Óleo de algas: uma fonte de ômega 3 e DHA

Contaremos por que o óleo de algas é um excelente produto para aumentar a ingestão de ácidos graxos ômega 3 e, assim, melhorar a saúde.
Óleo de algas: uma fonte de ômega 3 e DHA

Última atualização: 29 junho, 2022

O óleo de algas pode ser uma excelente fonte de ômega 3 ; especialmente DHA (ácido docosahexaenóico). Estamos falando de um tipo de ácidos graxos essenciais que são necessários para que o corpo desempenhe suas funções corretamente.

No entanto, esses nutrientes estão muitas vezes ausentes na maioria das dietas atuais. É aconselhável incluir os géneros alimentícios que os possuem para garantir o equilíbrio.

Antes de começar, devemos enfatizar que as gorduras não são ruins para a saúde. Ao contrário do que foi dito anos atrás. Esses nutrientes são fundamentais para garantir a produção hormonal, o bom funcionamento do sistema imunológico e para que muitos outros processos fisiológicos que ocorrem diariamente no ambiente interno se desenvolvam de maneira ideal.

Em muitas pessoas, recomenda-se uma ingestão de pelo menos 1 grama de lipídios por quilo de peso por dia.

Óleo de algas: um produto de qualidade

Dentro das gorduras alimentares podemos diferenciar entre ácidos graxos saturados e insaturados, dependendo da presença de ligações duplas em sua estrutura molecular. Dentro deste último grupo, os ácidos graxos da série ômega 3 devem ser observados como benéficos.

Este segmento é composto por ácido linolênico (cadeia curta) e EPA e DHA (cadeia longa). Todos eles são necessários para que o corpo mantenha um estado de homeostase.

No entanto, são poucos os alimentos que concentram esses componentes em uma proporção ideal. Em geral, os peixes oleosos são as melhores fontes.

Eles também são encontrados na carne de gado alimentado com capim e em algumas sementes, como a chia. As algas também possuem uma parcela representativa delas, portanto, recomenda-se sua inclusão na dieta regular.

De qualquer forma, em muitas dietas o consumo de algas como tal não é frequente. Por esse motivo, o óleo de algas pode ser uma boa alternativa.

O óleo em questão pode ser consumido por meio de suplementos, encapsulado ou em meio líquido. Neste último caso, seria adicionado às preparações, principalmente vegetais. O que nunca deve ser feito é usar essa gordura para fritar ou aquecê-la em alta temperatura, pois isso arruinará suas propriedades.

Fritar alimentos com ômega 3 não funciona.
A fritura é um estresse térmico para os óleos, o que leva à alteração de sua química e danos à saúde humana.

Por que o ômega 3 é bom?

Como já mencionamos, o ômega 3 é um nutriente essencial para a saúde. Isso significa que o corpo não pode fazê-lo por conta própria. Ele precisa ser regularmente incluído na dieta regime por meio de alimentos para atender às necessidades.

Ele cumpre muitas funções diferentes. Está ligado, por exemplo, a um menor risco de desenvolver patologias cardiovasculares. Isso é evidenciado por pesquisas publicadas no International Journal of Molecular Sciences.

Esse benefício ocorre, entre outras coisas, porque os ácidos ômega 3 ajudam a modular a inflamação no ambiente interno. Um estudo publicado na Biochemical Society Transactions confirma isso.

Agora, para realmente experimentar uma melhora nesse aspecto, a chave é equilibrar o consumo de ômega 3 com o de ômega 6, pois ambos têm efeitos antagônicos no controle de processos inflamatórios.

Infelizmente, a maioria das dietas atuais tem um peso muito maior de ômega 6, o que pode levar a ineficiências ao longo dos anos. Para ajudar a reverter a situação, você pode complementar com ômega 3 ou incluir óleo de algas em suas comidas. Mesmo esta última alternativa seria especialmente positiva, pois também garante a ingestão de outros micronutrientes de qualidade.

Óleo de algas versus óleo de peixe

Outra das estratégias que é utilizada para aumentar a contribuição do ômega 3 é o consumo de óleo de peixe na dieta. Existem também suplementos deste produto. O que acontece é que os veganos não poderão se beneficiar disso.

Nesse sentido, o óleo de algas seria uma excelente alternativa para esse grupo populacional.

É importante notar que, se as pessoas que fazem dietas flexíveis têm dificuldade em equilibrar ômega-3 e ômega-6. A suplementação é quase obrigatória em veganos para garantir o bom funcionamento do ambiente interno.

E é que o ômega 3 não apenas protege o sistema cardiovascular ou reduz a inflamação, mas também está relacionado ao bom funcionamento do músculo esquelético. De acordo com um estudo publicado na revista Mar Drus, esses nutrientes conseguem proteger o tecido magro do catabolismo. Mesmo no contexto de uma dieta hipocalórica. Eles até melhorariam a recuperação após o exercício físico.

Em certos momentos da temporada do atleta, as necessidades dietéticas de ômega-3 podem ser aumentadas. Um exemplo seria o caso quando acontecem lesões musculares. Nesta situação, recomenda-se garantir uma ingestão alimentar de pelo menos 6 gramas por dia, para as quais a suplementação é geralmente essencial.

Óleo de peixe.
O óleo de peixe é um concorrente direto do óleo de algas em todas as suas apresentações. Mas não é adequado para quem segue uma dieta vegana.

O óleo de algas é um produto de qualidade para a dieta

O óleo de algas é um bom produto para incluir na dieta, tanto vegana como onívora. É uma fonte de ácidos graxos da série ômega 3 que ajudará a prevenir o desenvolvimento de patologias crônicas e complexas.

No entanto, isso não significa que outros alimentos que concentrem esses nutrientes não devam ser incluídos nas dietas. Além disso, para garantir um bom estado de saúde, não basta apenas cuidar do que se come.

Você precisa começar outros hábitos. Dentre todos eles podemos destacar a prática de atividade física de forma regular. Isso manterá a inflamação interna sob controle.

Pode interessar a você...
Alga dulse: características, utilizações e preparação
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Alga dulse: características, utilizações e preparação

A alga dulse se destaca pela cor vermelha intensa e por concentrar nela uma grande quantidade de nutrientes fitoquímicos.



  • Innes, J. K., & Calder, P. C. (2020). Marine Omega-3 (N-3) Fatty Acids for Cardiovascular Health: An Update for 2020. International journal of molecular sciences21(4), 1362. https://doi.org/10.3390/ijms21041362
  • Calder P. C. (2017). Omega-3 fatty acids and inflammatory processes: from molecules to man. Biochemical Society transactions45(5), 1105–1115. https://doi.org/10.1042/BST20160474
  • Jeromson, S., Gallagher, I. J., Galloway, S. D., & Hamilton, D. L. (2015). Omega-3 Fatty Acids and Skeletal Muscle Health. Marine drugs13(11), 6977–7004. https://doi.org/10.3390/md13116977