Mejor con Salud
 

Por que os dentes são sensíveis à dor?

Os dentes são estruturas muito importantes para mastigar e falar. Quando desgastados, podem ser sensíveis à dor e causar bastante incômodo.

Por que os dentes são sensíveis à dor?

Última atualização 03 Dezembro, 2020

As estruturas dentárias são muito importantes para a fala, a mastigação de alimentos e a formação do bolo alimentar, além de terem uma relevância estética significativa. Os dentes também são sensíveis à dor, e quando doem, todas essas funções são afetadas.

Todos nós já tivemos dor em algum dente, o que nos avisou que algo prejudicial estava acontecendo com a nossa dentição. Neste artigo, explicaremos as razões pelas quais os dentes são sensíveis à dor.

As camadas dos dentes e a sensibilidade à dor

Os dentes têm três partes básicas:

  • Raiz: é aquela dentro da cavidade dentária. Resulta na parte não visível do dente, pois está enterrada no osso alveolar. Quando extraímos um dente, a raiz seria a parte final.
  • Coroa: é o que se projeta do osso alveolar e é visível.
  • Colo: é o que liga a raiz e a coroa.

Na base da raiz há um buraco através do qual passam os vasos e os nervos que alimentam os dentes, formando o que é chamado de cavidade pulpar. Esta cavidade é protegida por uma camada de dentina.

A dentina é feita de uma matriz mineral, especificamente hidroxiapatita de cálcio. Esta estrutura previne a entrada de agentes nocivos nos vasos e nervos do dente.

Mulher com dor de dente
A dor relacionada ao dente pode ocorrer em diferentes partes da sua estrutura.

Dentina: a camada protetora

A dentina é formada por células chamadas odontoblastos, que estão localizadas entre o exterior e a cavidade pulpar. Elas têm extensões que fazem o seu caminho entre a dentina.

Quando ocorre alguma alteração no dente que afeta ou destrói a dentina, como as cáries, os odontoblastos são capazes de reparar essa dentina, e assim a cavidade pulpar não fica desprotegida.

No entanto, a dentina não é suficiente para proteger seus dentes. Uma substância ainda mais dura é necessária para evitar que o dente se quebre toda vez que mastigamos ou falamos. Esta substância é o esmalte.

Esmalte: a camada mais difícil

O esmalte é uma camada de grande dureza, composta inteiramente de hidroxiapatita. A dentina também é composta por este mineral, mas em menor grau e concentração. Além disso, possui cavidades feitas pelas extensões dos odontoblastos que a tornam menos resistente.

O esmalte é branco, duro e com uma composição de 96% de hidroxiapatita. O resto, 4%, contém proteína e água. É feito de células chamadas ameloblastos, que geram esmalte antes da erupção dentária.

Uma vez que o dente vem à superfície, os ameloblastos se degeneram e o esmalte nunca mais se regenera. Mantemos o mesmo esmalte a vida toda, por isso é importante cuidar dele.

Cemento: camada de ancoragem

Ao redor da raiz do dente, acima da dentina, está o cemento. O cemento é uma camada menos dura que o esmalte, pois contém apenas 65% de hidroxiapatita.

O cemento é dividido em duas camadas. Uma das camadas não contém células e é formada antes do dente nascer. Por outro lado, após a erupção do dente e pelas demandas funcionais, forma-se um cemento que possui células chamadas cementócitos, que produzem uma matriz mineral.

A principal função do cemento é ancorar as fibras do periósteo, que é a camada que cobre o osso ao redor do dente. Digamos que é a cola que mantém o dente preso à cavidade.

Saúde dos dentes
A dentição desempenha funções variadas no corpo. A dor é um sinal de que algo está errado.

Por que os dentes são sensíveis à dor?

Depois de entender um pouco melhor a anatomia dos dentes, podemos responder a esta pergunta. Vemos que a dentina tem extensões do osteoblasto em seu interior, ou seja, há uma comunicação entre a dentina e a cavidade pulpar, onde encontramos as terminações nervosas.

O esmalte não se regenera, por isso, quando é desgastado ou destruído pelas cáries, ele deixa de proteger a dentina, que é mais suscetível a fatores externos. As cavidades da dentina permanecem abertas, e os estímulos externos podem atingir terminações nervosas, causando dor.

Para evitar que isso aconteça, você deve manter uma boa higiene dental, visitar o dentista com frequência e manter uma dieta saudável. Desta forma, será possível preservar o esmalte e a dentina também será protegida.

4 óleos que ajudam a acalmar a sensibilidade dos dentes

4 óleos que ajudam a acalmar a sensibilidade dos dentes

A sensibilidade nos dentes é um problema que afeta inúmeras pessoas. Alguns remédios à base de óleos vegetais podem aliviar.



  • FONSECA, DR RAFAEL HINOJAL. “Las partes óseas estomatológicas y los dientes en la identificación de las personas.” Ciencia Forense 35 (2005): 35.
  • Guerra Álvarez, Pamela Alexandra. Reabsorción radicular después del tratamiento ortodóncico. BS thesis. Quito, 2017.
  • Sensibilidad Dental: Origen, Causas y Diagnóstico – DENTAID. Expertos en Salud Bucal. (n.d.). Retrieved May 17, 2020, from https://www.dentaid.es/salud-bucal/sensibilidad-dental
  • Pécora, Jesús Djalma, and M. D. Sousa. “Uma breve história dos métodos de estudo de anatomia interna dos dentes humanos.” Endodontics. São Paulo 24 (2011).