O que são os ácidos graxos ômega 3, ômega 6 e ômega 9?

20 Maio, 2020
Você já ouviu falar dos ácidos graxos ômega 3, 6 e 9? Neste artigo, vamos falar sobre cada um deles e explicar quais são os seus benefícios.

Muito tem sido falado sobre os ácidos graxos ômega 3, 6 e 9, mas você sabe exatamente o que eles são e por que o nosso corpo precisa deles? Neste artigo, explicaremos tudo sobre o assunto para que você entenda a sua importância nutricional e não hesite em incorporá-los à sua dieta.

Os ácidos graxos do tipo ômega são essenciais para o bom funcionamento do nosso corpo e oferecem uma série de benefícios à saúde que listaremos abaixo. Você está pronto para descobri-los? Continue lendo.

Ácidos graxos ômega 3, 6 e 9: o que você precisa saber

Fontes de ácidos graxos ômega
Nosso corpo precisa de ácidos graxos ômega para o seu bom funcionamento.

Os ácidos graxos são basicamente gorduras “boas” que servem ao nosso corpo de muitas maneiras diferentes. Dependendo das ligações duplas que os compõem, eles são classificados com uma certa numeração. Ou seja, a sua composição determina se eles são ômega 3, ômega 6 ou ômega 9.

O que são os ácidos graxos essenciais?

Os chamados “essenciais” são ácidos que o nosso corpo não sintetiza. Por esse motivo, devemos ingeri-los através dos alimentos. Estes são o ômega 3 (ácido linoleico) e ômega 6 (ácido alfa linolênico). Os números que os acompanham indicam a sua formação estrutural:

  • O ácido ômega 3 possui uma ligação dupla em sua estrutura na posição 3.
  • Enquanto isso, o ômega 6 tem a ligação dupla na posição 6.

Uma vez no corpo, eles são convertidos em outros ácidos graxos poli-insaturados, como o ácido eicosapentaenoico, ácido araquidônico e ácido docosa-hexaenoico. Vale ressaltar que os ácidos graxos poli-insaturados ajudam a manter as membranas celulares em condições adequadas.

Além disso, eles também são responsáveis ​​pela produção de prostaglandinas, hormônios que regulam uma série de processos corporais, como a coagulação sanguínea, e ajudam a absorver e transportar vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K).

Leia também: Os efeitos do ômega 3 no cérebro

1. Benefícios dos ácidos graxos ômega 3

Ômega 3
O ômega 3 está presente em alimentos como peixes oleosos, abacate e amêndoas.

Existem diferentes tipos de ômega 3 devido à sua composição atômica. Vamos ver quais são os principais benefícios da sua inclusão na dieta de toda a família:

  • Os ácidos ômega 3 ajudam a aumentar o colesterol “bom”, além de reduzir a presença de triglicerídeos.
  • Eles ajudam a reduzir a pressão arterial.
  • O consumo regular de ômega 3, combinado com exercícios físicos regulares, diminuiria o risco de doença cardiovascular.
  • Alguns estudos indicam que a administração de ômega 3 pode prevenir doenças hepáticas gordurosas.
  • Poderia impedir o surgimento da demência.
  • Ajudaria o desenvolvimento cerebral dos bebês, razão pela qual é recomendado que a mãe consuma ômega 3 durante a gravidez, amamentação e na subsequente alimentação complementar da criança.
  • Melhora a densidade óssea.
  • Contribui para a coagulação do sangue.

A Organização Mundial da Saúde recomenda comer pelo menos duas porções de peixes oleosos por semana devido à sua rica contribuição em ácidos graxos ômega 3.

Se você não gosta de peixe, não se preocupe. O ácido ômega 3 está presente em outros alimentos, como mariscos (mexilhões e ostras), espinafre, couve de Bruxelas, pepino, morango, abacaxi, amêndoas e nozes, entre outros.

2. Benefícios dos ácidos graxos ômega 6

Benefícios dos ácidos graxos ômega 6
Os ovos são uma fonte natural de ômega 6.

O corpo utiliza ácidos graxos ômega 6 principalmente como fonte de energia. No entanto, alguns estudos indicaram que seu consumo traria benefícios além da contribuição energética:

Obviamente, os benefícios mencionados para o ômega 3 e o ômega 6 dependem de uma ingestão adequada. O baixo consumo não traria esses benefícios, e um desequilíbrio entre o consumo de ambos os ácidos essenciais poderia causar problemas de saúde.

Entre as principais fontes de ômega 6 estão: óleo de girassol, abóbora, nozes, ovos e gérmen de trigo. Consulte o seu médico se precisar aumentar o seu consumo de ômega 6. Lembre-se de que a sua ingestão deve ser adequada, e não excessiva.

Você também pode se interessar: 5 sintomas do déficit de ácidos graxos essenciais ômega 3 e 6

Descrição do ácido graxo ômega 9

Descrição do ácido graxo ômega 9
O ácido oleico, um dos ômega 9, está presente no azeite.

O ômega 9 é um ácido graxo monoinsaturado, com uma única ligação dupla na posição do carbono 9. Ao contrário dos ácidos essenciais, o corpo pode sintetizá-lo. Dois dos seus principais ácidos são o ácido erúcico, presente na canola, e o ácido oleico, encontrado em um dos pilares da dieta mediterrânea: o azeite de oliva.

Benefícios para a saúde

Recomenda-se a ingestão regular de ômega 9, além do que o nosso corpo é capaz de sintetizar, pois ele oferece diferentes benefícios à saúde. De fato, os ácidos graxos ômega 9 são as gorduras mais abundantes em nossas células:

  • Uma análise de diferentes estudos revelou que as dietas com alto teor de gordura ômega 9 ajudariam a aumentar as concentrações de colesterol HDL, sem causar um aumento do colesterol “ruim”.
  • Outra pesquisa observou que aqueles que seguem uma dieta rica em gorduras monoinsaturadas têm uma melhor sensibilidade à insulina.

Certifique-se de incluir os ácidos graxos ômega 3, 6 e 9 na sua dieta habitual, na quantidade correta. Se você tiver dúvidas, consulte o seu médico ou nutricionista de confiança. Ele poderá responder a todas as suas perguntas e criar um cardápio adaptado às suas necessidades nutricionais.

  • Hill AM., Buckley JD., Murphy KJ., Howe PRC., Combining fish oil supplements with regular aerobic exercise improves body composition and cardiovascular disease risk factors. Am J Clin Nutr, 2007. 85 (5): 1267-74.
  • Whighma LD., Watras AC., Schoeller DA., Efficacy of conjugated linoleic acid for reducing fat mass: a meta analysis in humans. Am J Clin Nutr, 2007. 85 (5): 1203-11.
  • Dong Soon I., FF4 (GPR120) as a fatty acid sensor involved in appetite control, insulin sensitivity and inflammation regulation. Mol Aspects Med, 2018. 64: 92-108.