O cigarro eletrônico afeta a saúde bucal?

O uso de cigarros eletrônicos pode ter efeitos negativos na saúde bucal. Continue lendo e descubra como o vaper afeta a boca.
O cigarro eletrônico afeta a saúde bucal?

Última atualização: 28 janeiro, 2022

Muitas pessoas que usam vapers se sentem confortáveis com essa maneira de fumar e até acreditam que ela é mais saudável. Neste artigo contaremos como o cigarro eletrônico influencia a saúde bucal.

A utilização de vapers é frequentemente considerada como uma alternativa menos prejudicial que os cigarros. Mas o uso de nicotina e outras substâncias tóxicas e seus efeitos nas estruturas orais não são levados em consideração.

O que é e como funcionam os cigarros eletrônicos?

Os cigarros eletrônicos são dispositivos capazes de aquecer um líquido e gerar um aerossol. Eles consistem em um espaço para conter o fluido, um elemento gerador de calor e uma bateria que permite o seu funcionamento.

A pessoa fuma o vapor gerado, inalando e exalando uma mistura de partículas minúsculas. O uso deste tipo de produto é denominado “vaping”.

Existe uma grande variedade de formas e tamanhos no mercado. Existem os que têm o aspecto de cigarros, cachimbos, canetas, pen drives e outros artigos de uso diário.

O líquido utilizado nos cigarros eletrônicos geralmente contém nicotina, glicerina, propilenoglicol, aromatizantes e outros produtos químicos e metais que promovem a produção do aerossol. Ele é chamado de “suco para cigarros eletrônicos” e vem em cartuchos de diversos sabores que podem ser recarregados.

Ao contrário dos cigarros convencionais, não ocorre a inalação de alcatrão ou monóxido de carbono nos vapers. Por esse motivo, muitos usuários o consideram mais inofensivo.

Mas os aerossóis gerados não contêm apenas vapor de água. Quando aquecidos, a nicotina, a glicerina e outros produtos químicos contidos no produto são inalados pela pessoa.

Essas substâncias são nocivas à saúde, cancerígenas e viciantes. Por isso existem cada vez mais estudos e órgãos de saúde que desaconselham o uso.

Efeitos do cigarro eletrônico na saúde bucal

Foi observado um aumento significativo no uso de cigarros eletrônicos pela população, principalmente entre jovens e adolescentes. As mensagens publicitárias os descrevem como uma alternativa mais saudável ao tabaco tradicional, e aumentam o interesse público em experimentar o vaper.

A verdade é que fumar desta forma também tem efeitos prejudiciais para a saúde. Problemas nos sistemas respiratório, nervoso, digestivo, circulatório, reprodutor e imunológico estão associados ao uso de cigarros eletrônicos. E os riscos não são apenas para o consumidor, mas também para as pessoas ao redor dele.

Por outro lado, embora esse seja um dos argumentos para o uso, tampouco foi comprovado que essa seja uma medida eficaz para parar de fumar. Ao contrário, existem estudos que afirmam que ter experimentado o vaper aumenta o risco de dependência da nicotina e, em não fumantes, de incorporar o hábito posteriormente.

Mas, como o cigarro eletrônico interfere na saúde bucal? A seguir mostramos alguns dos efeitos negativos que esse hábito provoca na boca:

Cigarro eletrônico de uma mulher.
O cigarro eletrônico usa uma mistura de substâncias para transformá-las em um aerossol que será inalado.

Problemas na mucosa oral

A nicotina reduz o fluxo sanguíneo por todo o corpo, afetando a irrigação das membranas mucosas da boca. Assim, uma das consequências do uso do cigarro eletrônico na saúde bucal é a retração gengival.

A falta de vitalidade do tecido gengival devido à diminuição de nutrientes e oxigênio faz com que a gengiva funcione em sentido apical. Isso expõe a raiz do dente, provocando sensibilidade e favorecendo a instalação de cáries. Nos casos não tratados pode ser provocado o progresso da destruição dos tecidos de suporte e a perda dos dentes.

A inflamação nas gengivas é outra doença da mucosa oral associada ao uso de vapers. Os produtos químicos que chegam à boca são capazes de  provocar irritação nela e na garganta. Esses tecidos podem ficar inchados, vermelhos e doloridos.

