Loratadina: para que serve e quais são suas contraindicações?

27 Setembro, 2020
A loratadina é um medicamento que interage com os receptores da histamina H1. Especificamente, compete com a histamina pela ligação a esse tipo de receptor.

Loratadina é um medicamento anti-histamínico H-1 ativo usado para tratar sintomas de alergia, administrado por via oral.

Ao contrário de outros medicamentos anti-histamínicos, como astemizol ou terfenadina, a loratadina não causa sedação.

Isso ocorre devido à sua pequena penetração no sistema nervoso central e à sua baixa afinidade pelos receptores H-1 nesta parte do organismo. Este medicamento também não está associado a torsades de pointes, que são taquicardias ventriculares.

A loratadina geralmente é combinada com outro medicamento, a pseudoefedrina, que é um descongestionante útil para tratar resfriados e para reduzir sintomas alérgicos.

Também é indicada para aliviar os sintomas da urticária crônica e outras condições dermatológicas alérgicas. Além disso, é eficaz para o tratamento e controle de sintomas de rinite alérgica, como espirros, coriza e coceira.

Por outro lado, ajuda a aliviar a conjuntivite alérgica e seus sintomas, como lacrimejamento e ardência nos olhos.

Como são desencadeados os sintomas alérgicos?

A loratadina alivia os sintoma alérgicos

A alergia é uma reação aumentada do corpo a partículas ou substâncias que são inofensivas para a maioria das proteínas. As substâncias que causam alergias são chamadas de alérgenos, e os sintomas são definidos como “reações alérgicas”.

Quando um alérgeno entra no corpo de uma pessoa alérgica a ele, o sistema imunológico, que são as defesas inatas do organismo, responde produzindo muitos anticorpos contra essa substância.

Os anticorpos são moléculas de proteína responsáveis ​​pelo combate à substância estranha que entrou no organismo.

A exposição sucessiva ao mesmo alérgeno fará com que esse anticorpo provoque a liberação de mediadores químicos que causarão os sintomas típicos da reação alérgica.

Entre esses sintomas, podemos destacar:

  • Cutâneos: vermelhidão, inflamação, coceira, erupção.
  • Olhos e ouvidos: coceira, olhos vermelhos e lacrimejamento.
  • Trato respiratório: espirros, tosse e coceira na garganta.
  • Digestivos: lesões cutâneas, respiratórias e vômitos.

Descubra: Por que sou alérgico? Quais são os sintomas da alergia?

Mecanismo de ação: como a loratadina exerce o seu efeito no organismo?

Anti-histamínicos

Como dissemos, a loratadina é uma droga que interage com os receptores da histamina H1. Especificamente, compete com a histamina pela ligação a esse tipo de receptor.

Trata-se de um antagonismo competitivo que impede a histamina de se ligar ao seu receptor e bloqueia seus efeitos nos receptores do trato digestivo, útero, grandes vasos e músculos brônquicos.

Os bloqueadores H1 têm várias propriedades que compartilham com anticolinérgicos, antiespasmódicos e bloqueadores gangliotônicos e adrenérgicos.

Entretanto, a loratadina é praticamente desprovida de efeitos anticolinérgicos, e estudos in vitro demonstraram que este medicamento possui apenas uma fraca afinidade pelos receptores colinérgicos e alfa-adrenérgicos.

Leia também: Os 5 principais remédios para a alergia ao pólen

Contraindicações do uso de loratadina

Médico receitando fármacos para alergias

Este medicamento é contraindicado em pessoas com hipersensibilidade conhecida. A pequena atividade anticolinérgica dos anti-histamínicos H1 pode causar o espessamento das secreções brônquicas.

Dessa maneira, ataques agudos de asma podem ser agravados. No entanto, essa atividade anticolinérgica não exclui o uso de anti-histamínicos em pacientes asmáticos, particularmente quando são utilizados medicamentos como a loratadina com um componente anticolinérgico mínimo.

Além disso, a loratadina pode causar torpor e sonolência em alguns pacientes. Por esse motivo, é essencial informar aos usuários sobre o perigo de dirigir ou usar máquinas perigosas se estiverem em tratamento com este medicamento.

Por outro lado, é importante observar que em crianças menores de 2 anos a segurança e eficácia deste medicamento ainda não foram estabelecidas. Portanto, não deve ser utilizado neste grupo populacional.

As mulheres que amamentam devem evitar o consumo de loratadina, pois ela é excretada, em parte, no leite materno.

Conclusão

A loratadina é um medicamento amplamente utilizado para combater sintomas alérgicos. Sua eficácia se deve à capacidade de interagir com os receptores da histamina H1, impedindo a ligação da histamina a eles.

Tem a vantagem de não provocar sedação em pacientes que a utilizam. No entanto, é contraindicada em várias situações devido às complicações que pode causar.

Se tiver dúvidas, consulte seu médico ou farmacêutico sobre o tratamento com loratadina e não hesite em comentar qualquer efeito que sentir após o tratamento com este medicamento.

  • Aguilar, A. G. (1996). Antihistamínicos. Revista Alergia Mexico.
  • Álvarez Navascués, R., Bastardo, Z., Fernández Díaz, M., Guerediaga, J., Quiñones, L., & Pinto, J. (2003). Loratadina y nefritis intersticial aguda. Nefrologia.
  • Gomez, C. (2003). Los antihistamínicos y sus usos. Cimed.