Freio do pênis curto: sintomas, cuidados e tratamento

O freio do pênis curto limita a vida sexual e pode causar diversos desconfortos, além de facilitar infecções genitais. Existem várias opções de tratamento, de acordo com a gravidade dessa alteração.
Freio do pênis curto: sintomas, cuidados e tratamento

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 09 agosto, 2022

O freio do pênis curto é conhecido como frenelum breve, ou frênulo curto. Trata-se de uma alteração anatômica que pode afetar os homens desde o nascimento ou se desenvolver posteriormente. Ao contrário da fimose, essa alteração nem sempre se corrige por conta própria com o passar do tempo.

O frênulo é uma dobra de pele que une o prepúcio à glande. Tem a forma de um “V” e, quando é muito curto, cria uma forte tensão quando puxado para trás, ou durante a ereção. O freio do pênis curto pode causar dor intensa e sangramento durante a relação sexual.

Existem várias alternativas de tratamento para esta alteração. É possível que sejam recomendados medicamentos ou exercícios. Caso isso não funcione, o freio do pênis curto pode ser corrigido por meio de uma cirurgia.

O freio do pênis curto

Coceira no pênis.
O freio do pênis curto é uma condição que geralmente requer cirurgia.

Na maioria dos casos, o freio do pênis curto é fácil de identificar. Esta dobra une a parte inferior da glande com a superfície interna do prepúcio. Se, ao puxar para trás o prepúcio, que é a pele que cobre a glande, houver uma sensação de pressão, é quase certo que o problema está presente.

Além disso, quando um homem tem uma ereção e percebe que a parte inferior do pênis “puxa” a glande para baixo, é muito provável que exista essa alteração. Alguns só a percebem porque sentem dor durante a relação sexual. Estima-se que até 50% desse tipo de dor corresponda ao freio do pênis curto.

A função do frênulo é devolver o prepúcio retraído à sua posição normal, quando o pênis está em estado de flacidez. Por outro lado, esta é uma zona erógena de grande sensibilidade. Além disso, também facilita o ato sexual, pois permite o deslocamento do prepúcio.

As razões para a presença do freio do pênis curto são as seguintes:

  • Causas genéticas ou congênitas. Estão presentes desde o nascimento e têm a ver com a herança genética.
  • Infecções genitais. Causam inflamação e fazem com que a área engrosse. Isso se conhece como fibrose e leva ao encurtamento do tecido do frênulo.
  • Fimose.
  • Ruptura do frênulo. Se ocorrer e não houver uma cicatrização adequada, isso levará ao encurtamento dessa área da pele, originando assim o freio do pênis curto.

Riscos

O freio do pênis curto em si não é considerado uma patologia, mas sim uma alteração. O problema é que isso causa desconforto e dor durante a relação sexual. Da mesma forma, também não permite uma higiene íntima completa, o que favorece as infecções.

Este problema anatômico também aumenta o risco de ruptura do frênulo. Se isso acontece, há dor e sangramento, embora não se considere como uma emergência médica. Porém, isso pode levar a complicações que requerem tratamento profissional.

Às vezes, a dor é tão intensa durante as relações sexuais que o paciente é forçado a se abster delas e até mesmo de se masturbar. Isso pode levar a importantes efeitos psicossociais em uma pessoa.

Sintomas do freio do pênis curto

Na maioria dos casos, o freio do pênis curto obedece a causas genéticas. Está presente desde o nascimento e se torna cada vez mais evidente com o desenvolvimento. O mais comum é detectá-lo durante a puberdade e o principal sintoma é uma dor lancinante que ocorre ao tentar retrair o prepúcio.

Esta dor se torna evidente quando há uma ereção, ou durante a masturbação e a relação sexual. Muitas vezes, a tensão forçada causa rachaduras nessa área da pele, levando a coceira e irritação do prepúcio.

O médico responsável pelo diagnóstico e tratamento do freio do pênis curto é o especialista em urologia. Ele é capaz de detectar essa alteração por meio de um exame físico. De acordo com cada caso, ele indicará o tratamento mais conveniente.