Por outro lado, a falta de nutrição na mucosa impede que ela responda adequadamente em caso de lesões. O processo de cicatrização e regeneração é alterado, dificultando a recuperação dos tecidos.

Essa má cicatrização dificulta alguns tratamentos odontológicos, aumentando o risco de complicações. O uso de implantes para reabilitar bocas com falta de dentes, por exemplo, não é adequado para esse tipo de paciente. Esse é um dado importante, dada a alta prevalência de perda dentes em pessoas fumantes.

Maior risco de infecções

Uma das maneiras pelas quais o cigarro eletrônico afeta a saúde bucal é aumentando as chances de desenvolver as doenças infecciosas bucais mais prevalentes. Ou seja, cáries e periodontite. Ambas condições podem levar à destruição ou perda de elementos dentários se não tiverem um tratamento adequado.

O uso de vapers reduz a produção de saliva e favorece a formação e o acúmulo de placa bacteriana. Além disso, o conteúdo doce dos aerossóis aromatizados favorece o metabolismo bacteriano e a produção de ácidos, assim como o consumo de doces ou refrigerantes. Se a isso estiver somada a falta de higiene dental, as chances de desenvolver cáries aumentam ainda mais.

Esta patologia destrói os tecidos duros dos dentes e progride em direção à área interna dos mesmos. Se não for tratada a tempo, pode levar a quadros dolorosos com inflamação pulpar ou infecções. Se o dano no dente for muito extenso ou as complicações forem muito graves, será necessário extraí-lo.

Devido à retração gengival associada aos pacientes fumantes, as cáries cervicais são as mais frequentes. A destruição ocorre na zona radicular do dente, sendo mais agressiva e causando uma grande sensibilidade.

O aparecimento da doença periodontal surge como consequência da progressão da inflamação e da recessão gengival não tratada. A destruição do tecido profundo e a perda do osso alveolar podem levar à mobilidade e até mesmo à perda dos dentes. Esta patologia está associada a outras doenças sistêmicas que afetam a saúde de forma geral.

O uso de cigarros eletrônicos também pode favorecer o crescimento excessivo de fungos na boca. O aparecimento de candidíase oral, com manchas brancas na língua ou vermelhidão das mucosas é uma possibilidade para estas pessoas.

Boca seca

Embora ao usar o cigarro eletrônico seja inalado o vapor de um líquido, a boca seca é outro dos problemas de saúde bucal associados ao uso. A presença de propilenoglicol entre os componentes do produto pode favorecer a xerostomia.

A boca seca, além de incomodar o paciente, também favorece o desenvolvimento de cáries, a formação de placa bacteriana e o aparecimento de feridas. Além disso provoca halitose ou mau hálito.

Câncer de boca

A mistura de substâncias tóxicas que entram no organismo durante o uso de cigarros eletrônicos pode aumentar o risco de qualquer tipo de câncer de boca. Ainda não existem evidências concisas a respeito da relação entre vaper e câncer, mas a maioria dos estudos conclui que o uso é prejudicial e a ação semelhante à do tabaco no desenvolvimento de malignidade nas células.

O cigarro eletrônico mancha os dentes?

Fumar tabaco da forma tradicional colore os dentes com uma tonalidade amarelada ou marrom que evidencia o hábito. No caso dos cigarros eletrônicos as manchas nos dentes são menos prováveis.

Isso se deve à ausência de alcatrão na combustão, a principal causa das manchas. Esse risco menor de manchar os dentes é um aspecto usado por comerciantes e anunciantes de cigarros eletrônicos. Mas não existem evidências que demonstrem a presença de pigmentação dentária devido ao uso.

De qualquer forma, a coloração amarela nos dentes é um problema estético e não de saúde. A ausência de manchas nos dentes com a utilização desses produtos não é argumento suficiente para validar o uso. Os danos do cigarro eletrônico à saúde bucal são um problema muito mais grave.

Manchas nos dentes por fumar.
É fato que os cigarros eletrônicos não mancham os dentes, mas esse é um benefício menor em comparação com os graves problemas derivados do uso de vapers.

Nenhum cigarro é o melhor

Como já dissemos, o uso do cigarro eletrônico tem muitos efeitos negativos na saúde bucal. Embora ele tenha ganhado popularidade como um produto saudável, pelo menos para a boca isso não é verdade.

