Como lidar com cada fase do processo de parar de fumar?

09 Maio, 2020
Largar o cigarro é a mudança de comportamento mais relevante em termos de prevenção de problemas de saúde. O primeiro passo envolve o reconhecimento da fase em que cada fumante está no processo de parar de fumar.

De acordo com o último relatório da OMS sobre as tendências globais do uso de tabaco, o número de pessoas viciadas em tabaco é superior a 1,3 milhão. Por esse motivo, a intervenção dos órgãos sanitários com objetivo de ajudar o fumante a parar de fumar e lidar com cada etapa desse processo tornou-se o padrão de ouro para ações preventivas.

Os dados da Organização Mundial da Saúde mostram que mais de 8 milhões de pessoas morrem por uso de tabaco a cada ano. Esse número faz do cigarro a principal causa de mortes por doenças evitáveis ​​em todo o mundo, tornando crucial a intervenção de órgãos sanitários para a diminuição ou eliminação do hábito.

Essa intervenção, para ser eficaz, deve ser capaz de gerenciar a dependência física e psicológica do tabaco, quebrar o automatismo associado ao ato de fumar e modular a influência do ambiente social de cada pessoa no seu consumo. Para fazer isso, o primeiro passo será reconhecer a fase em que cada fumante está no processo de parar de fumar.

Como lidar com cada fase do processo de parar de fumar

Abandonar o cigarro

Quando falamos de parar de fumar, devemos necessariamente nos voltar ao que é conhecido como modelo transteórico de mudança, criado em 1982 pelos psicólogos Prochaska e DiClemente com o objetivo de entender e facilitar o processo de mudança diante de um determinado comportamento.

Nesse modelo, existem seis etapas com características muito específicas, levando em consideração a possibilidade de voltar atrás no processo e também que não há necessidade de passar por todas elas. Além disso, a recaída é outra possibilidade, não como um fracasso, mas como uma oportunidade para melhorar e aumentar a probabilidade de sucesso em uma nova tentativa.

Na maioria dos casos, a mudança definitiva ocorre depois de passar várias vezes por cada fase do modelo.

Nesse sentido, a missão do profissional de saúde será identificar a etapa da mudança em que o fumante se encontra e ajustar as intervenções para motivar sua progressão no processo. A seguir, nos aprofundaremos em cada um dos estágios do processo de parar de fumar.

Leia também: 5 dicas para deixar os vícios definitivamente

Fase de pré-contemplação

Nesta fase, apesar de a pessoa saber que fumar não é um comportamento saudável, ainda não está ciente do problema que isso representa para si e, portanto, também não reconhece a necessidade de parar de fumar. Geralmente, encontramos essas pessoas quando elas buscam uma consulta por outro motivo ou porque foram pressionadas por seus parentes.

Nesse momento, o objetivo do profissional será conseguir conscientizar a pessoa sobre o problema e fazê-la entender a importância de parar de fumar. Para isso, seria aconselhável avaliar seu nível de conhecimento sobre os riscos do consumo de tabaco, informá-la adequadamente e destacar os benefícios que seriam obtidos ao parar de fumar.

Fase de contemplação

Nesta fase, a pessoa já sabe que tem um problema e que deve parar de fumar. No entanto, embora pareça que quer fazê-lo em menos de 6 meses, surgem sentimentos ambivalentes sobre o assunto ou algumas dúvidas sobre como conseguir. Ou seja, embora haja ciência do problema, existe também uma dúvida sobre possuir de fato a capacidade de resolvê-lo.

Nesse ponto, para que o fumante avance em seu processo de largar o cigarro, o profissional de saúde deve ajudá-lo a abandonar a ambivalência. Para isso, será essencial analisar e aprofundar, de forma personalizada, os seguintes aspectos:

  • Importância de parar de fumar para o fumante.
  • Grau de confiança que o fumante deposita em si mesmo para alcançá-lo. Aqui é essencial promover a autoeficácia, lembrando de outras conquistas realizadas ao longo de sua vida.
  • Riscos associados ao uso do tabaco e razões pelas quais a pessoa deseja continuar fumando.
  • Benefícios de parar de fumar e dificuldades em alcançar esse objetivo.

