O que é a fimose ou aderência do prepúcio?

07 Outubro, 2020
A fimose é um problema bastante comum, principalmente em jovens. Estima-se que cerca de 2% dos adolescentes com 17 anos sofram dessa anormalidade no pênis.

A fimose é uma anomalia congênita que ocorre em homens nos quais o prepúcio é muito estreito para permitir a exposição da cabeça do pênis ou da glande.

Os meninos recém-nascidos têm uma aderência entre o prepúcio e a glande que pode ser mantida durante a infância.

Especialistas em urologia, como o Dr. Jesús Moreno, explicam que o normal é conseguir retrair o prepúcio em um estado de flacidez e em uma ereção entre os doze e os quatorze anos. Se isso não for possível, falamos de fimose.

A fimose é bastante comum, principalmente em crianças antes da adolescência. Estima-se que cerca de 2% dos adolescentes com 17 anos sofram de fimose.

A retração prepucial é difícil em 95% dos recém-nascidos. Aos 6 meses, apenas 20% dos prepúcios são retráteis. Em um ano, 50% adquirem esta capacidade, e este número chega a 90% aos 3 anos.

Causas da fimose

Problemas no pênis

Acredita-se que a causa da fimose seja congênita, mas ela também pode ser provocada por retrações forçadas do prepúcio dos bebês durante a higiene feita pelos pais. Esses movimentos forçados favorecem a criação de anéis fibrosos nas aderências do prepúcio e do balanoprepucial.

Leia também: Espinhas no pênis: a que se devem?

No entanto, os adultos também podem ter essa anormalidade. Isso pode ocorrer devido a uma série de fatores que aumentam a suscetibilidade, como os seguintes:

Dessa forma, a elasticidade da pele nessa área diminui, agravando a situação clínica do paciente. No entanto, esse problema em adultos também pode ser causado como consequência da fimose infantil que não foi tratada a tempo.

Quais são as complicações da fimose?

Há uma série de processos inerentes à manutenção intacta do limite prepucial, geralmente consequência do manuseio inadequado do mesmo.

Em geral, são quadros benignos, fáceis de tratar e sem grandes consequências. Entre elas, encontramos:

  • Balanopostite: é uma das complicações mais comuns em meninos com o prepúcio intacto. O tratamento varia da aplicação de infusão de camomila e limpeza do pênis e secreções, em casos mais leves, à introdução de tratamento com antibióticos tópicos ou sistêmicos e à drenagem de secreções.
  • Esmegma: é uma consequência dos produtos de descamação da mucosa da glande e da pele prepucial. Em alguns pacientes, elas se acumulam na forma de nódulos esbranquiçados ou pérolas. Não requer um tratamento específico.
  • Parafimose: consiste no aprisionamento da pele prepucial por um anel cutâneo constritivo que é forçado a se retrair, sem dilatação prévia adequada. É uma emergência urológica que requer cuidados imediatos e adequados para evitar complicações maiores.
  • Balanite xero-obliterante: é uma dermatite atrófica crônica, de etiologia desconhecida e caracterizada pela presença de placas atróficas esbranquiçadas na pele prepucial e da glande. Uma vez diagnosticada, o tratamento é circuncisão.
  • Infecções recorrentes do trato urinário: a existência de um maior risco de infecções do trato urinário em meninos não circuncidados foi descrita em comparação com aqueles que são circuncidados. Nos casos de infecções urinárias de repetição, a circuncisão deve ser considerada.

Você também pode estar interessado em ler: Posturas sexuais perigosas para o pênis

Circuncisão: a cirurgia para reverter o quadro

Circuncisão

A circuncisão é a intervenção cirúrgica por meio da qual o anel prepucial e, em maior ou menor grau, a pele prepucial são removidos. O objetivo da cirurgia é permitir a retração adequada da pele remanescente e a exposição completa da glande.

Existe uma indicação médica para a circuncisão nos casos em que o tratamento conservador, por meio de retrações repetidas e progressivas, juntamente com o tratamento tópico com creme corticosteroide, não foram eficazes na solução do problema.

Normalmente, isso é feito em torno dos 5-6 anos de idade da criança. No entanto, juntamente com a indicação médica, existem fatores socioculturais e religiosos que são adicionados aos fatores médicos, levando a diferentes práticas dependendo do contexto social.

Por exemplo, na tradição judaica, as crianças devem passar por essa cirurgia no oitavo dia de vida. Na religião muçulmana, a circuncisão também deve ser feita sistematicamente durante a infância.

  • Castro S., F., Castro Aguirre, F., & Raby B., T. (2010). Fimosis y circuncisión. Revista Chilena de Pediatria. https://doi.org/10.4067/S0370-41062010000200009
  • Durán Salcazar, S. (2010). Fimosis y parafimosis.
  • González Fernández, M., Sousa Escadón, M., Parra Muntaber, L., & López Pacios, J. C. (2001). Esteroides tópicos en el tratamiento de la fimosis infantil. Revista Pediatría de Atención Primaria.
  • Muñoz, D. (2011). HIGIENE PERINEAL. Entrada En Vigor.