Parar de fumar é sempre uma decisão benéfica. Os benefícios para a saúde são variados e múltiplos.

Optar pelo cigarro eletrônico como método para eliminar esse hábito não é uma boa ideia. Além do fato de a eficácia não ter sido comprovada, as consequências para a saúde continuam sendo prejudiciais. Sem falar que a dependência da nicotina pode continuar.

Existem outras alternativas menos prejudiciais e cientificamente comprovadas para parar de fumar. Procurar ajuda profissional é uma boa opção.

Caso o hábito de usar vapers já esteja instalado, o ideal para a saúde bucal também é tentar abandonar esse hábito. No entanto, como com qualquer vício, esse processo pode ser longo e difícil.

O cuidado dos dentes com uma higiene bucal adequada é essencial para neutralizar os efeitos nocivos do vaper na boca. Manter uma dieta saudável, se hidratar com frequência e ir ao dentista regularmente também faz parte do cuidado oral.

Além disso, buscar alternativas que ajudem a parar de fumar (em qualquer uma de suas versões), é a melhor forma de cuidar da boca e ter um sorriso saudável.

This might interest you...
Os cigarros mentolados podem ser mais prejudiciais do que os normais
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Os cigarros mentolados podem ser mais prejudiciais do que os normais

Embora os cigarros mentolados tenham representado uma saída para algumas pessoas, a ciência provou que eles podem ser muito prejudiciais.



  • Jensen, R. P., Strongin, R. M., & Peyton, D. H. (2017). Solvent chemistry in the electronic cigarette reaction vessel. Scientific reports7(1), 1-11.
  • Soneji, S., Barrington-Trimis, J. L., Wills, T. A., Leventhal, A. M., Unger, J. B., Gibson, L. A., … & Sargent, J. D. (2017). Association between initial use of e-cigarettes and subsequent cigarette smoking among adolescents and young adults: a systematic review and meta-analysis. JAMA pediatrics171(8), 788-797.
  • Garza, E. E. P., Parra, R. O., Lara, C. A. L., Domínguez, J. H. L., & Saldierna, C. D. R. C. (2018). Cantidad de dientes perdidos en sujetos fumadores, no fumadores y exfumadores. Revista de la Asociación Dental Mexicana75(3), 143-146.
  • Sánchez-López, A. P., Delgado-Rubio, R., & Barranco-Obis, P. (2021). Relación entre la utilización de cigarrillo electrónico y la aparición de cáncer. Nuberos Científica, 18-22.
  • Parodi, C., Llambí, L., Barros, M., & Pippo, A. (2014). Cigarrillo Electrónico, un tema en controversia. Actas Odontológicas (Publicación discontinuada)11(1), 39-44.
  • Armendáriz-Castillo, I., Guerrero, S., Vera-Guapi, A., Cevallos-Vilatuña, T., García-Cárdenas, J. M., Guevara-Ramírez, P., … & Paz, C. (2020). Análisis del potencial genotóxico y carcinógeno asociado a los cigarrillos electrónicos. Revista Ecuatoriana de Medicina y Ciencias Biológicas41(1).
  • Sánchez, J. J. T., & Navarro, P. C. SISTEMAS ELECTRÓNICOS DE ADMINISTRACIÓN DE NICOTINA.
  • Accinelli, R. A., Lam, J., & Tafur, K. B. (2020). El cigarrillo electrónico: un problema de salud pública emergente. Revista Peruana de Medicina Experimental y Salud Publica37, 122-128.
  • Laerte, D. S. D., Carmen Maria, R. U., & Lucia, G. N. (2018, October). CIGARRILLO ELECTRÓNICO.¿ UN PRODUCTO SEGURO?. In morfovirtual2018.
  • Usuga David, M. (2021). Efectos nocivos del cigarrillo electronico para la salud humana.
  • Camenga, D., Gutierrez, K. M., Kong, G., Cavallo, D., Simon, P., & Krishnan-Sarin, S. (2018). E-cigarette advertising exposure in e-cigarette naïve adolescents and subsequent e-cigarette use: a longitudinal cohort study. Addictive behaviors81, 78-83.