Como a terapia sexual ajuda a resolver problemas de ereção?

Os problemas de ereção podem afetar a autoestima e a qualidade do relacionamento. Nesses casos, a terapia sexual oferece bons resultados. Descubra em que consiste.
Como a terapia sexual ajuda a resolver problemas de ereção?

Última atualização: 12 Julho, 2021

Os problemas de ereção são uma das disfunções sexuais mais comuns nos homens e, também, uma das que causam maior desconforto pessoal e para o casal. Não é nada raro que esses tipos de dificuldades surjam esporadicamente ou de vez em quando.

No entanto, quando na maioria das interações sexuais não é possível obter ou manter uma ereção suficiente, somos confrontados com um diagnóstico de disfunção erétil. Nesses casos, a terapia sexual é uma das intervenções mais eficazes.

A disfunção erétil (ou impotência) pode ser primária ou secundária. Depende se a ereção adequada nunca foi alcançada ou se, após relações sexuais sem dificuldade, os problemas começaram a surgir. Além disso, pode ter origem fisiológica e psicológica. Em qualquer dos casos, a abordagem psicoterapêutica pode ser de grande ajuda.

Em que consiste a terapia sexual?

Terapia sexual para problemas de ereção
A disfunção erétil é um dos problemas sexuais mais comuns nos homens.

A terapia sexual é um tipo de psicoterapia que visa identificar e intervir nos diversos problemas que surgem nas relações íntimas. Assim, pode ajudar homens e mulheres de qualquer idade a melhorar a qualidade de sua vida sexual e amorosa.

Em geral, a terapia sexual trata das disfunções presentes em qualquer uma das fases da resposta sexual: desejo, excitação, platô, orgasmo e resolução. Além disso, muitas vezes envolve também o casal, enfatizando aspectos sociais e relacionais. Desta forma, é possível oferecer uma solução mais completa.

Como isso ajuda a resolver os problemas de ereção?

Os problemas de ereção podem ter uma causa orgânica. Ou seja, podem ser derivados de doenças (diabetes, problemas cardíacos ou do sistema nervoso), do uso de medicamentos ou de alterações hormonais.

No entanto, em muitas ocasiões, são as crenças erradas e certas emoções, como o medo e a ansiedade, que desencadeiam a disfunção. Assim, a terapia sexual fornece ferramentas para que a pessoa com o problema possa reduzir o impacto dessas variáveis.

Mesmo nos casos de origem fisiológica, a abordagem psicológica é relevante para aprender a lidar com as dificuldades e melhorar a autoestima e o relacionamento. Portanto, uma intervenção combinada com medicamentos e terapia sexual pode ser a melhor escolha.

Estratégias para lidar com problemas de ereção com a terapia sexual

A terapia sexual pode incluir várias estratégias para resolver os problemas de ereção. No entanto, é preciso avaliar cada caso particular para identificar os fatores de origem. Desta forma, será possível definir uma intervenção mais personalizada. No entanto, geralmente utilizam-se as seguintes técnicas.

Psicoeducação

A psicoeducação consiste em fornecer informações ao casal sobre a sexualidade. O objetivo é obter uma melhor compreensão da resposta sexual humana e de quais fatores fisiológicos e emocionais podem influenciar a disfunção.

Além disso, essa estratégia também é útil para desfazer mitos e falsas crenças sobre a sexualidade que podem levar à culpa e à vergonha e impedir de desfrutar os relacionamentos de maneira saudável.

Reestruturação cognitiva

Os padrões de pensamento rígidos têm uma grande influência na incapacidade de obter uma ereção. Crenças como: «Tenho de ter uma ereção sempre e rapidamente», «O meu valor como homem e como parceiro depende do meu desempenho sexual», «Já tive problemas de ereção antes, então vou ter sempre» são muito prejudiciais.

Esse tipo de abordagem gera uma enorme ansiedade que leva à disfunção erétil. Portanto, a reestruturação cognitiva concentra-se em identificar esses pensamentos e substituí-los por outros mais flexíveis e ajustados à realidade.

Foco sensorial

O foco sensorial estimula o sexo
Acariciar-se e concentrar-se nas sensações é uma das recomendações da terapia no caso de disfunção erétil.

Muitos dos homens com disfunção erétil têm o que é chamado de ansiedade de desempenho. Este termo designa a pressão psicológica experimentada durante a relação sexual devido ao desejo de satisfazer a parceira.

O foco excessivo colocado em agradar o outro faz com que o homem se desconecte das suas próprias emoções e sensações corporais, de modo que não desfruta do intercâmbio de prazeres.

Assim, o foco sensorial consiste em prescrever ao casal uma série de encontros nos quais a relação sexual é proibida. Durante esses encontros, os parceiros devem se acariciar em turnos e tentar se conectar com seus próprios sentimentos e os do outro,

Inicialmente, os órgãos genitais serão excluídos desta sessão de carícias, mas posteriormente também serão incluídos. Em qualquer dos casos, ao eliminar a possibilidade de relação sexual, a pressão se reduz e ambos podem se concentrar em desfrutar e sentir.

Eficácia da terapia sexual nos problemas de ereção

Existem outras estratégias, como a dessensibilização sistemática e o trabalho com o vínculo do casal, que tornam a intervenção mais completa. No entanto, reduzir a ansiedade e modificar as crenças são os pilares da terapia sexual neste caso.

Geralmente, são intervenções de curto ou médio prazo que oferecem bons resultados. Após a terapia, não apenas a disfunção erétil melhora, mas aumenta a autoestima do paciente e a satisfação de ambos. Por esse motivo, as técnicas cognitivo-comportamentais são as mais comumente utilizadas.

Pode interessar a você...
5 mitos sobre o sexo
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 mitos sobre o sexo

Os mitos sobre sexo são apenas isso, mitos, e não somos conscientes do dano que causam até que afetam os relacionamentos e nossa maneira de ver os ...



  • del Pilar Ceballos, M., Villarraga, J. D. Á., Herrera, J. M. S., Uribe, J. F., & Mantilla, D. (2015). Guía de disfunción eréctil. Sociedad Colombiana de Urología. Revista Urología Colombiana24(3), 185-e2.
  • Pomerol Monseny, J. M. (2010). Disfunción eréctil de origen psicógeno. Archivos Españoles de Urología (Ed. impresa)63(8), 599-602.
  • Labrador, F. J., & Crespo, M. (2001). Tratamientos psicológicos eficaces para las disfunciones sexuales. Psicothema, 428-441.