Tratamento

Não há como prevenir o freio do pênis curto. Portanto, essa condição só pode ser resolvida por meio do tratamento. Em casos mais leves, geralmente se utiliza o manejo conservador, ou seja, sem cirurgia.

Também pode ser do seu interesse: Saiba mais sobre a fimose

Este tratamento consiste em realizar alongamentos suaves do frênulo, repetidamente, várias vezes ao dia. Isso tem como objetivo aumentar a elasticidade do tecido, reduzindo ao mesmo tempo a sua inflamação e espessura. O indicado é fazer os exercícios durante um período de quatro a seis semanas.

É possível que o tratamento acima seja complementado pelo uso de pomadas com corticosteroides. Porém, se não for obtido nenhum resultado após o tempo indicado, o mais comum é recorrer a uma cirurgia.

Cirurgia para o freio do pênis curto

Existem vários tipos de procedimentos que podem ser realizados para corrigir o freio do pênis curto. O mais comum é uma cirurgia chamada “frenuloplastia”. Ela leva cerca de 30 minutos e pode ser feita no consultório do urologista sob anestesia local.

Neste tipo de cirurgia, é feita uma secção transversal do frênulo com o pênis estendido. Isso permite eliminar a tensão. Realiza-se com um bisturi frio ou elétrico. Ao final, é feita uma sutura e envolve-se a área com gaze, muitas vezes impregnada com substâncias antibióticas.

Outra opção de cirurgia é a frenulectomia, que consiste na remoção completa do frênulo. Isso elimina a tensão e resolve o problema. Além disso, também é possível fazer uma circuncisão, procedimento no qual se remove o prepúcio distal que cobre a glande. Este contém o frênulo e também resolve a alteração.

Cuidados

Tratamento para candidíase.
O freio do pênis curto geralmente causa dor durante a masturbação e a relação sexual.

O mais comum é que, após a cirurgia, prescrevam-se analgésicos e anti-inflamatórios para tratar a dor. Geralmente não há prescrição de antibióticos. O mais recomendável é que o paciente mantenha o pênis para cima, usando um curativo ou roupa íntima justa.

Se houver sangramento leve, é indicado fazer uma pinça com o indicador e o polegar, apertando a área durante alguns minutos. Para isso, é preciso usar uma gaze limpa. Além disso, também é importante fazer a higiene diária com água e sabonete neutro. É comum que se recomende fazer um curativo todos os dias com iodopovidona.

O paciente deve evitar as relações sexuais ou a masturbação no mês seguinte à cirurgia. Por fim, se houver dor intensa, hemorragia intensa ou sinais de infecção, é preciso consultar um médico o mais rápido possível.

Se você suspeita que tem o freio do pênis curto, consulte o seu médico

Muitos homens sentem apreensão diante da cirurgia como forma de corrigir o freio do pênis curto. No entanto, esta é uma excelente opção. Afinal, esta não é uma intervenção complicada, além de resolver o problema para sempre.

É importante que o diagnóstico de freio do pênis curto seja feito pelo médico. Muitas vezes, confunde-se essa alteração com a fimose, que é uma patologia distinta. No entanto, às vezes os dois problemas coexistem. Assim, o melhor a fazer é procurar um especialista.

Pode interessar a você...
Papel da testosterona na disfunção erétil
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Papel da testosterona na disfunção erétil

Quando há uma incapacidade repetida de conseguir uma ereção, falamos de disfunção erétil. Qual é o papel da testosterona na disfunção erétil? Descu...



  • Faure, A., Bouali, O., Boissier, R., Panait, N., & Mouriquand, P. (2017). Estrechamiento del prepucio en el niño y el adulto (fisiológico y patológico). EMC-Urología, 49(4), 1-11.
  • Berger, J. (2017). Zona erógena. Invndación Castálida, 2(1), 67-69.
  • Valerio, V., & Anibal, J. (2019, January). Dispareunia masculina. In Anales de la Facultad de Medicina (Vol. 80, No. 1, pp. 79-85). UNMSM. Facultad de Medicina.