Histamina: síntese, liberação e funções

13 Junho, 2020
A histamina é uma substância endógena armazenada em células chamadas de mastócitos. Ela participa de vários processos fisiológicos que veremos abaixo.
 

A histamina é uma amina biogênica que está envolvida nas respostas locais do sistema imunológico. Essa molécula também regula as funções normais do estômago e atua como um neurotransmissor no sistema nervoso central (SNC). Além disso, fora do SNC, atua como mediadora de inúmeros processos fisiológicos.

Desde a década de 1950, sabe-se que esta molécula está no cérebro, mas até recentemente suas funções eram desconhecidas.

No sistema, a histamina é armazenada principalmente nos mastócitos do tecido conjuntivo e nas células basofílicas do sangue. Essas células são eminentemente secretoras e constituem um sistema que responde a uma ampla variedade de estímulos endógenos e exógenos, por meio de múltiplos mecanismos celulares.

Sob condições normais, a histamina dos mastócitos é armazenada em grânulos secretores contendo uma matriz de heparina e várias proteínas. Juntamente com várias hidrolases, está associada, em grande parte, à matriz por ligações iônicas, mas uma pequena parte pode estar em forma livre.

Mecanismos de liberação

Neurônios cerebrais
A histamina participa de vários processos fisiológicos. Entre eles, atua como um importante regulador de neurotransmissores.

Para que a histamina seja liberada, ela deve atravessar as membranas granular e celular. A liberação pode ser citotóxica, após a ruptura de ambas as membranas, ou exocitótica, por meio da fusão prévia destas, sem deterioração celular.

 

A histamina é liberada no decorrer de processos fisiológicos, como a secreção do suco gástrico. Porém, sua participação em processos patológicos é muito mais conhecida, quando é liberada de maneira mais ou menos explosiva, como ocorre nas reações inflamatórias e nas reações imediatas de hipersensibilidade.

Existem vários agentes físicos e químicos que causam a liberação de histamina. Entre os físicos estão:

  • Calor
  • Radiações
  • Frio
  • Trauma

Quanto ao último, o número e a variedade são extraordinários e elas precisam encontrar moléculas receptoras na membrana com a qual interagem.

Dependendo do tipo de interação, diferentes sequências de etapas serão acionadas, o que invariavelmente acabará aumentando a concentração intracelular de cálcio. Entre esses estímulos, podemos citar, por exemplo:

  • Antígenos
  • Agentes citotóxicos
  • Enzimas

Resposta geral da histamina no corpo humano

Histamina
A histamina é a molécula mais representativa no choque anafilático. Diante da presença de alérgenos, ela é liberada de forma massiva.

Quando a histamina é injetada na circulação geral, pode causar vermelhidão da pele, taquicardia, dor de cabeça latejante e hipotensão. Além disso, esses efeitos são diretamente dependentes da dose, ou seja, aumentando a dose administrada de histamina, os efeitos são potencializados.

 

Localmente, provoca edema, prurido, urticária e broncoconstrição. Além disso, broncoconstrição contribui com outros mediadores para o choque anafilático. Por outro lado, seu papel na resposta imunológica, na inflamação, na secreção gástrica e na regulação circulatória, entre outras funções que veremos abaixo, é evidente.

Leia também: O que são as imunoglobulinas?

Funções da histamina no corpo

Existem muitas funções que a histamina desempenha em nosso corpo. Entre elas, destacaremos cinco principais.

Processos alérgicos

A histamina é considerada um modulador das respostas imunes humoral e celular, e é a principal mediadora das reações de hipersensibilidade. Se aplicada em grandes doses ou liberada durante a anafilaxia, causa uma intensa diminuição da pressão arterial.

Neurotransmissão

A histamina pode atuar como um neuromodulador, regulando as respostas a outros neurotransmissores. Também interage com acetilcolina, opiáceos, GABA, etc. Além disso, aumenta a excitabilidade dos neurônios do SNC. Regula as funções hipotalâmicas, a relação vigília/sono, regula o apetite e as funções vegetativas.

Regulação cardiovascular

Vasos sanguíneos
Com um importante papel imunológico, a histamina faz com que a vasodilatação atraia mais células imunes.
 

Atua como vasodilatador ao interagir com seus receptores. A liberação de histamina leva a um aumento na permeabilidade capilar, devido aos efeitos nos pequenos vasos, como consequência do fluxo de proteínas e líquidos plasmáticos para os espaços extracelulares.

Não deixe de ler: Quais são as gorduras essenciais para o cérebro?

Ação no músculo liso extravascular

Esta substância provoca contração dos músculos lisos. As respostas variam muito, mesmo na mesma pessoa; assim, pequenas doses da molécula também desencadeiam broncoconstrição em pessoas com asma brônquica, como vimos anteriormente.

Descarga de suco gástrico

Finalmente, a histamina atua como um poderoso secretagogo gástrico e desencadeia a excreção ácida pelas células parietais. Além disso, também aumenta significativamente a produção de pepsinogênio e fator intrínseco. Portanto, é a mediadora predominante da secreção ácida do estômago, pela estimulação dos receptores H2.

 
  • Cienfuegos, A. (2010). Secreción gástrica e inhibidores de bomba de protones. Red de Revistas Científicas de América Latina y El Caribe, España y Portugal. Retrieved from https://www.redalyc.org/html/3377/337731595018/
  • Sociedad Española de Inmunología Clínica, A. y A. P. (n.d.). Anafilaxia. Retrieved April 13, 2019, from http://pacientes.seicap.es/es/anafilaxia_23857