ser digerido, onde serve de alimento para as bactérias intestinais. Por isso, pode-se dizer que o consumo de pitaya é capaz de estimular o crescimento de algumas cepas, como as bifidobactérias e os lactobacilos.

Temos muito a aprender sobre a relação entre uma microbiota saudável e uma boa saúde. Atualmente, sabe-se que ela exerce uma influência em algumas situações, como doenças inflamatórias intestinais, síndrome do intestino irritável, obesidade, síndrome metabólica e esteatose hepática não alcoólica.

Fortalece o sistema imunológico

A capacidade do organismo de lidar com agentes patogênicos depende de alguns fatores dietéticos. As células, inclusive as do sistema imunológico, precisam de todos os nutrientes necessários para funcionar de maneira ideal.

Conforme apontado por especialistas, destaca-se o papel da vitamina C e do zinco, ambos presentes na pitaya. Também vale lembrar a vitamina A (neste caso, o betacaroteno, um de seus precursores).

Este nutriente tem a capacidade de prevenir infecções, enquanto o ácido ascórbico suporta diferentes funções celulares do sistema imunológico inato e adquirido. Além disso, boa parte dessas células encontra-se no tecido linfoide associado ao intestino.

A microbiota intestinal interage com estes, portanto, todos os alimentos com efeito prebiótico a mantêm em boas condições e facilitam esse efeito positivo para as defesas.

Aumenta a ingestão de ferro

A fruta do dragão é uma das poucas frutas frescas que fornece uma quantidade considerável de ferro. Como veremos mais adiante, em sua composição nutricional, em cada 100 gramas deste alimento 1,9 mg representam cerca de 10% dos valores diários necessários desse mineral. A existência de vitamina C facilita a sua absorção.

Presença das frutas na dieta

É importante destacar o valor da pitaya como parte do grupo alimentar das frutas. A maioria delas tem características nutricionais positivas. Incluí-las na alimentação diária tem efeitos positivos para a saúde e o bem-estar.

Comer de 3 a 5 porções de frutas e verduras por dia está associado a uma menor incidência de obesidade, de alguns tipos de câncer e de fatores de risco associados a problemas cardiovasculares, como a pressão arterial. Também melhora o estado da microbiota intestinal.

Composição nutricional

Todas as propriedades que a pitaya possui para a saúde se devem a alguns de seus componentes. Seu valor nutricional é semelhante ao da maioria das frutas com alto teor de água, fibras e vitaminas. A composição detalhada por 100 gramas desta fruta é a seguinte:

  • Água: 87  gramas.
  • Proteína: 1,1  gramas.
  • Gordura: 0,4 gramas.
  • Carboidratos: 11 gramas.
  • Fibra: 3 gramas.

Além disso, algumas vitaminas do complexo B se destacam em sua composição, como a B1, B2 e B3. Também possui uma quantidade notável de vitamina C e minerais como cálcio, ferro, fósforo e zinco. Por fim, vale destacar a presença de fitonutrientes como o licopeno (nas variedades de polpa vermelha), carotenos e fenóis. 

Leia mais: 7 frutas e legumes anticancerígenos que você deve consumir regularmente

Como escolher e comer pitaya

A pitaya pode ser consumida pura, em saladas ou em forma de suco.

Na hora de selecionar as pitayas, estas devem ter uma cor vermelho brilhante. Caso contrário, se forem da cor  verde, não estão no ponto certo de maturação. É normal que apresentem algumas manchas na casca, mas se houver muitas delas, é sinal de que a fruta já está muito madura.

Com uma faca afiada, corte-a ao meio no sentido do comprimento. A polpa pode ser separada com uma colher, assim como fazemos com o abacate. É importante garantir que não sobre nenhum pedaço de casca, pois ela não é comestível. Depois de descascado e cortado, existem  diferentes maneiras de saborear esse fruto. Você pode fazer o seguinte:

  • Corte-o em cubos e o coma puro ou com outras frutas.
  • Incorpore-o como mais um ingrediente das suas saladas.
  • Beba-o em sucos ou vitaminas junto com outras frutas. Você pode adicionar iogurte ou leite.

A pitaya é uma fruta exótica com um grande interesse nutricional

A importância de introduzir frutas na dieta diária é sustentada por seus muitos benefícios para o organismo. Uma delas pode ser a pitaya; sem dúvida alguma, uma das mais chamativas do mercado.

É leve, fornece fibras e uma grande quantidade de vitaminas e minerais. Sua presença é positiva para prevenir doenças crônicas, melhorar o estado da microbiota intestinal e fortalecer o sistema imunológico.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
10 frutas exóticas capazes de turbinar sua saúde

Neste artigo, vamos apresentar 10 frutas exóticas que são excelentes para a saúde. Confira a relação e os seus benefícios.



  • Ames BN, et al. Oxidants, antioxidants, and the degenerative diseases of aging. Procedings of the National Academy of Sciences of the  U S A. Septiembre 1993.90(17):7915-7922.
  • Carr A.C, Maggini S. Vitamine C and Inmune Function. Nutrients. Noviembre 2017. 3;9(11):1211.
  • Chew B.P, Park J. S. Carotenoid action on the immune response. Nutrients. enero 2004. 134(1):257S-261S.
  • Childs CE, et al. Diet and Immune Function. Nutrients. Agosto 2019.11(8):1933.
  • Ghezzi P, et al. The oxidative stress theory of disease: levels of evidence and epistemological aspects. British Journal of Pharmacology. Junio 2017.174(12):1784-1796.
  • Quigley EM. Gut bacteria in health and disease. Gastroenterology and Hepatology  (N Y). Septiembre 2013.9(9):560-569.
  • Slavin JL, Lloyd B. Health benefits of fruits and vegetables. Advances in Nutrition. Julio 2012.3(4):506-516.
  • Sonawane M.S. Nutritive and medicinal value of dragon fruit. The Asian Journal of Horticulture. Diciembre 2017. 12(2):267-271.
  • Wichienchot S., et al. Oligosaccharides of pitaya (dragon fruit) flesh and their prebiotic properties. Food Chemistry. Junio 2010. 120(3):850-857.