Preparação para parar de fumar

Mulher cortando cigarros

A fase de preparação começa quando a pessoa decide firmemente que deseja parar de fumar. A pessoa está convencida de que deseja parar de fumar e está pronta para fazer uma tentativa séria em menos de 1 mês. Aqui, o profissional deve:

  • Parabenizar e enfatizar que parar de fumar é possivelmente a melhor decisão que a pessoa tomou para a sua saúde e para as pessoas à sua volta.
  • Selecionar uma data a partir da qual a pessoa deixará de fumar (“dia D”). Se a pessoa escolheu uma redução gradual, isso deve ser iniciado mais cedo, para que no “dia D” o cigarro seja completamente abandonado.
  • Incentivar a pessoa a comunicar sua decisão a todos os seus amigos e familiares. Quanto mais pessoas souberem, melhor.
  • Informar sobre o aparecimento de possíveis dificuldades (desejos incontroláveis, irritabilidade, ansiedade, nervosismo, cansaço, alterações no padrão do sono, aumento do apetite, constipação, dor de cabeça, dificuldades de concentração, influência negativa no ambiente social…) e discutir como lidar com esses problemas que inevitavelmente surgirão até a pessoa conseguir parar de fumar.

Não perca: Dormir bem: algo além de uma noite de sono

Nesta fase, a prioridade é que a pessoa se prepare para parar de fumar. Aqui, é essencial fazê-la ver o processo como algo positivo e entender que pode parar de fumar e tem as estratégias necessárias para enfrentar qualquer adversidade.

Ação para parar de fumar

Neste momento, a pessoa já parou de fumar e seu principal objetivo é continuar sem usar o tabaco. O profissional de saúde deve avaliar as dificuldades que a pessoa está enfrentando e fortalecer as estratégias que são úteis para que sejam colocadas em prática de forma efetiva.

Além disso, será importante lembrar que a síndrome de abstinência começa a desaparecer a partir do sétimo dia, conversar sobre o sentimento de vazio que aparece 10 dias após o abandono do cigarro e alertar sobre o sentimento de falsa segurança que ocorre entre dias 15 e 30 após o abandono do hábito.

Manutenção: 6 meses sem fumar

Como parar de fumar?

A fase de manutenção começa quando a pessoa alcança 6 meses sem fumar, mas não se fala de ex-fumante até que tenham se passado 12 meses do abandono do hábito de fumar. Aqui, o profissional deve reavaliar possíveis dificuldades e reforçar as estratégias para lidar com elas.

Além disso, pode ser útil lembrar por que você parou de fumar e revisar os benefícios que já se manifestaram e os que estão por vir. Da mesma forma, pode ser necessário lembrar os inconvenientes associados ao uso do tabaco.

Parar de fumar: como lidar com recaídas

Falamos de uma recaída quando uma pessoa volta a fumar depois de ter abandonado o hábito. Nesse ponto, é essencial que o profissional de saúde mostre empatia, forneça apoio, evite qualquer comportamento punitivo e incentive a pessoa a entender a recaída como uma boa oportunidade para aprender e tentar novamente com uma maior probabilidade de sucesso.

  • Camalles Guillem, F., Barchilón Cohen, V., Clemente Jiménez, L., Iglesias Sanmartín, J.M., Martín Cantera, C., Minué Lorenzo, C., Ribera Osca, J.A. & Salguero Chávez, E. (2015). Guía de bolsillo para el tratamiento del tabaquismo. Barcelona, España: semfyc ediciones. Consultado el 09/01/2020. Recuperado de: https://www.saludinforma.es/portalsi/documents/10179/1032403/guiaBAJA.pdf/7f945968-4790-43ac-99ba-bd8855bcd5a3
  • Gorreto López, L., Duro Robles, R., Aguiló Juanola, M.C., Hidalgo Campos, I. & Méndez Castell, C. (2017). Guía de intervención individual para el tratamiento del tabaquismo. Islas Baleares, España: Dirección General de Salud Pública y Participación del Gobierno de las Islas Baleares. Consultado el 09/01/2020. Recuperado de: https://www.ibsalut.es/apmallorca/es/profesionales/publicaciones?catid=0&id=1046
  • López Delgado, M.E., Benito Fernández, B.M., Del Castillo Sedano, M.E., Álvarez Alonso, S., Gutiérrez Bardeci, L., Armentia González, I., Del Amo Santiago, M., Martín Fuente, F. & García Gutiérrez, M.A. (Ed.). (2010). Manual de abordaje del tabaquismo en atención primaria. Cantabria, España: Dirección General de Salud Pública del Gobierno de Cantabria. Consultado el 09/01/2020. Recuperado de: https://saludcantabria.es/index.php?page=MANUAL_ABORDAJE_TABAQUISMO_ATENCIoN-PRIMARIA
  • Prochaska, JO y DiClemente, CC (1982). Terapia transteórica: hacia un modelo de cambio más integrador. Psicoterapia: teoría, investigación y práctica, 19 (3), 276–288. https://doi.org/10.1037/h0088437