Abaixar a pele do pênis dos bebês: sim ou não?

20 de março de 2019
Ao ter um menino, vem a dúvida: abaixar a pele do pênis, fazer a circuncisão ou deixar que as aderências do prepúcio evoluam naturalmente? Essas são visões distintas para um tema fundamental da saúde do seu filho.

Ao ter um menino, há diferentes posicionamentos sobre um tema fundamental: abaixar a pele do pênis. Entre os pediatras, há várias posturas: os que sugerem puxar essa pele de uma vez e os que acreditam que isso deve ser feito com delicadeza, aos poucos.

Da mesma forma, entre as mulheres que têm meninos há duas formas de abordar esse tema. Algumas consideram que é necessário abaixar o prepúcio e outras mães decidem esperar que isso ocorra naturalmente. Há também as que resolvem o problema quando o bebê nasce, através de uma circuncisão.

Para qualquer mãe que tenha tido seu primeiro filho menino, esse é um tema que gera preocupação. Há muitas opiniões diferentes entre mães e médicos.

O pênis do bebê

A glande está protegida pela pele do prepúcio. No recém-nascido, o prepúcio está grudado na glande e não é possível retirá-lo. Isso é normal e se chama “aderência prepucial”. A medida que o bebê vai crescendo, o prepúcio vai se separando e deixa a glande descoberta.

Trocar fralda

As aderências prepuciais se formam entre a pele do prepúcio e a mucosa da glande. Essas aderências impedem que a pele seja abaixada e dão a aparência de fimose, um problema comum do pênis que estreita a abertura do prepúcio e impede que a glande seja descoberta.

Porém, em um bebê, é muito cedo para falar que há uma doença. As aderências do prepúcio são um mecanismo de defesa do corpo para proteger o pênis de infecções. Se deixar que ela se desenvolva, a maioria acaba desaparecendo entre os 3 e 4 anos de idade.

Confira também: As doenças de transmissão sexual na gravidez

Abaixar a pele do pênis ou não?

Até pouco tempo atrás, os pediatras recomendavam a redução da pele do pênis com uma rápida dilatação, em um momento, quando o bebê tem entre 3 e 4 meses de idade. Alguns pais levam o bebê a um urologista para realizar o procedimento.

Com uma breve anestesia local, o médico faz uma dilatação forçada no prepúcio. No entanto, é algo doloroso para o bebê, além de sangrar. A manobra brusca para vencer a resistência do prepúcio pode deixá-lo ainda mais estreito após a cicatrização da ferida resultante.

Abaixar a pele do pênis pode gerar dor

Atualmente, os pediatras recomendam que a pele seja abaixada suavemente e aos poucos durante o banho. São raros os casos em que os meninos chegam aos 3 anos de idade sem que as aderências tenham desaparecido espontaneamente.

Nesses casos, o pediatra ou o urologista ensina aos pais uma manobra suave para abaixar a pele do pênis com uma pomada ou creme com corticoide. Nos casos em que há a suspeita de fimose, é necessário fazer uma circuncisão. No entanto, não se trata de uma decisão que deve ser tomada imediatamente.

Respeite o tempo do seu bebê

Ao nascer, é normal que o prepúcio fique preso à glande. Em casos muito raros, a pele do pênis é retirada no momento do nascimento. O normal é que as aderências prepuciais desapareçam entre os 3 e 4 anos de idade, embora algumas sumam por volta dos 5 anos.

Por volta dos 2 anos de idade, a criança começa a explorar o próprio corpo, fase que coincide com a retirada da fralda. Ela mesma começa a puxar ou baixar a pele do pênis, que por volta dos 3 ou 4 anos se torna mais flexível. A melhor alternativa é respeitar o ritmo de crescimento e evolução do seu bebê.

Abaixar a pele do pênis pode ser mais higiênico

Por outro lado, as aderências do prepúcio vão cedendo com o contato e a exploração que a criança faz no seu próprio corpo, podendo abaixar com mais facilidade. Se o seu pediatra for uma daquelas pessoas que acredita que você tem que separar a pele da glande o mais cedo possível, lembre-se de que esse é um procedimento doloroso para o bebê e com resultados duvidosos.

Não deixe de ler: Tratamento do papiloma humano

Últimas considerações

Sem dúvida alguma, deixar-se levar pela opinião de um especialista é normal, principalmente no caso de mães de primeira viajem. Nós temos a tendência de valorizar demais a opinião do médico e isso, sem dúvida, gera benefício. No entanto, também é importante se manter bem informada sobre os procedimentos e os processos naturais e evolutivos de cada bebê.

Em suma, o diagnóstico de fimose não pode ser feito em bebês menores de 3 anos. Portanto, avalie com calma as considerações do seu médico em relação à aderência. Se achar que deve consultar outro especialista, não hesite em fazê-lo.

Por volta dos 5 ou 6 anos, caso a pele do prepúcio não tenha abaixado, pode ser necessário recorrer à uma intervenção cirúrgica. Dependendo da situação da fimose, é possível esperar até os 14 anos para fazer a circuncisão. Dessa forma, não se pressione em tomar uma decisão tão importante de maneira acelerada.