Como a alimentação influencia a microbiota?

23 de fevereiro de 2020
A alimentação influencia significativamente a microbiota intestinal. Nossos hábitos alimentares alteram a composição dos microrganismos que temos no intestino.

O que comemos influencia muito a estrutura e a composição dos nossos micróbios intestinais. A primeira prova disso foi obtida comparando amostras de microbiota fecal de diferentes espécies de mamíferos. Você quer saber como a alimentação influencia a microbiota intestinal e qual dieta devemos seguir? Descubra a seguir.

A composição da microbiota

O que é a microbiota intestinal?

A microbiota intestinal é a coleção de micróbios que residem no trato gastrointestinal. É composta por mais de 1.000 espécies diferentes que fornecem 3,3 milhões de genes microbianos únicos no trato gastrointestinal de seres humanos.

Esse complexo ecossistema inclui bactérias, vírus, fungos e parasitas que vivem em relações simbióticas com seu hospedeiro. Por outro lado, outros micróbios que possuem características potencialmente patogênicas também coexistem.

Diferentes mecanismos envolvidos na manutenção ou alteração deste ecossistema foram estudados. Por exemplo:

  • Genética
  • Contato direto com a flora vaginal da mãe durante o parto
  • Amamentação
  • Uso excessivo de antibióticos
  • Alimentação

Por exemplo, bebês nascidos por via vaginal adquirem a flora vaginal da mãe, que inclui Bacteroides, bifidobacterias, lactobacilos e Escherichia coli. Por outro lado, os nascidos por cesariana têm níveis aumentados de bactérias da pele, como Staphylococcus spp.

O que isso significa para a nossa saúde?

Além do período pós-natal, a microbiota é necessária para induzir mecanismos reguladores para manter a mucosa e a imunidade. Assim, um ecossistema adequado permite gerar respostas ótimas contra patógenos. Pelo contrário, uma alteração do equilíbrio ecológico conhecida como disbiose intestinal aumentará a inflamação e a suscetibilidade a infecções.

Isso poderia gerar doenças como obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, doenças neurodegenerativas ou câncer. É por isso que é tão importante cuidar da nossa microbiota.

O efeito dos antibióticos na microbiota
Os antibióticos causam alterações na microbiota intestinal da mesma maneira que a alimentação.

Não deixe de ler: Hábitos que prejudicam o intestino

Como a alimentação influencia a microbiota?

A comida é um dos fatores mais importantes para a nossa microbiota. Diferentes dietas estão sendo estudadas em relação à microbiota intestinal.

Uma dieta:

  • Rica em fibras, frutas e vegetais afeta positivamente a composição da microbiota.
  • O aumento de proteínas e gorduras animais, juntamente com a ausência de fibras alimentares, aumenta a presença de microrganismos tolerantes aos sais biliares.

Foram estudadas as diferenças alimentares entre várias populações humanas. Assim, foi possível explicar a variabilidade na taxonomia do ecossistema microbiano intestinal nas diferentes populações.

Por exemplo, a microbiota de crianças africanas tem uma maior presença de espécies do gênero Prevotella, menor presença de espécies de Bacteroides, maior diversidade microbiana e maior produção de ácidos graxos de cadeia curta em comparação com a microbiota de crianças europeias.

Esta diferença é principalmente devido à dieta. A dieta agrária das crianças africanas é rica em grãos integrais, fibras e proteínas vegetais, o que beneficia a microbiota em comparação com a dieta das crianças ocidentais. Estas últimas têm dietas ricas em proteínas, gorduras animais, açúcares, cereais refinados, e pobres em fibras.

Dieta mediterrânea

Dieta mediterrânea

A dieta mais estudada é provavelmente a dieta mediterrânea. Em diferentes estudos, foi observado como essa dieta, devido ao seu teor em ácidos graxos poli-insaturados e monoinsaturados, fibras e antioxidantes, traz importantes benefícios para a prevenção de doenças cardiovasculares.

Além disso, também sabemos que essa dieta participa da manutenção de um ecossistema microbiano saudável. Em pacientes com síndrome metabólica, foi realizado um estudo de intervenção por dois anos, comparando uma dieta mediterrânea com uma dieta pobre em gordura e rica em carboidratos.

Os resultados indicaram que a manutenção de uma dieta mediterrânea a longo prazo faz com que as bactérias benéficas se recuperem nesse tipo de pessoa. Além disso, a dieta mediterrânea melhora a sensibilidade à insulina em pessoas com obesidade.

Um dos parâmetros considerados mais benéficos na dieta mediterrânea é o alto teor de polifenóis que ela contém. Embora essas moléculas não sejam absorvidas a nível intestinal, quando atingem o cólon, são metabolizadas pela microbiota intestinal, o que resulta em diferentes ácidos fenólicos.

Quer saber mais? Então leia: Dieta para evitar a disbiose intestinal

Se a alimentação influencia a microbiota, qual dieta devemos adotar?

De acordo com o que vimos nesses estudos, podemos concluir que é melhor:

  • Manter uma dieta rica em polifenóis e fibras contidas em vegetais, frutas e leguminosas.
  • Ingerir menos produtos de origem animal (peixe, carne, ovos, laticínios)
  • Eliminar alimentos refinados e industrializados da dieta.

Seguindo esse tipo de dieta, o corpo pode manter uma diversidade microbiana e evitar certas doenças.

  • Conlon MA, Bird AR. The impact of diet and lifestyle on gut microbiota and human health. Nutrients. MDPI AG; 2015;7(1):17–44.
  • Haro, C., Garcia-Carpintero, S., Alcala-Diaz, J. F., Gomez-Delgado, F., Delgado-Lista, J., Perez-Martinez, P., … Perez-Jimenez, F. (2016). The gut microbial community in metabolic syndrome patients is modified by diet. The Journal of nutritional biochemistry27, 27–31. doi:10.1016/j.jnutbio.2015.08.011
  • Haro C, Montes-Borrego M, Rangel-Zúñiga OA, Alcalá-Díaz JF, Gómez-Delgado F, Pérez-Martínez P, et al. Two Healthy Diets Modulate Gut Microbial Community Improving Insulin Sensitivity in a Human Obese Population. J Clin Endocrinol Metab. 2016; 101(1):233–42.
  • Schnorr, S. L., Candela, M., Rampelli, S., Centanni, M., Consolandi, C., Basaglia, G., … Crittenden, A. N. (2014). Gut microbiome of the Hadza hunter-gatherers. Nature communications5, 3654. doi:10.1038/ncomms4654