Doença do refluxo gastroesofágico: sintomas e tratamento

10 de abril de 2020
A doença do refluxo gastroesofágico é um processo patológico que costuma ser crônico e ter um bom prognóstico. Os sintomas são de intensidade variável e há períodos intermitentes de remissão.

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é caracterizada pela passagem do conteúdo gástrico para o esôfago, de forma espontânea, sem que exista uma causa que a provoque. O refluxo gastroesofágico fisiológico deve-se, sobretudo, ao relaxamento transitório e espontâneo do esfíncter inferior do esôfago, devido à distensão estomacal.

Essa condição afeta a qualidade de vida das pessoas que sofrem com ela. No entanto, para considerá-la uma patologia, os sintomas devem ser importantes o suficiente em termos de presença ou intensidade.

Portanto, o refluxo gastroesofágico é um processo patológico geralmente crônico com um bom prognóstico. Além disso, os sintomas são de intensidade variável e há períodos intermitentes de remissão.

Causas da doença do refluxo gastroesofágico

Sintomas do refluxo noturno
A doença do refluxo gastroesofágico surge devido a um mau funcionamento do esfíncter que regula a passagem dos sucos gástricos.

O surgimento da DRGE depende de muitos fatores. No entanto, o mais importante é o mau funcionamento do esfíncter inferior do esôfagoAlém disso, fatores que favorecem o refluxo gastroesofágico incluem alterações de:

  • Motilidade esofágica.
  • Esfíncter superior do esôfago.
  • Mecanismos de clarificação esofágica e conteúdo estomacal.

Em muitos casos, a hérnia de hiato está associada à doença do refluxo gastroesofágico.

Sintomas

A doença do refluxo gastroesofágico tem uma grande variedade de sintomas. Ela pode variar desde a presença de sintomas simples à coexistência de esofagite de gravidade diferente.

Além disso, com menos frequência, podem ocorrer complicações como estenose, úlcera esofágica ou esôfago de Barrett.

A variabilidade dos sintomas depende de fatores como a duração dos episódios da doença do refluxo gastroesofágico, o volume e a agressividade do material refluído.

Além disso, o tempo de contato deste material com a mucosa esofágica deve ser levado em consideração. Os sintomas mais frequentes são:

  • Azia: é o sintoma mais característico. É a sensação de queimação ascendente do epigástrio.
  • Regurgitação ácida: é o segundo sintoma mais frequente. Consiste na passagem espontânea do conteúdo gástrico para a boca. Isso pode ser favorecido por certas posturas ou pelo aumento da pressão abdominal.
  • Dor centrotorácica: é de início agudo ou repentino e, além disso, é causada por espasmos do esôfago. Pode-se suspeitar que a origem da dor seja DRGE quando relacionada à ingestão de alimentos e não a um esforço.
  • Disfagia: sensação de obstrução.
  • Odinofagia: deglutição dolorosa. Este não é um sintoma comum da doença do refluxo gastroesofágico, no entanto, se aparecer, pode indicar a presença de esofagite.

Com a presença desses sintomas típicos, um diagnóstico pode ser estabelecido com relativa certeza. Assim, o médico pode indicar um tratamento sem a necessidade de exames complementares, como a endoscopia.

No entanto, se o paciente apresentar sintomas alarmantes ou não responder adequadamente ao tratamento convencional, uma endoscopia digestiva alta deve ser realizada.

Leia também:  3 soluções com menta para os problemas digestivos

Tratamento da doença do refluxo gastroesofágico

O tratamento da doença do refluxo gastroesofágico visa aliviar os sintomas e curar a esofagiteAlém disso, tem como foco tratar e evitar possíveis complicações.

Esse tratamento inclui mudanças no estilo de vida, medidas higiênico-alimentares, medicamentos e, em alguns casos, cirurgia.

Medidas higiênico-alimentares

Medidas contra o refluxo gastroesofágico
Manter uma alimentação saudável é fundamental para o controle da doença do refluxo gastroesofágico. Em geral, é aconselhável comer alimentos leves e evitar as refeições mais pesadas.

É aconselhável parar de fumar e reduzir o consumo de álcool. Pacientes com sobrepeso ou obesidade podem notar uma melhora se perderem peso.

Outra medida implementada é a elevação do travesseiro na cama, no caso de surgirem sintomas quando a pessoa está deitada. Também é importante:

  • Evitar refeições exageradas. É melhor comer com menos fartura e com mais frequência.
  • Detectar e evitar alimentos que desencadeiem sintomas.
  • Gerenciar o estresse.
  • Não fazer exercícios físicos extremos.
  • Passar algum tempo mastigando o suficiente.

Você também pode gostar de ler: Evitar problemas digestivos: 9 hábitos saudáveis

Medicamentos

O tratamento farmacológico é baseado na inibição ou neutralização da secreção de ácido gástrico. Entre os grupos de medicamentos comumente usados ​​para o tratamento da DRGE estão os inibidores da bomba de prótons.

Esses medicamentos causam inibição total da secreção gástrica. Eles também aliviam os sintomas, curam a esofagite e controlam as recaídas.

Além disso, também são usados antiácidos, que aliviam rapidamente a azia. Os agentes procinéticos são úteis em casos de regurgitação frequente.

Por outro lado, os anti-histamínicos H2 provocam uma inibição parcial da secreção de ácido gástricoSua indicação no tratamento da DRGE é para quando não há esofagite.

Você tem essa doença? Como pode ver, existem vários fatores que podem causar ou piorar essa patologia. No entanto, também existem várias alternativas para o seu controle e tratamento. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

  • Badillo R, Francis D. Diagnosis and treatment of gastroesophageal reflux disease. World J Gastrointest Pharmacol Ther. 2014;5(3):105–112. doi:10.4292/wjgpt.v5.i3.105
  • John M. Eisenberg Center for Clinical Decisions and Communications Science. Opciones de tratamiento para la ERGE o enfermedad por reflujo del ácido estomacal: Revisión de la investigación para adultos. 2012 Feb 29. In: Las Guías Sumarias de los Consumidores. Rockville (MD): Agency for Healthcare Research and Quality (US); 2006-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK97820/
  • Clarrett DM, Hachem C. Gastroesophageal Reflux Disease (GERD). Mo Med. 2018;115(3):214–218.
  • Herbella FA, Patti MG. Gastroesophageal reflux disease: From pathophysiology to treatment. World J Gastroenterol. 2010;16(30):3745–3749. doi:10.3748/wjg.v16.i30.3745
  • Sandhu DS, Fass R. Current Trends in the Management of Gastroesophageal Reflux Disease. Gut Liver. 2018;12(1):7–16. doi:10.5009/gnl16615
  • Ness-Jensen E, Hveem K, El-Serag H, Lagergren J. Lifestyle Intervention in Gastroesophageal Reflux Disease. Clin Gastroenterol Hepatol. 2016;14(2):175–82.e823. doi:10.1016/j.cgh.2015.04.176