Dieta para evitar a disbiose intestinal

29 de março de 2019
Um estilo de vida e alimentação desordenada podem trazer muitas complicações na saúde dos indivíduos. A disbiose intestinal é uma delas, e aqui explicamos em que consiste.
A disbiose intestinal é uma doença relacionada ao desequilíbrio das bactérias, lactobacilos, e bifidobactérias que estão alojadas nos intestinos, na chamada flora natural intestinal.

Estas são favoráveis ​​para a saúde do indivíduo, porque contribuem para a boa digestão dos alimentos, absorção de nutrientes, produção de vitamina B e K, e fortalecem o sistema imunológico do corpo.

As causas dessa patologia geralmente estão relacionadas a vários fatores, como:

  • Estresse
  • Sedentarismo
  • Insônia
  • Alcoolismo
  • Tabagismo
  • Uso excessivo de antibióticos
  • Abuso de proteínas e açúcares simples

Todos são componentes relacionados a um estilo de vida inadequado e má alimentação, que acabam reduzindo a quantidade de bactérias benéficas.

Sem dúvida alguma, essas mudanças geradas na flora intestinal natural colocam as pessoas em uma posição vulnerável. Desta forma aumenta o risco de sofrer ou agravar certas doenças: prisão de ventre crônica, inflamação intestinal, proliferação fúngica, intestino irritável, gases, e fadiga geral.

Por isso, torna-se tão importante ter uma alimentação balanceada através de uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis, capazes de garantir a saúde física e mental. A partir deste princípio, nas linhas seguintes, apresentamos a fórmula nutricional para prevenir a disbiose intestinal.

Você estaria interessado em ler? Alho: um potente estimulador do sistema imunológico

Dieta para a disbiose intestinal

Certamente, a flora intestinal natural é composta por mais de 100 bilhões de bactérias, das quais 85% são saudáveis ​​para o corpo.

Dieta para a disbiose intestinal

Elas se alimentam e se reproduzem a partir do consumo de alimentos com alto teor de carboidratos, apresentados na forma de fibra e amido. Portanto, recomenda-se uma dieta rica em alimentos prebióticos, antibióticos, e probióticos.

Alimentos prebióticos

São aqueles que não podem ser processados ​​ou digeridos pelo corpo. No entanto, devido à fermentação da fibra que contêm, estimulam o crescimento das bactérias saudáveis ​​encontradas no intestino, favorecendo o seu equilíbrio. Entre esses alimentos encontramos:

  • Alcachofra
  • Banana
  • Alho
  • Cebola
  • Batata
  • Aveia
  • Trigo
  • Espargos

Alimentos prebióticos

De acordo com uma pesquisa realizada na Universidade Católica de Louvain, na Bélgica, esses alimentos não só têm funções no trato intestinal. Os alimentos prebióticos também facilitam a absorção de cálcio e outros minerais, como magnésio e ferro.

Além disso, a densidade óssea pode ser melhorada, a osteoporose é evitada, e o perfil lipídico é favorecido com a metabolização no fígado. Portanto, os altos níveis de triglicérides diminuem.

Alimento antibiótico

São aqueles que agem como antibióticos naturais, que servem para neutralizar qualquer doença que tenha sido gerada em nosso intestino, evitando o aparecimento de outras. Ou seja, eles fortalecem o sistema imunológico.

Entre eles temos frutas como os morangos, as mangas, os kiwis e as frutas cítricasLegumes, como o alho, a cebola e o tomate. Especiarias como o gengibre e a canela. Ervas como o orégano e o alecrim.

Como evitar a disbiose intestinal com alimentos probióticos

Alimentos probióticos

Os probióticos são micro-organismos vivos que são encontrados no sistema digestivo. Desde que sejam administrados nas quantidades certas, trarão benefícios para a saúde dos pacientes.

Em relação aos alimentos, nos referimos àqueles que são compostos de micro-organismos que permanecem vivos dentro do intestino e aderem à mucosa intestinal de suas paredes, para estimular os sucos digestivos que melhoram o processo de digestão. Além disso, são um estímulo para a alimentação e crescimento de bactérias saudáveis.

Você pode consumi-los através de alimentos fermentados ou suplementos, como iogurte, leite de vaca ou cabra fermentado, azeitonas, chocolate amargo, repolho fermentado, entre outros.

Você deveria ler: Bebida caseira com casca de abacaxi para recompor a flora intestinal

Como o vinho tinto beneficia você?

Como evitar a disbiose intestinal com vinho tinto

Além desses três tipos de alimentos para tratar a disbiose intestinal, o consumo de vinho tinto é recomendado devido ao seu conteúdo de polifenol, que favorece positivamente a flora intestinal.

Várias pesquisas determinaram que o polifenol ajuda a fortalecer o sistema imunológico do indivíduo, e inibe a reprodução de bactérias nocivas ao organismo.

Evite o excesso de proteínas

Por outro lado, é necessário deixar de lado as dietas hiperproteicas. Isso ocorre porque o alto consumo de proteína pode estimular o aumento de células negativas no sistema digestivo, o que provoca a toxemia intestinal (dificuldade para evacuar) e encurta a vida das bactérias benéficas.

Em relação aos dados do Instituto de Nutrição Celular Inteligente (INCA), a proteína não digerida é fermentada por bactérias no cólon com a consequente produção de toxinas, como amônia ou amina.

A amônia modifica a morfologia e o metabolismo das células intestinaisIsso reduz sua vida útil, e favorece o crescimento de células intestinais cancerígenas.

Em conclusão, você tem várias alternativas para controlar e prevenir a disbiose intestinal. No entanto, lembre-se de que você sempre precisa da opinião de um profissional de saúde.

  • Francesch, M. “Disbiosis intestinal.” Proceedings of the XLIV Symposium Científico de AECA-WPSA, Valencia, Spain. Sección Española de la Asociación Mundial de Avicultura Científica, Barcelona, Spain. 2007.
  • Icaza-Chávez, M. E. “Microbiota intestinal en la salud y la enfermedad.” Revista de Gastroenterología de México 78.4 (2013): 240-248.
  • Manrique Vergara, David, et al. “Probióticos: más allá de la salud intestinal.” Nutrición Hospitalaria 30 (2014).
  • Pueyo, Blanca, and Núria Mach. “Disbiosis intestinal en enfermos de Crohn pediátricos.” Nutrición Hospitalaria 28.6 (2013): 1820-1828.