Neuroglúten: relação entre glúten e doenças neurológicas

26 Agosto, 2020
O glúten promove um estado de inflamação em pessoas com sensibilidade alterada às proteínas, o que pode causar o aparecimento de doenças neurológicas. O que as pesquisas dizem?
 

O consumo de glúten está associado, em certos casos, a uma maior sintomatologia de certas doenças neurológicas. É o chamado “neuroglúten”. Especialmente em casos de doença celíaca, essa proteína é capaz de danificar certas áreas do córtex cerebral, o que por sua vez causa enxaquecas, esclerose múltipla e epilepsia.

No entanto, esse nutriente não é perigoso para todos. Apenas aqueles que têm uma sensibilidade alterada são suscetíveis a desenvolver essas doenças pelo consumo de glúten.

Neuroglúten e epilepsia

Os pacientes com epilepsia têm uma sensibilidade alterada ao glúten, de acordo com um artigo publicado no Journal of Neurology. No entanto, não se sabe com precisão se a própria patologia altera o metabolismo das proteínas, ou se é o metabolismo alterado que causa o aparecimento desta doença neurológica.

Sabe-se que é aconselhável restringir a ingestão de alimentos que contenham esse nutriente em pacientes com epilepsia. Na verdade, a dieta cetogênica está associada a uma redução significativa da frequência de convulsões.

Sistema nervoso
No momento, não se sabe se a epilepsia afeta o metabolismo do glúten. No entanto, é recomendável evitar essa substância na dieta de pacientes com essa doença.

Saiba mais: Dieta cetogênica: seu objetivo e seus riscos

 

Esclerose múltipla e consumo de glúten

Alguns autores também associam a esclerose múltipla ao consumo de glúten. No entanto, os estudos até o momento não encontraram uma ligação clara com evidências contundentes.

Um artigo publicado na revista Multiple Sclerosis and Related Disorders fornece informações sobre a influência do consumo dessa proteína no desenvolvimento da doença, elaborando um modelo fisiopatológico. No entanto, estudos mais complexos são necessários para confirmar a relação.

Inflamação e doenças neurológicas

Nos últimos anos, tem sido sistematicamente recomendado remover o glúten da dieta. Esse conselho se baseia no fato de que, em certas pessoas com sensibilidade alterada, a proteína é capaz de induzir um estado inflamatório no nível intestinal. Isso pode resultar em disbiose, ou o que é a mesma coisa, em danos à microbiota.

É conhecida por todos a ligação entre a microbiota e a saúde mental, por meio do eixo intestino-cérebro. Essa relação é o que levou à suspeita de que a ingestão da proteína poderia causar danos no sentido de promover doenças neurodegenerativas.

No entanto, a recomendação de redução do consumo de glúten não deve ser estendida a todos. Em pessoas que conseguem metabolizá-lo corretamente, essa proteína não causa dano aparente, pelo menos não há evidências disso.

Alimentos com glúten
Em algumas pessoas, o consumo de glúten está associado a um risco aumentado de doenças neurodegenerativas.
 

Você também pode estar interessado: Como a alimentação influencia a microbiota?

O perigo de eliminar o glúten da dieta

Eliminar o glúten da dieta acarreta certos perigos para aqueles que não sofrem de sensibilidade alterada. Parar de consumir esta proteína produz a interrupção da formação das enzimas necessárias para o seu metabolismo. Isso desencadeia uma intolerância a médio prazo, o que impossibilita sua ingestão posterior.

Por este motivo, exceto por prescrição médica, não é aconselhável suprimir a ingestão de glúten. No momento, não há evidências de que essa substância seja capaz de provocar inflamação em pessoas saudáveis ​​sem alteração da sensibilidade.

Também não há estudos científicos rigorosos que associem esse nutriente ao aparecimento ou agravamento de uma patologia, além da epilepsia. Porém, neste último caso, o paciente se beneficia com a dieta cetogênica, não apenas com a ausência de glúten na dieta.

Relação do neuroglúten com a alimentação

O glúten é uma proteína que não é negativa para grande parte da população. Portanto, não há motivos para restringir o seu consumo. Porém, naqueles indivíduos que sofrem uma alteração da sensibilidade à proteína, a contribuição da mesma pode promover um estado inflamatório prejudicial à saúde.

Nestes casos, é necessário recomendar a restrição desse nutriente. No entanto, a ligação entre o consumo de glúten e o desenvolvimento de doenças neurológicas ainda não é clara, mesmo nesses casos. Existe controvérsia na literatura científica a esse respeito.

 

O conceito de neuroglúten, que liga a proteína a um risco aumentado de doenças neurológicas, precisa ser mais investigado.

No entanto, não há indícios suficientes para se pensar que a proteína é capaz de induzir um estado inflamatório em pessoas sem sensibilidade prévia. As propriedades inflamatórias são atribuídas ao alto consumo de açúcar refinado e de gorduras trans.

  • Julian T., Hadjivassiliou M., Zis P., Gluten sensitivity and epilepsy: a systematic review. J Neurol, 2019. 266 (7): 1557-1565.
  • Thomsen HL., Jessen EB., Passali M., Frederiksen JL., The role of gluten in multiple sclerosis: a systematic review. Mult Scler Relat Disord, 2019. 27: 156-163.