Olmo escorregadio: usos, benefícios e recomendações

O olmo escorregadio é usado na medicina alternativa para tratar vários incômodos. Descubra quais são seus usos e o que a ciência diz sobre eles.
Olmo escorregadio: usos, benefícios e recomendações

Última atualização: 10 Outubro, 2021

O olmo escorregadio, cientificamente denominado Ulmus rubra, é uma árvore originária da América do Norte. É conhecida por sua casca única, cujos tons variam do marrom escuro ao marrom avermelhado. Além disso, estima-se que alcance entre 18 e 80 metros de altura.

Na medicina tradicional, os nativos americanos usavam a parte interna da sua casca para fins medicinais. Em particular, era um remédio amplamente usado para aliviar dores de garganta, inflamações e feridas superficiais.

A razão? Quando combinado com a água, gera um material viscoso conhecido como “mucilagem”, que atua como calmante, demulcente e anti-inflamatório. A seguir, iremos contar em detalhes para que é usado e quais são suas contraindicações. Continue lendo!

Usos e benefícios do olmo escorregadio

Na medicina herbal, a casca interna do olmo escorregadio é um remédio bem conhecido para doenças de pele, úlceras, doenças intestinais e sintomas respiratórios. Mesmo assim, até o momento não há evidências suficientes para apoiar a sua eficácia. Quais benefícios são atribuídos a ele?

Doença inflamatória intestinal

Devido ao seu teor de mucilagem, a casca do olmo tem propriedades demulcentes. Ou seja, ele atua como um protetor do revestimento do estômago e dos intestinos. Ele também tem um efeito anti-inflamatório que acalma a irritação.

Sobre isso, uma pesquisa publicada no The Journal of Alternative and Complementary Medicine determinou que uma mistura contendo olmo escorregadio ajudou a estimular os movimentos intestinais em pacientes com síndrome do intestino irritável com constipação.

Por outro lado, um estudo da Alimentary Pharmacology & Therapeutics relatou que esta planta exerce um efeito antioxidante que beneficia as pessoas com doença de Crohn. Especificamente, atua nos intestinos inflamados e ajuda a controlar os sintomas. No entanto, mais estudos são necessários para comprovar a sua eficácia.

Mulher com dor de barriga
Os quadros de inflamação intestinal apresentam-se com dor e alteração dos ritmos de evacuação. O olmo escorregadio poderia ajudar a reduzir os sintomas.

Garganta inflamada e tosse

O olmo é um adjuvante contra os sintomas de algumas doenças respiratórias, como bronquite e asma. Nesse caso, suas mucilagens exercem um efeito antitússico, ou seja, capaz de reduzir a tosse seca e a irritação. Na verdade, esse ingrediente pode estar presente em pastilhas para a garganta. Também pode ser usado contra a laringite e problemas nas cordas vocais.

No entanto, um artigo publicado no Journal of Investigational Biochemistry afirma o seguinte:

“Não há evidências científicas disponíveis para apoiar a validade do uso do olmo no tratamento de doenças inflamatórias do trato respiratório superior.”

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

O uso de olmo escorregadio contra os sintomas do refluxo gastroesofágico vem, em grande parte, da literatura popular. Não há evidências científicas que comprovem sua eficácia contra essa condição. Mesmo assim, há quem afirme que suas mucilagens revestem o esôfago e evitam a irritação quando o conteúdo ácido sobe pelo trato digestivo.

Outros usos possíveis

Por tradição, o olmo escorregadio também teve os seguintes usos:

  • Doenças de pele
  • Úlceras estomacais e orais.
  • Diarréia.
  • Cistite.

Em qualquer caso, não há evidências de que possa ajudar no combate a essas doenças. Portanto, não deve ser um tratamento de primeira linha ou um substituto para as opções terapêuticas convencionais.

Contraindicações e possíveis riscos do olmo escorregadio

O consumo oral de olmo é considerado seguro para a maioria dos adultos saudáveis. Seu uso é até aprovado como demulcente sem receita médica.

De qualquer forma, sua ingestão simultânea com medicamentos não é recomendada, pois seu conteúdo de mucilagem pode limitar a absorção e reduzir a eficácia dos medicamentos. O ideal é esperar pelo menos uma hora entre tomar o suplemento e o medicamento.

Agora, conforme detalhado no MedlinePlus, da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, há uma preocupação com seus possíveis efeitos colaterais na pele. Em particular, pode causar irritação e reações alérgicas.

A literatura popular afirma que a casca do olmo escorregadio induz o aborto. Embora não haja evidências para apoiar estas alegações, sua ingestão não é recomendada para mulheres grávidas ou lactantes.

Alergia na pele
Uma reação adversa que este composto pode desencadear é a urticária alérgica.

Dosagem e apresentações do olmo escorregadio

Não há dados específicos sobre a dosagem adequada de olmo escorregadio. Em geral, sugere-se usar a quantidade indicada na embalagem do suplemento. Por segurança, esta dose não deve ser excedida. Além disso, seu consumo prolongado não é recomendado.

As apresentações no mercado são as seguintes:

  • Pastilhas.
  • Tabletes
  • Pó.
  • Extratos.

Para prepará-lo em forma de chá, basta adicionar algumas colheres de sopa de pó de olmo em meio litro de água fervente. Após 10 minutos, já pode ser consumido.

O que devemos lembrar sobre o olmo escorregadio?

Assim como muitos suplementos de ervas, o olmo tem uma ampla variedade de usos na medicina natural. Os mais populares são o alívio de sintomas e desconfortos digestivos, como a dor de garganta.

Ainda assim, os estudos que confirmam essas propriedades são limitados. Portanto, este não deve ser um remédio de primeira escolha. O ideal diante de qualquer problema de saúde é consultar um médico.

Pode interessar a você...
As 6 melhores plantas medicinais com suporte científico
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As 6 melhores plantas medicinais com suporte científico

Existe uma grande variedade de plantas medicinais com suporte científico. Elas são coadjuvantes no tratamento de certas doenças. Conheça-as!



  • Jason A. Hawrelak and Stephen P. Myers.The Journal of Alternative and Complementary Medicine.Oct 2010.1065-1071.http://doi.org/10.1089/acm.2009.0090
  • Langmead, L., Dawson, C., Hawkins, C., Banna, N., Loo, S., & Rampton, D. S. (2002). Antioxidant effects of herbal therapies used by patients with inflammatory bowel disease: an in vitro study. Alimentary Pharmacology & Therapeutics, 16(2), 197–205. https://doi.org/10.1046/j.1365-2036.2002.01157.x
  • Watts, C., & rousseau, B. (2012). Slippery Elm, its Biochemistry, and use as a Complementary and Alternative Treatment for Laryngeal Irritation. Journal of Investigational Biochemistry, 1(1), 17. https://doi.org/10.5455/jib.20120417052415