O que é o flexitarianismo e quais são os seus benefícios?

'Flexitarianismo' é o termo que descreve pessoas que comem principalmente vegetais, mas que consomem carne ocasionalmente. Conheça os benefícios dessa forma de alimentação.
O que é o flexitarianismo e quais são os seus benefícios?

Última atualização: 27 Fevereiro, 2021

Você já ouviu falar em flexitarianismo? Embora os estilos de vida vegetariano e vegano tenham penetrado fortemente na sociedade, há um grupo crescente de pessoas que podem ser consideradas flexitarianas. Você sabe o que isso significa e quais são os benefícios desta dieta?

Este termo é recente. Especificamente, a palavra se refere a ser flexível com a dieta, então é provável que você faça parte desse grupo de pessoas e ainda não saiba. Descubra mais detalhes no artigo a seguir.

O que é o flexitarianismo?

Podem ser chamados de flexitarianos todos aqueles indivíduos que baseiam seus padrões alimentares em uma dieta vegetariana, mas às vezes consomem carne. Também comem peixes, frutos do mar e aves.

Como o vegetarianismo está em alta, parte dos que iniciam esse estilo de vida são aqueles que estão se acostumando com esse tipo de dieta. Dessa forma, eles vão deixando de comer carne aos poucos, até que passam a evitá-la completamente no futuro.

Da mesma forma, podem ser incluídos neste grupo aqueles que não gostam muito de carne e decidem comê-la apenas em ocasiões especiais. Ou, por exemplo, quem consome peixes e frutos do mar, mas não carne de boi.

Para ser claro, este não é um subtipo da dieta vegetariana. Os vegetarianos têm sólidas razões éticas para não consumir animais em nenhuma circunstância. Porém, para os flexitarianos, ingeri-la não significa uma transgressão no seu estilo de vida e não é acompanhado de um sentimento de culpa.

Dieta flexitariana
O flexitarianismo não é um subgrupo dos vegetarianos, mas sim um estilo de vida particular.

Quais são os benefícios do flexitarianismo?

Vários estudos têm sugerido que basear a dieta em vegetais traz benefícios para a saúde, contanto que o plano alimentar seja balanceado em nutrientes e adaptado a cada indivíduo. Esses efeitos positivos aparecem quando a ingestão de alimentos processados, frituras e substâncias nocivas, como álcool e cigarro, é limitada.

A seguir, detalharemos o impacto positivo do flexitarianismo no corpo.

Previne o aparecimento de doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares são um grande problema de saúde pública em todo o mundo. Em particular, é a principal causa de morte nos países industrializados. Aparece devido ao acúmulo de gordura saturada e colesterol nas artérias, elementos que são comuns nas carnes vermelhas e derivados.

Nesse sentido, as evidências sugerem que um padrão alimentar baseado em vegetais, como o flexitarianismo, é positivo para evitar patologias não transmissíveis. Os benefícios surgem não só porque o consumo de gorduras prejudiciais à saúde é menor, mas também porque predominam os antioxidantes e compostos anti-inflamatórios que são capazes de melhorar a saúde vascular.

Contra a obesidade e a diabetes

A obesidade e a diabetes tipo 2 são patologias de origem metabólica que têm uma dieta inadequada como fator de risco. De acordo com os dados do artigo “Flexitarianismo: uma Revisão da Literatura”, esse estilo alimentar está relacionado a um menor risco de sofrer dessas doenças.

Este estudo constatou que o índice de massa corporal (IMC) estava dentro dos parâmetros normais nos grupos de vegetarianos e flexitarianos, em comparação com os onívoros. Um IMC adequado é um fator protetor contra doenças crônicas dos órgãos vitais.

Evita o aparecimento de patologias intestinais

A doença de Crohn e o câncer colorretal estão relacionados ao consumo excessivo de carne vermelha, embutidos e produtos gordurosos. Portanto, esse tipo de dieta tem um efeito preventivo contra eles.

Da mesma forma, consumir alimentos naturais também mantém as estruturas do trato digestivo saudáveis ​​e a microbiota em equilíbrio. Desse modo, reduz-se o aparecimento da candidíase intestinal e a formação de divertículos, que são bolsas ou dilatações que se formam na parede intestinal e que podem inflamar.

Previne os cálculos renais e biliares

Em geral, o consumo em excesso de proteínas, principalmente de origem animal, induz a eliminação de cálcio, ácido úrico e ácido oxálico pela urina. Essas substâncias são os componentes fundamentais no aparecimento de cálculos renais.

Além disso, eles também estão relacionados à ingestão regular de colesterol e gorduras prejudiciais à saúde, típicas das dietas à base de carne. Em relação a isso, a saúde renal pode ser protegida pela redução do consumo deste último.

Mulher com cálculo renal
Os cálculos renais têm grande parte da sua origem nas proteínas da carne.

Considerações finais sobre o flexitarianismo

Como você pode ver, o flexitarianismo é capaz de trazer vários benefícios para a saúde. Por ser à base de vegetais, o aporte de fibra alimentar, anti-inflamatórios e antioxidantes é alto, evitando assim as doenças típicas que aparecem nas dietas ocidentais.

No entanto, é preciso destacar que, como toda dieta alimentar, ela deve ser balanceada em nutrientes e planejada para cada indivíduo em particular. Portanto, se você deseja iniciar este tipo de dieta, é aconselhável que consulte um nutricionista para saber mais sobre o assunto.

Pode interessar a você...
Alimentos ricos em proteínas vegetais ideais para veganos
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Alimentos ricos em proteínas vegetais ideais para veganos

Você sabe quais são os melhores alimentos ricos em proteínas vegetais? Eles são muito importantes em uma dieta vegana. Conheça-os neste artigo!



  • SILVA, M. C. B. D. (2018). Flexitarianismo: Revisão de literatura (Bachelor’s thesis).
  • Aumentar el consumo de frutas y verduras para reducir el riesgo de enfermedades no transmisibles. Organización Mundial de la salud.
  • Gorrita Pérez, R. R., Ruiz King, Y., Hernández Martínez, Y., & Sánchez Lastre, M. (2015). Factores de riesgo de enfermedades cardiovasculares y cerebrovasculares en adolescentes. Revista Cubana de pediatría87(2), 140-155.
  • Informe SAN: Alimentación Vegetariana – Revisión Final. Disponible en: http://www.sanutricion.org.ar/files/upload/files/Alimentacion_Vegetariana_Revision_final.pdf.
  • Rojas Allende, D., Figueras Díaz, F., & Durán Agüero, S. (2017). Ventajas y desventajas nutricionales de ser vegano o vegetariano. Revista chilena de nutrición44(3), 218-225.
  • Raphaely, Talia, and Dora Marinova. “Flexitarianism: traditional diets as social innovation for sustainability.” Visão Global-DESCONTINUADO A PARTIR DE 2013 15.1-2 (2012): 403-422.
  • Dagnelie, P. C. “Nutrition and health–potential health benefits and risks of vegetarianism and limited consumption of meat in the Netherlands.” Nederlands tijdschrift voor geneeskunde 147.27 (2003): 1308-1313.
  • Tomova, Aleksandra, et al. “The effects of vegetarian and vegan diets on gut microbiota.” Frontiers in nutrition 6 (2019): 47.
  • Negri, Armando L., Francisco R. Spivacow, and Elisa E. Del Valle. “LA DIETA EN EL TRATAMIENTO DE LA LITIASIS RENAL BASES FISIOPATOLÓGICAS.” Medicina (Buenos Aires) 73.3 (2013).